Intérprete de Luiz Felipe Scolari está preso após briga e ofensa racista

Por: JAMIL CHADE

O Bunyodkor, time do técnico brasileiro Luiz Felipe Scolari, se envolveu em um incidente diplomático na quarta-feira. Marcelo – que é seu o tradutor – agrediu o quarto árbitro depois de ser ofendido por declarações de cunho racista, após jogo pela Liga dos Campeões Asiáticos. O intérprete está em Jedah, em uma delegacia, enquanto o Itamaraty e a Fifa já foram acionados.

 

A equipe usbeque enfrentou o Al Ittihad em uma partida disputada na Arábia Saudita. O intérprete reclamou ao final da partida de que o quarto árbitro não permitiu que um dos jogadores da equipe voltasse à campo, depois de ser atendido pela equipe médica. O assistente teria dito que não falaria com “macaco”.

 

Uma pancadaria, então, se sucedeu. Marcelo, que é Recife, deu um chute no árbitro assistente e teve de deixar o campo cercado por policiais. Foi levado para uma delegacia e passou a noite em uma sala sem cama, dormindo apenas sobre um tapete, enquanto o técnico brasileiro manteve o time no estádio.

 

Felipão se colocou na frente de seus jogadores e tentou parar a confusão, mandando o time ir para o vestiário.O atacante Denilson também reclamou bastante e gesticulou em direção aos policiais. Rivaldo não jogou. A ideia do técnico era a de não abandonar o intérprete, mas o visto dado pelos árabes terminava naquele mesmo dia e não foi renovado. O time foi obrigado a retornar ao Usbequistão.

 

Dois dirigentes do clube permaneceram em Jedah e a embaixada do Brasil em Riad explicou ao Estado, por telefone, que diplomatas já haviam sido despachados ao local para negociar a saída de Marcelo. Até o início da noite desta quinta (horário local), ele permanecia preso.

 

A rivalidade entre árabes e a população do Usbequistão é tradicional. Mas o jogo foi tenso também porque a equipe local precisaria vencer para tentar passar para a segunda fase da Liga. Com o empate, terão de vencer uma equipe do Irã em Teerã, algo considerado como impossível.

 

Fonte: Estadão

+ sobre o tema

A ambígua trajetória do racismo no futebol no Brasil

Entenda o racismo e a própria trajetória do negro...

Uma luta incansável

Desde que escrevi minha última coluna, muitas coisas aconteceram...

para lembrar

Jornalista húngara que agrediu refugiados é indiciada e pode ficar 5 anos na prisão

A cinegrafista que foi flagrada chutando e empurrando imigrantes...

Jovem de 20 anos morre vítima de bala perdida no Rio

Rebeca Nunes dos Santos foi atingida na cabeça quando...

Universidade de Oklahoma expulsa dois estudantes por crime de racismo

O presidente da Universidade de Oklahoma, no sul dos Estados...

Mangaratiba realiza Fórum de Não Violência Contra os Negros

Evento realizado nesta quinta-feira (1) contou com apresentações musicais,...
spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=