Itamar Assumpção para crianças

Entre as tantas linguagens artísticas que explorou ao longo da vida, o compositor, can tor e instrumentista Itamar Assumpção também escreveu livros para crianças. Os  textos, até agora inéditos, foram encontrados por sua filha, a também cantora e com positora Anelis Assumpção, nos cadernos que ele fazia. Falecido há 17 anos, o artista  ganha, a cada dia, maior reconhecimento e a notoriedade merecida.  

Homem-Bicho, Bicho-Homem é o primeiro volume da coleção Itamar para  crianças, lançada pela Editora Caixote. Este e os próximos três livros – que serão pu blicados ao longo de 2021 e 2022 – têm em comum os animais como personagens (e  a valorização da natureza), o ritmo sempre presente e as imagens poéticas inusitadas.  Mais não é possível dizer, sem dar muito spoiler, a não ser que são textos divertidos e  ousados, como o próprio Itamar. 

Foi convidado para ilustrar os livros Dalton Paula, artista goiano com trabalhos  em bienais e museus importantes, como MASP e MoMA (NY), e que é reconhecido por  sua busca da linguagem afirmativa que resgata os saberes da população negra. Com o  convite, ele, que é fã de Itamar, afirma ter sentido “o chamado da ancestralidade”.

O livro tem edição da poeta Alice Ruiz S, parceira de trabalho de Itamar de  longa data, e de Isabel Malzoni, diretora da Caixote. Como observa Alice, “poucos  sabiam que ele também era escritor. E que seus leitores favoritos seriam as crianças”. 

O cantor e compositor paraibano Chico César, que assina a quarta capa do  lançamento, ressalta em forma de poema a pegada lúdica, ecológica e transcendental  do escritor que fala de bichos e de meio ambiente: “puxando o fio da meada que nos  liga à natureza/ à nossa natureza/ a natureza dos bichos/ a natureza das pessoas/ e  à natureza dele…” 

Nego Dito, Beleléu 

Um dos ícones da chamada “Vanguarda Paulista”, Itamar Assumpção fez parcerias  célebres com poetas, como os amigos Alice Ruiz e Paulo Leminski, músicos e cantores  como Luiz Tatit, Alzira E, Naná Vasconcelos e Chico César. E foi imortalizado nas can ções Fico Louco, Sutil, Milágrimas (também publicada em formato de livro ilustrado  pela Ed. Caixote), Dor Elegante, Isso Não Vai Ficar Assim e Já deu pra sentir, nas vo zes de Zélia Duncan, Cássia Eller, Ná Ozzetti e Ney Matogrosso, entre outros. 

Sua personalidade irreverente e sua obra potente e visionária são temas dos do cumentários Daquele Instante em Diante, de Rogério Velloso, e Reverberações – Itamar  Assumpção, de Pedro Colombo e Claudia Pucci.

Divulgação

Homem-bicho, Bicho-homem 

por Itamar Assumpção e com ilustrações de Dalton Paula  

Editora Caixote 

32 págs  

capa dura 21 x 21 cm 

ISBN: 978-65-86666-04-5 

R$ 48 

www.editoracaixote.com.br 

lançamento: 15 de março 

 

Itamar Assumpção (por Anelis Assumpção) 

“Meu pai nasceu em 13 de setembro de 1949, na cidade de Tietê, interior de São  Paulo, e faleceu em 12 de junho de 2003. Cantor, compositor, instrumentista, ator,  produtor e, também, escritor, embora se considerasse simplesmente um Poeta Não.  Produziu uma obra valiosa: mais de 300 músicas, 9 discos e centenas de poesias.  Seu rico acervo está, desde 2020, no museu virtual criado em sua homenagem, o  MU.ITA. Entre 1998 e 2003, Itamar dedicou-se a uma coleção de livros infantis que  se chamaria “Homem-Bicho – Bicho-Homem”. Inquieto em sua arte e dedicado ao  estudo da palavra, Ita resolveu se aprofundar na linguagem infantil e se empenhou  bastante na construção dessas obras. Ele também era famoso por sua paixão pela  natureza, flores, plantas e bichos. Com esses livros, proporciona um belo encontro en tre a palavra e a memória, que desembocam num rio criativo, cheio de trava línguas  que destravam o pensar.”  

Dalton Paula (por ele mesmo) 

“Nasci em Brasília, em 1982, e atualmente vivo em Goiânia. Trabalho como educa dor e artista visual. Gosto de fazer pinturas, fotografias, esculturas e instalações e,  principalmente, de investigar as influências da diáspora negra na história brasileira.  Obras minhas já foram expostas em museus como o MASP e o Instituto Tomie Ohtake  e em eventos de arte, como a Bienal de São Paulo, a Trienal do Novo Museu em  Nova York e a Bienal do Mercosul. Ao ser convidado para ilustrar os livros inéditos  de Itamar, de quem sou fã, senti o chamado da ancestralidade. Deixou-me muito feliz  a oportunidade de fazer parte de uma obra desse artista, que tanto fez por nossa cultura.” 

+ sobre o tema

Edson Cardoso, o Jacaré do É o Tchan, se firma como ator dramático

O baiano, que integra o programa 'Aventuras do Didi',...

Rapper angolano Malef ganha prémio em Festival Internacional de Hip Hop

O rapper Malef ganhou o prémio de melhor artista...

Olímpiadas 2012: Serena Williams na final após vitória arrasadora

A norte-americana Serena Williams está classificada para a final...

Mostra divulga produções artísticas da periferia de São Paulo

Por: Camila Maciel São Paulo – Cantar, recitar,...

para lembrar

As Duas Cores de Machado de Assis

"Mulato, ele foi de fato, um grego da melhor...

Literatura negra não caiu na graça do mercado, diz autor de Cidade de Deus

Em entrevista ao G1, Paulo Lins falou sobre samba,...

Em debate na Flica, Livia Natália diz: ‘Eu digo como quero ser representada’

Poeta baiana participou de mesa ao lado de Sapphire,...

Tradição exemplar: Negroesia, de Cuti

Por Jônatas Conceição da Silva1 Acredito que...
spot_imgspot_img

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga caiu no chão, eu levantei ela pelo cabelo. Depois a gente riu e depois a...

Em autobiografia, Martinho da Vila relata histórias de vida e de música

"Martinho da Vila" é o título do livro autobiográfico de um dos mais versáteis artistas da cultura popular brasileira. Sambista, cantor, compositor, contador de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...
-+=