Jornalistas são indiciados por injúria racial após black power de jogador ser chamado de ‘imundo’ e ‘pesado’ durante jogo

Enviado por / FontePor Danielle Oliveira, do G1

Comentários foram feitos durante partida entre Goiás e Londrina transmitida por uma rádio. Profissionais foram afastados e pediram desculpas ao jogador.

A Polícia Civil indiciou por injúria racial o narrador esportivo Romes Xavier e o comentarista Vinícius Silva, que chamaram o cabelo black power do jogador Celsinho, do Londrina, de “pesado” e “imundo” durante uma transmissão em uma rádio, em Goiânia. O delegado Joaquim Adorno disse que eles foram indiciados com agravamento de pena, por terem feito comentários em um meio que facilitou a divulgação.

Os dois jornalistas, que foram afastados da Rádio Bandeirantes, pediram desculpas ao jogador e ao clube paranaense, à época do jogo. Eles disseram que fizeram comentários infelizes durante a partida, realizada em 17 de julho.

Ao G1, Romes disse que não foi notificado da conclusão do inquérito, mas que está “aberto a todo movimento que possa colaborar com a intenção de esclarecer dúvidas sobre o caso”. “Em especial, reafirmar meu compromisso com a ressignificação da minha conduta para não ter atitudes ruins no futuro”, disse.

Após o indiciamento, a reportagem também tentou contato com Vinícius, por mensagem enviada às 15h35, e aguarda retorno. À polícia, os dois alegaram que não tiveram a intenção de ofender Celsinho.

O meia do Londrina registrou boletim de ocorrência contra os jornalistas, na 2ª DP da cidade. O procedimento veio para a Polícia Civil de Goiás, no dia 5 de agosto. Na segunda-feira (13), o delegado do Grupo Especializado no Atendimento às Vítimas de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Geacri) concluiu o inquérito e o encaminhou para o Poder Judiciário nesta terça-feira (14).

“A Polícia Civil concluiu que ambos praticaram o crime de injúria racial com agravamento de pena, por terem feito comentários por um meio que facilitou a divulgação e também porque, depois, um dos autores postou no próprio twitter a transmissão do jogo, então, há agravamento pela divulgação”, disse.

Jogador de futebol Celsinho, meia campista do Londrina, que já jogou pelo Vila Nova — Foto: Londrina Esporte Clube / Divulgação

Segundo o delegado, os dois respondem em liberdade pelo crime e, se condenados, eles poderão cumprir de um a três anos de reclusão, podendo a pena ser triplicada devido aos agravamentos.

“Eles já prestaram depoimento, se retrataram, mas a injúria racial é um crime que ofende a honra, então, não cabe retratação. À polícia, eles disseram que em momento algum tiveram intenção de ofender”, disse.

Repúdio

Com a repercussão do caso, o Londrina Esporte Clube manifestou em nota repúdio às declarações, logo após o jogo. O clube afirmou que é “inadmissível e lamentável que tais comunicadores, formadores de opinião, propaguem atos de racismo”.

O meia já jogou pelo futebol goiano e defendeu o Vila Nova em campo, até março do ano passado.

Outro lado

A Rádio Bandeirantes disse em comunicado, à época do jogo, que repudia veementemente “qualquer ato que possua cunho ou menção racista a qualquer pessoa” e solicitou a imediata rescisão contratual dos jornalistas. Após o indiciamento dos profissionais, o G1 tenta novo contato com a rádio, por mensagem e ligação feitas às 15h40, e aguarda retorno.

Romes Xavier disse no dia 5 de agosto que respeita a decisão do clube e do atleta. Reforçou o que foi dito apenas por ele durante o jogo: “O cabelo dele deve pesar demais. É bonitão, é um black power, é um estilo, é um ritmo”. Em nota, o narrador reafirmou que não teve “a intenção de discriminar o jogador Celsinho”. “Lamento o ocorrido e estou tentando ser uma pessoa melhor todos dias”, declarou.

Já o comentarista esportivo Vinícius Silva disse que entrou em contato com Celsinho para pedir desculpas, logo após o jogo.

“Demonstro todo arrependimento pelo comentário infeliz referente ao atleta Celsinho. Peço desculpas a ele e sua família. Entrei em contato com Celsinho demonstrando todo remorso. A Rádio Bandeirantes é completamente contra essa postura e eu particularmente também sou”, escreveu.

+ sobre o tema

Documento mostra casos de discriminação racial no futebol em 2017

Enfim foi publicado o Relatório Anual da Discriminação Racial...

Manicure negra sofre agressão racial e chama racista às falas nas redes sociais

Flávia Abreu manicure na cidade de São Carlos no...

Fazenda “sem racismo” faz acordo com Ministério Público para evitar processos

Foto: Igor Alecsander Por Cecília Olliveira Do The Intercept OS QUITUTES SERVIDOS...

Circula ainda no DF cartilha racista da Polícia Militar

MPDFT recomenda recolhimento de cartilha com conteúdo racista produzida...

para lembrar

Pacificação na Maré é sinônimo do medo

Não temos a garantia de um dia de paz....

O desvio da injúria racial como suporte à intolerância no Brasil

Três Copas mundiais de futebol. Por Vera Lúcia Santana Araújo, da...
spot_imgspot_img

Novo Selo de Igualdade Racial será lançado para incentivar diversidade nas empresas, anuncia Anielle Franco

O governo federal planeja introduzir, até o final do ano, um "Selo de Igualdade Racial" destinado a reconhecer empresas públicas e privadas que implementam...

Professora denuncia aluno por injúria racial após estudante escrever ‘preto não é gente’ em folha de papel

Uma professora denunciou um estudante de 14 anos à polícia após ele escrever "preto não é gente" em uma folha de papel, em uma...

5 por dia: Bahia lidera ranking de mortes em ações policiais no primeiro quadrimestre

Enquanto a localização de lideranças criminosas aumentou na Bahia no início de 2024, a letalidade das ações policiais também registrou crescimento. De acordo com o Ministério...
-+=