Julho das Pretas: mês de valorização do protagonismo de mulheres negras na cultura, ciência e política do Piauí

Enviado por / FonteDo G1

O mês foi escolhido porque no dia 25 se comemora o Dia Internacional da Mulher Negra Afro Latina Americana e Caribenha, de acordo com o Instituto da Mulher Negra - Odara.

Julho chegou e com ele o movimento Julho das Pretas, que trabalha ao longo do mês temas importantes e necessários relacionados à superação das desigualdades de gênero e raça. No Piauí, o programa Piauí de Riquezas trouxe três mulheres negras que produzem conteúdo sobre a data e sua importância.

O mês foi escolhido porque no dia 25 se comemora o Dia Internacional da Mulher Negra Afro Latina Americana e Caribenha, de acordo com o Instituto da Mulher Negra – Odara.

Loja virtual

A cientista social e empreendedora, Joana Vitoria, há seis meses, cria conteúdo para sua página na internet, Preta Potência, abordando curiosidades, histórias e diversos assuntos sobre pessoas negras do Brasil e do mundo, que segundo ela, não se aprende na escola.

“Falo sobre histórias que a gente não conhece, sobre pessoas preciosas do nosso passado que foram matemáticos, engenheiros, físicos, e tento trazer essa autoestima tanto intelectual quanto física, falando sobre tecidos, penteados, cores, maquiagem. O retorno do público está sendo perfeito, nem nos meus sonhos eu imaginaria isso, porque assim, a internet alcança uma dimensão que eu não fazia ideia”, afirmou empolgada.

A empreendedora também vende turbantes para a cabeça (Foto: Reprodução/TV Clube)

Há pouco mais de um mês ela vende tecidos e ensina como usar turbantes na cabeça. Vale lembrar que essas peças, mais do que um acessório estético, representam também um símbolo da resistência da cultura negra, reafirmação e resgate da identidade. Sua loja de tecidos também é virtual e se chama Ori Ayaba.

Ori é aquilo que a gente chama de cabeça, a gente também pode considerar como se fosse nosso orixá pessoal, aquele que nos guia, aquele que a gente sempre deve cultuar bem ele. E o Ayaba é relacionada a rainha”, explicou Joana.

Podcast Debaixo do Cajueiro

O podcast ‘Debaixo do Cajueiro’, idealizado e apresentado por Clara Bispo, estudante e produtora de conteúdo, e Elanny Silva, cientista social e produtora de conteúdo, nasceu em 2020 e tem 27 episódios. O nome foi escolhido de forma especial pelas duas mulheres que o compõe.

“É um marcador territorial muito importante, com uma fruta muito importante do lugar onde a gente vive. Então isso é muito forte, o lugar de onde a gente vem, de onde a gente fala”, explicou Clara Bispo.

Segundo Elanny, inicialmente, o programa de áudio servia para elas colocarem seus pensamentos e diálogos de acordo com a perspectiva da mulher negra e suas vivências.

Com o passar do tempo, o podcast virou uma rede social de apoio e compartilhamento de histórias dentro da comunidade negra. Para as apresentadoras o mais importante era compartilhar e acolher outras mulheres negras nordestinas.

“Então a gente falou sobre vozes, de como foi a nossa vivência relacionada ao nosso tom de voz, a forma como a gente se colocava dentro das nossas rodas, a gente foi falar sobre os nossos corpos, sobre os nossos cabelos, falamos sobre transição capilar, assuntos que de certa forma estavam em comum com a nossa comunidade. Então esse ‘Debaixo do Cajueiro’ foi se formando rede social que foi meio que um aconchego, onde a gente está colocando essas ideias, então era tudo muito fluido, muito natural”, afirmou Elanny.

+ sobre o tema

Sobre cabelos, relacionamentos e outras coisas!

Após uma atividade na minha universidade em celebração ao...

Mãe preta pode ser? Mulheres negras e maternidade

Débora Silva Maria, do Movimento Mães de Maio, há...

Quem vestiu a Globeleza?

Enviado para o Portal Geledés Engana-se os que acham que...

para lembrar

2° Mostra da Mulher Afro discute violência contra a mulher negra

O Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes (CFCCT) realiza...

Com protagonismo de mulheres negras, Festival Latinidades chega pela primeira vez a São Paulo

Programação do evento tem como objetivo dar visibilidade para...

Mulheres e parteiras: saberes e cuidados num quilombo da Amazônia

Falar de gravidez e do ato de parir uma...
spot_imgspot_img

II Encontro de Mulheres Negras e Mercado de Trabalho

Muito aconteceu desde o nosso último encontro em 2022. Nesta segunda edição do Encontro de Mulheres Negras e Mercado de Trabalho que encerra com...

Festival Latinidades traz shows e debates para Salvador 

Após o sucesso das edições em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro, o 16º Festival Latinidades chega a Salvador neste sábado e domingo,...

Julho das pretas: conheça a trajetória da caririense Neusa Lourenço

O dia 25 de julho é uma data para ser celebrada. Isso porque internacionalmente desde 1992 em Santo Domingo, na República Dominicana, quando um...
-+=