Guest Post »

Minha produção de conhecimento histórico é contaminada pela condição de mulher negra e quilombola

Escolhi parafrasear no título do presente guest post a escritora brasileira, Conceição Evaristo, que constrói contos e poemas reveladores da condição da população negra no país. A intelectual operaciona a categoria de “escrevivência”, através de uma escrita que narra o cotidiano, as lembranças e as experiências do outro, mas sobretudo, a sua própria, propagando os sentimentos, as lutas, as alegrias e resistências de um povo cujas vozes são silenciadas.

Por  Ana Paula Batista da Silva Cruz², enviado para o Portal Geledés 

Recusar a suposta neutralidade epistemológica é algo presente em discursos de intelectuais negras que compreendem a importância da intersecção entre militância e conhecimento científico. Davis³, destacou que a partir dessa relação é possível pensar em um novo modelo de sociedade menos hierarquizada e excludente.

Minhas pesquisas caminham nesse sentindo interseccional entre produção de conhecimento histórico e militância política, enquanto historiadora negra e quilombola, os estudos sobre o Vale do Iguape, região a qual sou oriunda, é também “uma escrita de si”, e considero pertinente relatar isso para demarcar meu lugar de pesquisadora de “dentro”.

Costumo relatar, que o meu “lugar social” acabou definindo as minhas escolhas acadêmicas, ingressei no curso de graduação no ano de 2007, período este, que a comunidade de Santiago do Iguape onde nasci e me criei havia acabado de ser certificada pela Fundação Cultural Palmares como quilombola. Questões sobre o processo de construção indenitária me chamaram atenção, e assim nascia o meu projeto de iniciação científica e minha perspectiva de análise no âmbito da História.

Explanei um pouco acerca da minha relação intelectual com o meu lugar social, agora vou apresentar para vocês um pouco do Vale do Iguape.

O vale do Iguape localiza-se, no Município de Cachoeira, no Recôncavo da Bahia à 110 km da capital do estado Salvador, às margens do Rio Paraguaçu em seu encontro com as águas da Bahia de todos os Santos. Nesta microrregião, encontram-se 18 comunidades quilombolas, que se formaram no antigo território da Freguesia açucareira de São Thiago do Iguape, desta forma, considero importante compreender e demarcar esse espaço, enquanto lugar historicamente ocupado por populações negras, descendentes do cativeiro, que de diferentes modos, acumularam experiências históricas.

Foto: Gustavo Mello

A imagem 4 retrata o porto da minha comunidade de origem, Santiago do Iguape que funciona como um centro agregador das demais localidades circunvizinhas, uma vez que, em Santiago funciona a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), o Cartório Cívil, a Igreja Matriz, a Colônia de Pescadores e a única escola com acesso ao ensino médio ( A Escola Quilombola Estadual Eraldo Tinoco).

Essa escola faz parte da minha formação o meu ensino fundamental foi realizado nesse ambiente. Sempre fui aluna da educação pública, e no contexto atual de severas críticas e tentativas de desarticulação da mesma, escrevo esse post, também para exaltá-la e defendê-la, pois através do acesso à Educação Pública e de qualidade mulheres como eu estão iniciando um processo de inversão das estruturas, na qual deixamos de ser objetos de estudos e passamos a narrar nossa própria história5.

Através do processo de democratização do ensino superior nos anos 2000 pude ingressar no curso de História na cidade de Cachoeira (UFRB) e enquanto quilombola, além da militância pude também fazer ciência, produzir conhecimento histórico a partir de pesquisas empíricas. E através dessas produções que interseccionam militância e ciência fui uma das (os) 16 estudantes de doutorado selecionadas (os) para participar do Mark Claster Mamolen Dissertation Whokshop Class off 2020, na Universidade de Harvard, entre os dias 01 e 03 de maio deste ano, com todas as despesas pagas pela referida instituição.

Um Workshop criado em memória de Mark Claster Mamolen, e que acontece anualmente buscando dialogar com as melhores dissertações de doutorado que versem sobre estudos afro-latino americanos.

Estarei participando da quinta edição do projeto, representado a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e dialogando com estudantes do mundo inteiro sobre a trajetória das famílias negras do Vale do Iguape em suas lutas por terras, pelo direito ao território, por cidadania e bem viver. Essa é uma conquista minha, mas sobretudo, uma conquista coletiva que perpassa, principalmente, por todas as minhas vivências na comunidade Quilombola do Iguape.


1-  Entrevista com a escritora, Mestre em Literatura Brasileira, Conceição Evaristo. Concedida ao Jornal Nexo. https://www.nexojornal.com.br/entrevista/2017/05/26/Concei%C3%A7%C3%A3o-Evaristo-%E2%80%98minha-escrita-%C3%A9-contaminada-pela-condi%C3%A7%C3%A3o-de-mulher-negra%E2%80%99. Data de acesso: 01\04\2019.

2- Quilombola, Professora da Educação Básica e Doutoranda em História pela UFRRJ. 

3-  DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

4 – Disponível em: https://www.flickr.com/photos/gustavo_mello/15364169844. Data de acesso: 28\02\2020.

5 – Ver: XAVIER, Giovana. Você pode substituir mulheres negras como objeto de estudo por mulheres negras contando sua própria história. Rio de Janeiro: Malês, 2019.

 


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

Related posts