quinta-feira, janeiro 26, 2023
InícioQuestões de GêneroViolência contra MulherJustiça decreta prisão de sargento da Aeronáutica

Justiça decreta prisão de sargento da Aeronáutica

Aeronáutica Edvaldo Silva Rodrigues Junior, que confessou ter estuprado pelo menos dez mulheres nos últimos dois meses em bairros da Zona Norte e do subúrbio do Rio. Nesta quarta-feira, o delegado titular da 25ª DP (Engenho Novo), Antenor Lopes Martins Junior, vai encaminhar um ofício à polícia do Maranhão com a foto do estuprador. “Ele já serviu como sargento da Aeronáutica lá no Maranhão e pode ter feito vítimas lá”, justificou o delegado, destacando que é fundamental que as vítimas procurem a polícia para denunciar outras ações de Edvaldo.

– Nesse tipo de crime muitas pessoas têm vergonha de procurar a polícia. Mas isso é fundamental que isso aconteça para que ele seja responsabilizado – afirmou. Na decisão da Justiça, o juiz Rafael Estrela, da 35ª Vara Criminal, relatou a própria confissão do sargento. “O acusado descreveu minimamente a dinâmica dos fatos, o que retrata sua personalidade inclinada à prática de delitos contra a liberdade sexual”.

De acordo com informações do portal G1, o juiz acrescenta que casos como este tem chocado a opinião pública. “Ações delituosas como estas estão assustando a sociedade, encontrando-se todos, à espera de uma pronta intervenção do Poder Judiciário, mesmo que de natureza ainda provisória, deve ser decretada a prisão do acusado para a garantia da ordem pública, da aplicação da lei penal e elucidação dos fatos”.
Segundo o delegado, com o passar do tempo o estuprador começou a demonstrar maior frieza e crueldade durante os ataques. “Primeiro ele se masturbava na frente das mulheres, depois chamava, depois passou a agarrá-las e fazer sexo oral. Nos primeiros estupros ele não usava violência, depois começava a bater. Ele foi mostrando comportamento cada vez mais agressivo”.

Ainda de acordo com a polícia, o sargento sempre escolhia o mesmo perfil de vítimas. Na maioria das vezes eram mulheres bonitas e jovens, muitas, inclusive, menores de idade. O militar costumava atacar as vítimas pela manhã, antes de ir para o trabalho. No entanto, como no mês de novembro ele estava de férias, o número de vítimas cresceu. “Ele ia deixar a mulher no trabalho ou no ponto de ônibus e cometia os estupros na volta”, disse o delegado.

 

 

Fonte: Correio do Brasil

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench