Lei estabelece sistema de cotas nos cursos de pós-graduação no RJ

Medida é válida para cursos nas universidades estaduais.
Filhos de agentes de segurança mortos em serviço também têm reserva.

 

No, G1

 

A partir de agora os cursos de pós-graduação, incluindo mestrado e doutorado, nas universidades públicas mantidas pelo governo estadual do Rio de Janeiro contam com sistema de cotas. A medida é válida para processos seletivos abertos a partir de 6 de novembro de 2014, data em que a lei 6.914 foi publicada no Diário Oficial, na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), na Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (UEZO) e na Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF).

A lei sancionada pelo governador Luiz Fernando Pezão estabelece que 12% das vagas sejam destinadas a negros e indígenas, 12% para egressos carentes de instituições públicas ou privadas e 6% para portadores de necessidades especiais, e filhos de policiais civis, militares, bombeiros militares e inspetores de segurança e administração penitenciária mortos ou incapacitados em razão do serviço.

Somados, os percentuais equivalem a 30% das vagas ofertadas em cada curso. No entanto, o Art. 3º da lei estabelece que “fica limitado a 20% (vinte por cento) do total de número de vagas”. De acordo com a Secretaria de Ciência e Tecnologia, a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) deverá rever se houve erro na redação final da lei e definir o percentual máximo de reserva.

Ainda segundo a Secretaria de Ciência e Tecnologia, comissões foram criadas no órgão para que sejam definidos os detalhes da aplicação da lei.

Conforme o texto publicado no Diário Oficial, se autodeclarar negro basta para concorrer à uma vaga pelo sistema de cotas. A lei, no entanto, destaca que a universidade deverá “adotar as medidas disciplinares nos casos de falsidade”.

A carência financeira para quem concluiu a graduação em instituição particular é atribuída a quem foi beneficiado pelo Fundo de Financiamento Estudantil (FIES), pelo Programa Universidade Para Todos (ProUni) ou qualquer outro programa de incentivo do governo. Já para os egressos de instituições públicas ficará a cargo da universidade estabelecer como se fará a comprovação da carência financeira com base nos indicadores sócio econômicos utilizados por órgãos públicos oficiais.

A lei é originária do Projeto de Lei (694-A/11), de autoria do deputado Zaqueu Teixeira (PT), que foi aprovado pela Assembleia Legislativa do Estado (Alerj) em 15 de outubro.

 

Leia Também:

Folha, cotas e a jogada de marketing – Por: Dennis de Oliveira
Cotas raciais, porque sim!

Cotas raciais e a hipocrisia branca

+ sobre o tema

Brancos, vamos falar de cotas no serviço público?

Em junho expira o prazo da lei de cotas nos...

Em junho, Djavan fará sua estreia na Praia de Copacabana em show gratuito

O projeto TIM Music Rio, um dos mais conhecidos...

O precário e o próspero nas políticas sociais que alcançam a população negra

Começo a escrever enquanto espero o início do quarto...

Estado Brasileiro implementa políticas raciais há muito tempo

Neste momento, está em tramitação no Senado Federal o...

para lembrar

Comissão do Senado aprova cotas para negros em concursos

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do...

Ações afirmativas deixarão Defensoria Pública mais democrática

Por Rafael Custódio, Sheila de Carvalho, Silvio Luiz de Almeida e Daniel Teixeira Nesta quinta-feira (23/10),...

Plenário analisa resolução para inclusão de cotas raciais na magistratura

O plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) começou...

Objetivo da Unicamp é a excelência e a inclusão social, diz reitor da universidade

Instituição terá neste ano mais de 50% dos alunos...
spot_imgspot_img

Brancos, vamos falar de cotas no serviço público?

Em junho expira o prazo da lei de cotas nos concursos públicos. A proposta de renovação apresentada pelo governo Lula e elaborada de forma interministerial tem sofrido...

Um país doente de realidade

O Brasil é um país "doente de realidade". A constante negação da verdade me leva a essa conclusão. Enquanto parte dos indivíduos prefere alterar...

Inclusão não é favor

Inclusão não é favor. Inclusão é direito! Essa é a principal razão pela qual ações voltadas à promoção da equidade racial devem ser respeitadas, defendidas e...
-+=