Ludmilla promove a maior doação de sangue do Hemorio desde 1944

Enviado por / FonteSplash

Ludmilla, 28, está doando ingressos para o seu evento ‘Numanice’ em uma parceria com o Hemorio. No primeiro dia da campanha, a cantora promoveu a “maior doação da história deles [Hemorio] desde a abertura, em 1944”, segundo ela.

Salvando vidas. Em seu perfil no Twitter, Ludmilla disse estar “muito feliz por poder usar sua voz para causas como essa” e incentivou seus fãs a continuarem as doações: “Vamos juntos fazer o maior Numanice de todos os tempos.”

Como funciona?

Na campanha, divulgada tanto no Instagram do Hemorio quanto no de Ludmilla, a cantora explicou as regras e o que a pessoa precisa fazer para participar.

“Em parceria com o Hemorio, eu separei algumas cadeiras no setor superior do Engenhão. Estamos lançando a campanha ‘Numanice Está no Sangue’.

É muito simples: vá até alguma unidade do Hemorio na cidade do Rio de janeiro entre os dias 5 e 7 de julho, informe que está doando para a campanha Ludmilla Numanice.

Faça sua doação, informe seu e-mail de cadastro e pronto. Seus ingressos são para as cadeiras superiores e estão sujeitos a esgotarem. Nos vemos no dia 8, no Engenhão.”

+ sobre o tema

Senado uruguaio aprova descriminalização do aborto

Texto estabelece procedimentos e atendimento na rede pública e...

13 casos de violência doméstica do DF em apenas um dia

Em apenas um dia, policiais militares atenderam 13 ocorrências...

Rebeca Andrade conquista inédita prata para o Brasil na ginástica das Olimpíadas

O Baile de Favela ecoou no pódio das Olimpíadas...

17ª Parada de Orgulho LGBT do Rio: ‘Coração não tem preconceitos. Tem amor’

O sol forte voltou a aparecer neste domingo, e...

para lembrar

Grávida é processada por matar feto após ser baleada no ventre no Alabama

Um grande júri do Estado conservador culpa Marshae Jones...

O feminismo é a minha janela aberta para o mundo

Estamos em 2015, nos 105 anos de um marco...

Corpo de vítima de estupro coletivo chega a uma Índia indignada

O corpo da vítima de um estupro coletivo chegou...

Joan Edesson Oliveira: Uma mulher morreu, quem se importa?

Uma mulher foi assassinada. Eu não a conhecia, e...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=