Lula apresenta Bolsa Família em palestra na África

Em visita a Maputo, capita de Moçambique, ex-presidente mostrou que o programa representa apenas 0,5% do PIB brasileiro; esposa de Nelson Mandela, Graça Machel o apresentou como “símbolo, nas condições de hoje, de sucesso em uma sociedade desigual”

Em visita a Maputo, capital de Moçambique, o ex-presidente Lula disse que as políticas públicas e conceitos defendidos em seu governo devem ser considerados investimentos, e não gastos, e que é necessário distribuir a riqueza para criar um círculo virtuoso de expansão do mercado interno e do emprego. “Nós começamos a incluir os pobres no orçamento. O Bolsa Família, que atende 50 milhões de pessoas, custa apenas 0,5% do PIB brasileiro”, afirmou.

Lula fez uma palestra sobre o combate à desigualdade social para militantes da Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique), organizações não governamentais, ativistas sociais, gestores públicos e empresários. O evento foi organizado no Centro de Documentação Samora Machel, na segunda-feira 19.

Graça Machel, viúva de Samora e esposa de Nelson Mandela, apresentou Lula como “símbolo, nas condições de hoje, de sucesso em uma sociedade desigual. Nós vimos sua capacidade de tornar a sociedade menos desigual, de criar milhões de empregos, fazendo milhões de cidadãos saírem da pobreza, promovendo desenvolvimento e o fortalecimento da classe média. Na última década, Moçambique tem sido considerado um país bem-sucedido em desenvolvimento econômico, mas somos considerados cada vez mais uma sociedade desigual”.

“Samora sonhou e estabeleceu as bases para que nós tivéssemos uma sociedade em que cada cidadão vivesse com dignidade. Uma sociedade em que o saber fosse um instrumento fundamental para a transformação da sociedade e a transformação da economia”, disse Graça Machel.

Lula abriu sua fala deixando claro que as condições dos países precisam ser respeitadas e que não há receitas prontas que se apliquem a qualquer lugar. “Tudo que eu falar aqui é em função da realidade econômica do Brasil, da realidade política e do potencial do Brasil”, antecipou.

Lula ressaltou que as empresas brasileiras têm de agir de forma a evitar os erros cometidos no passado na África e no próprio Brasil. Disse que é preciso respeitar as populações locais e construir, em parceria com os moçambicanos, os projetos necessários para o desenvolvimento do país. “Moçambique precisa de investimentos brasileiros para seu desenvolvimento, e os investimentos brasileiros precisam de Moçambique. O que é fundamental é respeitar o povo de Moçambique”.

Lula encerrou sua apresentação ressaltando o que considera seu maior feito: ter superado os preconceitos e ajudado a eleger a primeira mulher presidenta do Brasil. “Todos os sucessos do nosso governo resultaram em um milagre. O nosso país, com muito preconceito, elegeu pela primeira vez uma mulher para presidenta da República do Brasil. Foi a tarefa que me deu mais orgulho. Os adversários falavam que ela era um ‘poste’, que não entendia nada de política. Pois bem, o nosso poste hoje está iluminando o Brasil”.

Lula, que já havia passado pela África do Sul, segue nesta terça-feira (20) em Moçambique e depois parte para Etiópia, onde participa do encontro da União Africana. O roteiro do ex-presidente termina na Índia, onde receberá o prêmio Indira Gandhi.

Antirretrovirais

Ainda em Maputo, o ex-presidente vai visitar as instalações da Sociedade Moçambicana de Medicamentos (SMM), onde irá entregar diplomas de formação a cinco técnicos desta organização, recentemente capacitados no Brasil. Na cerimônia, na qual será entregue a primeira remessa de antirretrovirais Nevirapina 200mg ao Ministério da Saúde de Moçambique (MISAU), será ainda divulgada uma lista de 13 medicamentos que a unidade irá fornecer ao sistema de saúde moçambicano.

A cooperação entre o Brasil e aquele país africano foi iniciada em 2003. A iniciativa tem como principal objetivo a criação de uma indústria farmacêutica pública sustentável, voltada sobretudo para a produção de antirretrovirais, que possam reduzir, a médio e longo prazo, a dependência externa de medicamentos doados e importados em Moçambique.

 

 

Fonte: Brasil 247

+ sobre o tema

Lewis Hamilton é homenageado pela Câmara e recebe título de cidadão honorário brasileiro

O piloto de Fórmula 1 Lewis Hamilton participou nesta segunda-feira (7)...

Moda África e moda Bahia,similaridades?

Dando continuidade ao meu estudo sobre a moda africana...

Jé Oliveira se torna o primeiro diretor negro a vencer maior prêmio do teatro de SP

Com o prêmio, o dramaturgo celebra Léa Garcia, Rute...

Haiti vê sinais de ‘estabilização’ em epidemia de cólera

O número de mortos devido ao cólera no Haiti...

para lembrar

14 de maio e a Revolta dos Malês

Quem passa pelo Campo da Pólvora, em Salvador, nem...

Hugo Sanbone faz show em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Na próxima quinta-feira (20), o maestro Hugo Sanbone e...

Obama derrota Brad Pitt como homem mais estiloso em pesquisa

SYDNEY (Reuters) - Brad Pitt foi deixado de lado....
spot_imgspot_img

Filme biográfico sobre Luiz Melodia é o vencedor do Festival In-Edit Brasil

O documentário "Luiz Melodia - No Coração Do Brasil" é o grande vencedor da 16º edição do In-Edit Brasil, o Festival Internacional do Documentário Musical. Dirigido...

Mel Duarte celebra cinco anos do álbum “Mormaço – entre outras formas de calor” com apresentações gratuitas em São Paulo

A cantora, escritora, poeta, compositora e produtora cultural Mel Duarte, conhecida por sua brilhante performance de "spoken word", celebra o quinto aniversário do seu...

NICHO 54 lança publicação inédita que investiga a história do Cinema Negro no Brasil 

Pesquisa que mapeou e consolidou dados sobre filmes produzidos por pessoas negras no Brasil de 1949 a 2022 encontrou 1.104 obras; 83% de toda...
-+=