Luma Nogueira: mulher, travesti e futura reitora da Unilab?

(Luma, à esq., assume cargo como professora da Unilab)

Depois da primeira reitora negra, Nilma Lino dos Santos, atualmente Ministra de Políticas de Igualdade Racial, a Unilab (Universidade Federal da Lusofonia Afro-brasileira) pode ter a primeira reitora travesti do país.

Por Fernando Vieira no Brasil Post 

Luma Nogueira de Andrade, cearense, doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará-UFC, mestra em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela UECE e primeira travesti brasileira a receber o título de doutora, poderá ser a nova reitora.

Especialista em Gestão, Luma representa bem o perfil da universidade. A Unilab foi criada para a integração Brasil-África, um espaço de diversidade, multiculturalismo e inclusão. Sua presença, no Interior do Ceará e na Bahia representa imenso avanço na construção de um ensino superior vanguardista e humanitário.

Luma é conhecida como uma das maiores intelectuais nos estudos de Gênero e Sexualidade no país. Pesquisadora do Núcleo de Políticas de Gênero da Unilab e personalidade ativa nos movimento sociais. Reúne o perfil democrático e horizontal, oriundo das lutas em movimentos sociais, o rigor de uma intelectual e acadêmica e o perfil de gestora.

A comunidade acadêmica, docente e discente da Unilab é quase unânime ao afirmar ” Queremos Luma lá”. Depois de ter a primeira reitora negra, é a ordem lógica que a Unilab mantenha-se como vanguarda. A decisão caberá a Cid Gomes, novo Ministro da Educação.

Luma recebeu apoio virtual essa semana, direta e indiretamente, de centenas de milhares de intelectuais e ativistas, como a filósofa Marie Hélene Bourcier, da Université du Lille na França, de Miriam Pilar Grossi, filósofa feminista brasileira, de Felipe Bruno Fernandos, intelectual, professor da UFBA e pesquisador do Núcleo Interdisciplinar de Estudos das Mulheres-NEIM, naquela universidade, da antropóloga Rosana Pinheiro-Machado, colunista da Carta Capital e professora de antropologia em Oxford- Reino Unido, além de Renan Quinalha, da Comissão Nacional da Verdade.

Luma não indicou seu próprio nome, foi aclamada pelos alunos e funcionários, que percebem a necessidade da construção de uma reitoria aberta ao diálogo, com propostas claras de estruturação da Universidade, e que, acima de tudo, seja defensora dos Direitos Humanos.

No dia 5 de Janeiro, os alunos da Unilab farão um ato simbólico de aclamação, esperando que o novo Ministro da Educação, Cid Gomes (atual governador do Ceará) atenda a estas reivindicações. É preciso que a Unilab continue a constituir-se como uma universidade de vanguarda.

+ sobre o tema

Em decisão histórica, STF derruba restrição de doação de sangue por homossexuais

O designer gráfico M.S., de 26 anos, sempre mentiu...

Pesquisa inédita vai mapear perfil sócio-demográfico de lésbicas no Brasil

A população que se identifica como lésbica e sapatão...

Curso capacita mulheres trans em empreendedorismo na cidade do Rio

No mês da visibilidade trans, comemorado em janeiro, um...

para lembrar

Abertura da Licenciatura em Estudos Africanos contará com a ministra da Igualdade Racial

A ministra da Secretaria de Políticas de Promoção de...

20 de novembro — para além de uma data no calendário

O 20 de novembro não é uma data qualquer...

Primeira reitora negra de universidade federal diz que compete à sociedade debater o racismo

Brasília – A reitora da Universidade da Integração Internacional...

Ministra participa de debates sobre igualdade racial em Belém

Programação será promovida nos dias 27 e 28 de...
spot_imgspot_img

Misoginia e racismo na renúncia em Harvard

Muitos têm sido os desdobramentos da guerra em Gaza, cujos efeitos se estendem para além da catastrófica situação da população palestina. Os EUA têm sido especialmente tensionados pela...

20 de novembro — para além de uma data no calendário

O 20 de novembro não é uma data qualquer em nosso país. É um dia de relembrar a luta contra a escravidão realizada pelos...

Unilab, universidade pública mais preta do Brasil, pede ajuda e atenção

A Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) surgiu com a proposta de fazer a integração de alunos de países africanos de língua...
-+=