Luta contra o racismo não pode ser somente da população negra, diz militante

Por: Thais Leitão

Brasília – A luta contra o racismo e as desigualdades raciais precisa ser uma bandeira defendida por toda a sociedade e não apenas pela população negra, articulada ou não por meio de movimentos sociais, defendeu hoje (21) a coordenadora executiva do Odara – Instituto da Mulher Negra, voltado à valorização feminina, Valdecir Nascimento.

Segundo ela, que participou do evento em comemoração pelos dez anos da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), a ocorrência de atos discriminatórios ainda hoje é um obstáculo ao pleno desenvolvimento da sociedade brasileira.

“Essa é uma questão que deve envolver toda a sociedade, não apenas os negros. Os brancos não podem se omitir achando que é um problema somente nosso, porque a eliminação do racismo traz benefícios a todos, como a queda da violência, o aumento das oportunidades e a ampliação do nível intelectual da população como um todo”, disse.

Embora diga que ainda há “um longo caminho” para a consolidação da igualdade entre negros e brancos, ela destaca que o Brasil vive um momento de fortalecimento das conquistas nessa área, como a implementação da política de cotas.

Já o presidente da Associação Nacional das Etnias Ciganas no Brasil, Wanderley da Rocha, que também participou do evento, cobrou do governo mais ações que garantam os interesses de seu povo, principalmente em relação à questão fundiária.

“O Brasil tem avançado no combate à discriminação, mas as ações ainda são muito voltadas à população negra. Outros povos, como o cigano, continuam excluídos e estigmatizados. É preciso fortalecer políticas que contemplem esses grupos, especialmente no que diz respeito ao acesso à terra”, defendeu.

Durante a comemoração pelos dez anos da Seppir, a ministra da pasta, Luiza Bairros, disse que o principal desafio da secretaria é fortalecer a implementação de ações afirmativas no país. Ela destacou que a ampliação de políticas públicas para enfrentar o racismo é fundamental para consolidar a democracia no país.

A ministra ressaltou que, apesar da tendência de redução das assimetrias raciais, 68% dos 81 milhões de brasileiros em situação de pobreza identificados pelo Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal são negros.

 

Fonte: Agência Brasil 

+ sobre o tema

Ginasta que gravou vídeo racista é convocado ao Pan. Vítima do caso, não

Arthur Nory, o ginasta que gravou e publicou em...

Racismo no ES

Motorista usa megafone em ofensa de trânsito e acaba...

Mara Azevedo, Jornalista do A Tarde é alvo de racismo no YouTube

Conhecida por ter criado a personagem Tia Má, a...

Apenas UM: a tokenização no mercado de trabalho

Por várias questões que me cercam e quem se...

para lembrar

Ahmaud Arbery foi morto por ser negro, conclui Justiça dos EUA

Os três homens brancos condenados por perseguir e matar o...

Uerj expulsa aluno de medicina que fraudou sistema de cotas sociais

Um aluno que fraudou o vestibular de...

Gucci cria novo cargo a favor da diversidade, igualdade e inclusão

A norte-americana Renée Tirado foi a escolhida para ocupar...
spot_imgspot_img

Caça aos livros

Está aberta a temporada de caça aos livros no Brasil! Mas atenção. A perseguição restringe-se à indicação pedagógica de certas obras capazes de promover o debate e a...

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...
-+=