Manifesto em defesa da liberdade e da autonomia das mulheres

NÃO À VOLTA DA INQUISIÇÃO

 

 

 

Mulheres do mundo inteiro lutam há milênios contra as opressões a que foram e continuam sendo submetidas.

 

Contra a inquisição elas não se calaram e, mesmo sob torturas e mortes, lutaram pelo direito à liberdade. Lutaram por igualdade/liberdade/fraternidade na Revolução Francesa e escreveram a 1ª Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã e, mesmo tendo como resposta a esta luta a condenação à guilhotina, não pararam de lutar.

 

Conquistaram os direitos civis com as lutas sufragistas, direitos trabalhistas, cidadania e o das últimas décadas do século XIX em diante, acrescentaram o direito de decidir e a autonomia sobre o próprio corpo nas lutas cotidianas.

 

Nós brasileiras, nos somamos às mulheres do mundo todo, lutando contra a escravidão, contra diferentes ditaduras e tantas outras formas de opressão. Consolidamos direitos iguais como cidadãs e cidadãos na Constituição Federal de 1988, entre eles o direito de ir e vir para todas as pessoas que vivem neste país, independente de orientação sexual, idade, raça/etnia.

 

A erradicação de toda forma de violência e discriminação contra as mulheres é um compromisso firmado pelo Estado brasileiro em diferentes tratados internacionais de direitos humanos, como: a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir, e Erradicar a Violência contra a Mulher, da OEA (Convenção de Belém do Pará) e da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher (CEDAW), da ONU, e em leis nacionais como a Constituição Cidadã e a Lei 11.340/2006 – Lei Maria da Penha. E é uma das prioridades nas ações do governo, por meio do Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, assumidos pelo Estado de São Paulo e pelos municípios da Região do Grande ABC.

 

Num Estado de Direito como o nosso, constituído e baseado nos princípios da democracia e do respeito à liberdade e igualdade de mulheres e homens, independente de pertencer a qualquer raça, cor, credo, orientação sexual ou idade; não podemos admitir que atitudes como a das e dos alunos/as da Universidade Bandeirantes (UNIBAN), que no dia 22/10/2009 discriminaram e ofenderam Geysi Arruda, aconteçam de forma impune.

 

Manifestamos nossa total indignação à violência sofrida pela aluna Geysi Arruda e pelo cerceamento da sua liberdade e exigimos que sejam tomadas todas as medidas no sentido de apurar as responsabilidades por tais atos e que as pessoas envolvidas respondam perante as instâncias cabíveis.

 

Apelamos para que a UNIBAN promova atividades de esclarecimentos e reflexão sobre direitos humanos e respeito à autonomia das mulheres, como formas de contribuir para a garantia da igualdade entre as pessoas, sem nenhuma forma de discriminação.

 

Continuaremos lutando sem deixar retroceder nem um milímetro das nossas conquistas, em especial a nossa autonomia.

 

São Bernardo do Campo, 03 de setembro de 2009.

 

FRENTE REGIONAL DE COMBATE À VIOLÊNCIA

GRANDE ABC PAULISTA E REGIÃO

 

 

 

 

 

 

 

Para assinatura pessoal, coloque seu nome/profissão ou atividade / cidade/ estado e envie para o email: [email protected]

 

Para assinatura como organização ou entidade, coloque o nome da sua entidade/ setor que atua/ nome da cidade / estado e envie para o email: [email protected]

 

Ou se preferir pode copie e imprima a listagem abaixo, recolha assinaturas e depois envie para o mesmo e-mail acima ou simplesmente assine (com todas as informações necessárias) diretamente no blog http://autonomiadasmulheres.blogspot.com/ na parte “Comentários”.

 

Manifesto em defesa da liberdade e da autonomia das mulheres sobre seu corpo

+ sobre o tema

Menina de 14 anos, vítima de estupro, é humilhada por promotor durante audiência

O promotor de Justiça Theodoro Alexandre, do Rio Grande...

Libertadores e Copa Sul-Americana dão passo histórico na valorização do futebol feminino

Agora, os times que pretendem disputar a Copa Libertadores...

Dez passos para combater o nosso machismo ridículo.Por Leonardo Sakamoto

Passei tanto tempo tentando explicar a um grupo de...

“Quem é o homem?”: o que a divisão de tarefas domésticas revela sobre questões de gênero

Decidir dentro de um casal homossexual quem é responsável...

para lembrar

Eleonora Menicucci: Respeito às mulheres que sofrem violência sexual

Eleonora Menicucci: "Estima-se que, a cada 12 segundos, uma...

Geledés participa da Conferência de População e Desenvolvimento para America Latina e Caribe

Sociedade Civil da América Latina e Caribe levanta sua...

A potência de Adelir – Por: ELIANE BRUM

Que dogmas tão profundos a gestante de Torres feriu...

Letra machista de Emicida levanta polêmica

Trepadeira, do novo álbum do rapper, diz que mulher...
spot_imgspot_img

O atraso do atraso

A semana apenas começava, quando a boa-nova vinda do outro lado do Atlântico se espalhou. A França, em votação maiúscula no Parlamento (780 votos em...

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as escolhas das mulheres? Um estudo realizado em uma universidade americana procurou fornecer suporte empírico para...
-+=