Mark Twain: Huckleberry Finn ganha versão sem racismo

 

Uma editora americana vai alterar o texto do clássico As Aventuras de Huckleberry Finn e excluir o termo “nigger” do livro.

“Nigger” é considerado um termo pejorativo para falar sobre afro-decendentes, algo como o “preto” usado preconceituosamente no Brasil. Por conta da utilização dessa palavra e pelo fato de Jim, personagem negro escravo, ser o mais ignorante do livro, é considerado um livro racista por muitas pessoas.

O romance de Mark Twain, publicado em 1884, vai ser alterado por uma editora do Alabama, estado em que o casamento inter-racial era proibido por lei até o ano 2000.

A explicação vem do Dr Alan Gribben da Universidade de Auburn, expert em Twain. Ele diz que a ideia é substituir “dois epítetos ofensivos” para acabar com a “censura preemptiva que fez com que o livro fosse deixado de lado pelos currículos escolares ao redor do mundo”.

Se por um lado a mudança vai permitir que uma obra histórica volte para as mochilas sem ofender ninguém, por outro altera consigo a representação de um momento histórico. Registros como esse podem ser importantes sobretudo para que certos comportamentos não sejam repetidos.

Fonte: Vírgula

+ sobre o tema

Brancos, vamos falar de cotas no serviço público?

Em junho expira o prazo da lei de cotas nos...

Em junho, Djavan fará sua estreia na Praia de Copacabana em show gratuito

O projeto TIM Music Rio, um dos mais conhecidos...

O precário e o próspero nas políticas sociais que alcançam a população negra

Começo a escrever enquanto espero o início do quarto...

Estado Brasileiro implementa políticas raciais há muito tempo

Neste momento, está em tramitação no Senado Federal o...

para lembrar

Após apontar racismo em prova, ex-aluna da UFF é denunciada à Justiça

Quatro anos após denunciar por racismo uma professora do...

OAB reage a ataque ao Nordeste no Twitter

Alessandra Duarte Universitária de SP que iniciou ofensas deverá...

Salvador terá postos fixo e móvel para denúncias de racismo no carnaval

Posto fixo irá operar na sede no Procon, no...

Twitter: Giácomo Mancini destilou críticas ao trabalho de Glória Maria

Por: Miguel Arcanjo Prado Giácomo Mancini, repórter do Jornal Nacional,...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=