Mary Ann Shadd

Mary Ann Camberton Shadd (9 de outubro de 1823 – 5 de junho de 1893), foi filha de Abraham e Harriett Shadd, ambos negros nascidos livres, e nasceu em Wilmington, Delaware. Era a mais velha dos 13 filhos do casal. Seu pai, um sapateiro, foi figura de grande importância no movimento abolicionista intitulado Estrada de Ferro Clandestina e agenciava assinaturas para o jornal abolicionista The Liberator, de William Lloyd Garrison.

Quando tinha dez anos, Mary Ann Shadd e sua família mudaram-se para West Chester, Pennsylvania, para que as crianças pudessem ser educadas em uma escola quaker, que ela frequentou durante seis anos, antes de todos regressarem a Wilmington.

Em 1840 Mary Ann voltou a West Chester e ali fundou uma escola para crianças negras. Ensinou também em Norristown, Pennsylvania e na cidade de Nova York.

Ativismo social

Quando a Lei dos Escravos Fugidos, de 1850, ameaçava reduzir novamente à escravidão os negros livres do norte e os escravos que haviam escapado do cativeiro, Mary Ann e seu irmão Isaac mudaram-se para o Canadá, estabelecendo-se em Windsor, Ontario. Ali fundaram uma escola racialmente integrada, com o apoio da Associação Missionária Americana. A defesa de Mary Ann em relação à integração racial levou-a a envolver-se em uma disputa pública com Henry Bibb, líder da comunidade negra do Canadá. The Voice of the Fugitive, o jornal de Bibb, atacou as idéias e o caráter dela, levando Mary Ann a fundar, em 1853, o jornal The Provincial Freeman, ao lado de Samuel Ringgold Ward. O jornal não foi bem sucedido, mas Mary Ann e Ward retomaram-no daí a um ano, estabelecendo-se em King Street, Toronto. O jornal continuou a ser publicado até 1859 e promovia a temperança, a reforma moral, os direitos civis e a auto-ajuda, por parte dos negros, ao mesmo tempo em que atacava as discriminações que os negros enfrentavam na América do Norte. Foi um dos jornais negros de maior duração até a eclosão da Guerra Civil.

Mary Ann Shadd acreditava que igrejas, escolas e comunidades separadas, constituídas apenas de negros, em última análise acabariam prejudicando a busca da liberdade. Fez campanhas pela igualdade e integração dos negros, realizando discursos públicos, nos quais abordava questões ligadas à abolição e a outras reformas. Muitos dos membros de sua família, incluindo seu pai e suas irmãs, acabaram indo morar com ela no Canadá.

Em 1856 casou com Thomas F. Cary, um barbeiro de Toronto, envolvido com o jornal dela. Tiveram dois filhos, Sarah e Linton, e moraram em Chatham, Ontario, onde ela continuou publicando seu jornal e dedicou-se ao ensino. Em 1858, John Brown realizou uma “convenção” secreta na casa do irmão dela, Isaac. Em 1861, Mary Ann Shadd publicou Voice from Harper´s Ferry, uma homenagem aos mal sucedidos esforços de Brown.

A Guerra Civil e o ativismo pós-guerra

Residência de Mary Ann Shadd Cary em Washington, D.C.
Residência de Mary Ann Shadd Cary em Washington, D.C. (Foto: Imagem retirada do site Wikipédia)

Após a morte de seu marido em 1861, Mary Ann e seus filhos regressaram aos Estados Unidos.  Durante a Guerra Civil ela se dedicou, como funcionária do governo, a recrutar voluntários negros para o Exército da União no Estado de Indiana.  Após a Guerra Civil ensinou em escolas negras de Wilmington, antes de mudar-se para Washington, D.C., onde lecionou em escolas públicas e cursou a Faculdade de Direito da Universidade Howard.  Formou-se em 1883, tornando-se a segunda mulher negra dos Estados Unidos a graduar-se em direito.  Colaborou com os jornais National Era e The People´s Advocate.

Mary Ann Shadd Cary participou da Associação Nacional pelo Sufrágio Feminino, trabalhando ao lado de Susan B. Anthony e Elizabeth Cady Stanton.  Testemunhou perante a Comissão Judiciária da Câmara dos Representantes e foi a primeira mulher negra a obter um voto por ocasião de uma eleição nacional.

Faleceu em Washington, D.C., em 5 de junho de 1893.  Sua casa, em U Street Corridor, foi declarada Marco Histórico Nacional, em 1876.

  • História afro-americana
  • Literatura afro-americana
  • Lista de escritores afro-americanos

Bibliografia

  • Beardon, Jim e Butler, Linda Jean.   Shadd: the Life and times of Mary Shadd Cary. Toronto: NC Press Ltd., 1977.
  • Rhodes, Jane.  Mary Ann Shadd Cary: the Black Press and Protest in the Nineteenth Century. Bloomington: Indiana University Press, 1998.

Ligações externas

Tradução e pesquisa:

Carlos Eugênio Marcondes de Moura

+ sobre o tema

“Marielle é símbolo da ocupação negra na política”

Ana Mielke em entrevista a Almir Felitte Mesmo que municipais, as eleições...

Kamala Harris, uma força enérgica na discreta campanha de Joe Biden

Aplaudida pelas multidões, com visitas "surpresa" aos estudantes e...

Será que é racismo?

As redes sociais hoje são um campo de disputa...

para lembrar

Camila Pitanga protagoniza viagem incrível à África do Sul

Camila Pitanga embarcou recentemente para uma experiência incrível. Junto...

Feminismo negro: violências históricas e simbólicas

É fundamental explicitar as grandes distâncias que ainda separam...

Marielle, semente! Mulheres negras eleitas provam que luta da vereadora não foi em vão

Apesar da eleição de deputados defensores do porte de...

Quem tem medo das pedagogas negras?

Não vou me demorar em responder a pergunta que...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=