Mercado imobiliário dos EUA revela piora na desigualdade racial em uma década; entenda

Enviado por / FonteCNN, por Anna Bahney

Disparidade de rendimento e endividamento entre brancos e negros agrava problema

Sharan White-Jenkins é uma mulher negra, proprietária de um imóvel no Queens, na cidade de Nova York.

Seus avós também eram donos da própria casa, um imóvel nas plantações da Virgínia, onde no passado a família foi escravizada.

“Para nossa família, ter uma casa própria é como tirar uma carteira de motorista: basta fazer isso”, disse ela. “Você faz 16 anos e tira sua licença. Você trabalha alguns anos e compra uma casa. Você constrói patrimônio.”

White-Jenkins conhece bem o poder de geração de riqueza da casa própria. A valorização da casa que comprou em 2018 a ajudou a ter dinheiro para mandar o filho para a faculdade e até considerar abrir um negócio.

“Sei que é assim que criamos riqueza geracional”, disse White-Jenkins. “O imóvel no Brooklyn que meus pais compraram agora vale mais de US$ 2 milhões (R$ 9,87 milhões). Quando eles passam, vem para mim e para minhas irmãs. Essa é uma riqueza que não teríamos se eles tivessem alugado.”

Ela também sabe muito bem que a riqueza geracional e a posse de casa própria não são tão comuns entre as famílias negras como ela gostaria que fossem.

A disparidade de proprietários entre negros e brancos nos Estados Unidos é significativa, difícil de reduzir, e a sua persistência reduziu a capacidade das famílias negras de criar e transmitir riqueza através das gerações.

Embora as taxas de propriedade de casas entre todos os grupos minoritários tenham aumentado recentemente, a quantidade de proprietários negros ainda está muito atrás de pessoas brancas, de acordo com um novo relatório da Associação Nacional de Corretores de Imóveis dos EUA (NAR, na sigla em inglês) usando dados de 2022, a mais recente Pesquisa da Comunidade Americana do Departamento do Censo dos Estados Unidos.

A taxa de proprietários negros teve um aumento anual para 44,1% em 2022, de 44% em 2021; mas permanece significativamente atrás da taxa de proprietários brancos de 72%, concluiu o relatório.

Lacuna racial

Ao longo da última década, a diferença da proporção de proprietários entre os dois grupos piorou, passando de 27 pontos para 28 pontos.

A definição do Departamento do Censo para propriedade de casa própria é a porcentagem de casas que pertencem a seus ocupantes.

Entretanto, as taxas de propriedade de casa própria para outros grupos minoritários aumentaram substancialmente.

A taxa de proprietários asiáticos atingiu uma máxima recorde de 63% em 2022. A taxa de proprietários hispânicos de 51,1% também foi um recorde para esse grupo.

Nos estados de todo o país, a taxa de proprietários negros variou de 19% em Wyoming e Dakota do Norte (dois estados onde a proporção de residentes negros é inferior a 3%) a 57% no Mississippi (um estado com uma proporção muito maior de residentes negros, em 37%).

Outros estados com níveis mais altos incluem Carolina do Sul e Delaware, cada um com 55%.

“Proprietários de grupos minoritários ganharam terreno este ano”, disse Jessica Lautz, economista-chefe adjunta e vice-presidente de pesquisa da NAR, em um comunicado.

“Embora os ganhos devam ser comemorados, o caminho para a aquisição de uma casa própria continua árduo para pessoas de grupos minoritários.”

Agravantes

Na última década, a taxa de propriedade de casas nos EUA aumentou, com o país ganhando cerca de 10,5 milhões de proprietários, de acordo com a NAR.

Mas, pela primeira vez desde 2015, a taxa total de propriedade de casa própria diminuiu entre 2021 e 2022.

Isto deve-se em grande parte ao fato de o mercado imobiliário mais inacessível numa geração ter colocado a propriedade de casa própria fora do alcance de muitos norte-americanos, especialmente de compradores de casas pertencentes a minorias.

“Os impactos da acessibilidade da habitação e do inventário limitado são mais extremos para os compradores minoritários”, explicou Lautz.

Ela disse que mais da metade são compradores de primeira viagem que precisam pagar uma entrada e não têm como confiar a venda de uma casa existente.

É difícil para esses possíveis compradores de casas economizar um pagamento inicial quando cerca de metade de todos os inquilinos nos EUA têm um aluguel inacessível, o que significa que eles pagam mais 30% de sua renda para habitação, de acordo com um estudo recente do Centro Conjunto de Estudos de Habitação da Universidade de Harvard.

Isto é amplificado entre os grupos minoritários que também enfrentam barreiras sistêmicas adicionais e disparidades de rendimento e riqueza, concluiu o relatório da NAR.

“Mesmo entre os compradores de casas bem-sucedidos, as minorias têm uma dívida estudantil maior – a maior despesa que impede a poupança, juntamente com o aluguel”, disse Lautz.

Quase metade dos compradores negros relataram ter uma dívida estudantil média de US$ 46.000 (R$ 227.060), a maior entre os grupos raciais.

Além disso, a renda familiar média de pessoas negras nos EUA era de US$ 47.800 (R$ 235.940,80) em 2022, enquanto a renda média dos norte-americanos brancos era de US$ 75.700 (R$ 373.655,20).

E, tal como a disparidade em termos de propriedade de casa própria, a disparidade de rendimentos piorou ao longo da última década. Em 2012, a renda média de pessoas negras era US$ 21.540 (R$ 106.321,44) a menos do que a dos brancos americanos; em 2022, a diferença era de US$ 27.840 (R$ 137.420).

“Quando estão prontos para comprar, os hispânicos e negros norte-americanos têm uma taxa mais elevada de recusas de empréstimos no mercado hipotecário”, disse Lautz.

Quando os mutuários negros solicitam um empréstimo, enfrentam uma taxa de recusa mais elevada do que os mutuários brancos, geralmente devido a alta proporção dívida/rendimento ou a uma baixa pontuação de crédito, concluiu o relatório da NAR.

E as taxas de hipotecas para os mutuários negros são frequentemente mais elevadas do que as dos mutuários brancos, de acordo com a NAR.

Ainda assim, apesar desses desafios, a casa própria tornou-se para White-Jenkins algo a ser defendido entre seus amigos e familiares.

“Muitas pessoas não tiveram a educação que eu tive”, disse ela. “Talvez eles tenham crescido alugando ou em moradias públicas e isso é tudo que sabem. Se você não tiver esse exemplo, possuir uma casa pode parecer inatingível.”

Mas ela está lá para encorajá-los.

“Eu os ajudo passo a passo”, disse ela. “Dessa forma não teremos surpresas.”

+ sobre o tema

Show de Ludmilla no Coachella tem anúncio de Beyoncé e beijo em Brunna Gonçalves; veja como foi

Os fãs de Ludmilla já estavam em polvorosa nas redes sociais...

Geledés faz em Santiago evento paralelo para discutir enfrentamento ao racismo nos ODS

Geledés - Instituto da Mulher Negra realiza, de forma...

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços,...

As mulheres que se rebelam contra venda de meninas para casamentos no México

Inicialmente, Claudia* não havia pedido dinheiro em troca da...

para lembrar

“Racismo? Aqui não! Só nos EUA ou na África do Sul”

Coletivo de alunos e alunas negras da Unesp de...

EUA vão investigar denúncia de retirada ilegal de útero de imigrantes detidas pelo ICE

Autoridades do Departamento de Imigração e Alfândega dos Estados...

Funcionários negros revelam cultura de racismo na Tesla, gigante controlada por Elon Musk

Três ex-funcionários negros da Tesla, empresa automotiva e de...

Como se faz um Ex-Negro? Birracialidade na obra de James Weldon Johnson

A estruturação do racismo enquanto pilar da sociedade estadunidense...
spot_imgspot_img

O Brasil branco é um produto de cotas

Quem observa a oposição às cotas raciais nas universidades e no serviço público é capaz de pensar que o Brasil nunca adotou cotas anteriormente. Errado. O...

Brasil e EUA voltam a articular plano contra discriminação racial; veja como funciona o acordo entre os países

O Brasil e os Estados Unidos promoveram a primeira agenda entre congressistas e a sociedade civil desde a retomada do acordo de cooperação bilateral...

‘Ficção Americana’, com Jeffrey Wright, é a grande surpresa do Oscar

"Ficção Americana" não é um título ao acaso. Ele trata, em forma de comédia, da crença que os Estados Unidos criou e dissemina de que se...
-+=