Michelle Obama, uma rocha na Casa Branca

Inteligente e sem medo de opinar, ela não autorizou a campanha presidencial de seu marido até saber como os afetaria. Uma biografia da primeira-dama fala de seu papel

por Cristina F. Pereda no El País

“Se Barack Obama voava então como um balão, Michele era quem segurava a corda.” O presidente acabava de fazer seu discurso de vitória em Chicago, em novembro de 2008 e, depois disso, milhares de palavras e imagens tentaram decifrar o enigma de sua esposa, uma advogada graduada em Harvard, e que, como ele, fez história a cada passo. A biografia Michelle Obama: A Life é a última tentativa. Com requintado rigor documental, o trabalho abre uma nova janela à trajetória pessoal e profissional da mulher do primeiro presidente afro-americano dos Estados Unidos.

O trabalho de Peter Slevin, veterano jornalista de The Washington Post, retrata uma primeira-dama com profundos valores profissionais e familiares. Inteligente, persistente e sem medo de dar sua opinião, Michelle é, segundo palavras do presidente, a “rocha” da família, como para ela foram seus pais. É a mente serena capaz de se despedir do candidato, pouco antes de ele fazer o discurso que catapultou sua carreira política em 2004, com um “Vê se não estraga, cara!”.

Continue lendo no El País

+ sobre o tema

O significado real do feminismo

Exijo ser tratada como ser humano. Estou cansada. Completamente exausta....

Ações afirmativas para mulheres negras no Brasil

Existe um processo de humanização no qual podemos definir...

Mulheres indígenas contam sua história em livro

Mulheres indígenas de oito etnias da região Nordeste acabam...

para lembrar

”’Criada por uma família branca, demorei anos para aprender a amar ser negra”’

Gina Atinuke Knight, de origem nigeriana, conta que passou...

Artigo: Mulheragem

Expressão ao ato público como mostra de admiração a...

O sexo como tática de atomização na contemporaneidade

O sexo não é só uma atividade instintual, muito...

Alyne morreu e o Estado continua omisso

Em 16 novembro de 2002, morreu Alyne da Silva...
spot_imgspot_img

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...

Julho das Pretas: celebração e resistência

As mulheres negras brasileiras têm mais avanços a celebrar ou desafios para travar? 25 de julho é o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-americana e...
-+=