Movimento negro perde Oraida Abreu

Faleceu na tarde desta terça-feira (14/01) em Goiânia, vítima de câncer, a psicóloga e militante do movimento negro, Oraida Abreu, ex-dirigente da Fundação Palmares e da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), da Presidência da República.

Oraida descobriu que tinha a doença há um ano e vinha fazendo quimioterapia. Ela estava internada desde domingo num Hospital de Goiânia. A família não informou onde será velada e onde será o enterro, está esperando os filhos chegarem dos Estados Unidos, para decidirem, o corpo ainda está no Hospital a espera dos filhos. Amigos e militantes do movimento negro nacional manifestaram pesar pela morte de Oraida.

A morte de Oraida provocou manifestações de pesar por todo o país. Denise de Paula Pacheco, de Belo Horizonte, escreveu na sua rede social. “Aos meus amigos e amigas que trabalhamos juntos em Brasília e dos demais estados que tivemos a oportunidade de conviver com a nossa querida Oraida Abreu que se encontrava doente, e hoje a tarde ela fez sua passagem para Orun. Oraida querida, obrigada pela oportunidade de conviver e trabalhar com você, sua solidariedade e companheirismo”, afirmou.

Makota Celinha Gonçalves Souza, também de Minas Gerais, expressou sua dor desta forma: “Fiquei sem palavras. Oraida sempre foi muito parceira, sensível, gentil e calorosa quesitos que tanta falta faz no nosso meio. Vai em paz, Oraida. Que sua estrela continue a brilhar em outras dimensões”, afirmou. Silvana Veríssimo, de S. Paulo, lamentou a perda da amiga. “Muito triste, triste mesmo. Pessoa maravilhosa era Oraida”, afirmou.

Quem foi

A última função de Oraida na Fundação Cultural Palmares foi a chefia da Coordenação de Disseminação de Informações do Centro Nacional de Informação e Referência da Cultura Negra (CNIRC). Durante seis anos ela exerceu funções técnicas e de direção na SEPPIR. A ativista tinha mestrado em Ciências Ambientais e de Saúde e defendeu a dissertação sob o título “Comunidade Quilombola Mesquita: Políticas Públicas de Promoção da Igualdade Racial – Em busca da Equidade”.

Em seu estudo, ela observou que embora a comunidade Mesquita fique próxima de grandes centros urbanos, como Brasília e Goiânia, enfrentava os mesmos problemas que outras remanescentes de quilombos: dificuldade de acesso à políticas públicas.

 

 

+ sobre o tema

para lembrar

Pontos de Leitura da Ancestralidade Africana

Biblioteca Nacional lança Pontos de Leitura da Ancestralidade Africana. Livro...

Glória Maria volta ao Carnaval com as filhas

Glória acaba de voltar do Oriente Médio e decidiu...

Literatura e ideologia: uma entrevista com Alice Walker

Gostaria de dizer que planejamos tudo desde o começo,...

Sente o drama: a reflexão de uma historiadora no Complexo do Alemão

Decidi publicar a reflexão da historiadora e pesquisadora da Fiocruz Marize...
spot_imgspot_img

Álbum de Lauryn Hill é considerado melhor da história em lista da Apple Music; veja ranking

Uma lista publicada pela Apple Music elegeu os 100 melhores álbuns de todos os tempos. Em primeiro lugar, a escolha foi para 'The Miseducation...

Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida

Em 2025, a Marquês de Sapucaí, com suas luzes e cores, será palco de um verdadeiro aquilombamento, termo que hoje define o movimento de...

Cientistas revelam mistério por trás dos antiquíssimos baobás, as árvores da vida

Cientistas afirmam ter resolvido o mistério em torno da origem dos antigos baobás. De acordo com análises de DNA, as árvores teriam surgido pela primeira...
-+=