Museu Judaico de SP e parcerias realizam debate Memória e Testemunho

Enviado por / FonteABC do ABC

As atividades marcam o início do projeto Judeidade e Negritude e contam com o apoio da Companhia das Letras

O Museu Judaico de São Paulo, o Instituto Brasil Israel e a Casa Sueli Carneiro realizam o debate Memória e Testemunho e o lançamento do livro “Nada os trará de volta” (Cia. das Letras), do autor e militante do movimento negro Edson Cardoso, no dia 11 junho, sábado, às 16h. 

No debate, Edson Cardoso e o professor e crítico literário Márcio Seligmann-Silva irão refletir sobre o papel da memória e do testemunho para a afirmação das narrativas dos oprimidos, obliteradas pela história escrita do ponto de vista dominante e hegemônico.

“Nada os trará de volta” reúne 151 textos publicados por Cardoso ao longo de quase quarenta anos. Inspirado em Hannah Arendt, o autor lembra que são escassas as possibilidades de que a verdade factual sobreviva ao assédio do poder. Como narrativa dos vitoriosos, a história tende ao apagamento dos fatos — daí a importância do testemunho. 

O debate é o primeiro da série “Judeidade e Negritude”, iniciativa do Museu Judaico de São Paulo, do Instituto Brasil-Israel e da Casa Sueli Carneiro, com colaboração dos editores Ricardo Teperman e Fernando Baldraia, que irá promover conversas acerca das aproximações e tensões relacionadas à judeidade e à negritude, passando pela pesquisa de alianças e clivagens históricas entre os dois grupos, intersecções entre as duas identidades e reflexões de interesse comum nos campos da arte, da cultura, da antropologia, da psicanálise, entre outros. 

Sobre o Livro Nada os trará de volta

Edson Cardoso

Em junho de 1987, os muros da Universidade de Brasília amanheceram pichados com inscrições como “Morte aos negros!”. A administração da UnB descartou abrir investigação sobre o caso, e os criminosos não foram identificados. Talvez a história não guardasse nenhum registro desse ataque supremacista em plena redemocratização se Edson Cardoso não o tivesse imediatamente denunciado no artigo “Furor genocida”, escolhido para abrir a presente coletânea de escritos. Inspirado em Hannah Arendt, o autor lembra que são escassas as possibilidades de que a verdade factual sobreviva ao assédio do poder. Como narrativa dos vitoriosos, a história tende ao apagamento dos fatos — daí a importância do testemunho.

Ex-chefe de gabinete do deputado Florestan Fernandes e um dos principais organizadores da célebre Marcha Zumbi dos Palmares contra o Racismo, pela Cidadania e pela Vida, que reuniu mais de 30 mil pessoas em Brasília, em 1995, Cardoso tem larga experiência na vida política e no ativismo. Como ele mesmo afirma, seu projeto intelectual se confunde com a militância, opção incomum num país de célebre cultura bacharelesca. O que evidencia o ineditismo e a potência dos textos que compõem as três primeiras partes do livro — “Movimento Negro”, “Denúncia do genocídio negro” e “Incidência política”. Se por vezes a violência racial escancara os dentes, em tantas outras ela se oculta da maneira mais pérfida. Leitor arguto e dono de formidável bagagem literária, Cardoso manteve constante debate com os principais veículos de comunicação do país. Seu diagnóstico é implacável, como demonstra na quarta seção, “O jornalismo em revista”.

Na última, intitulada “Imaginário”, o autor interpela figuras como Machado de Assis, Caetano Veloso e João Ubaldo Ribeiro, em análises tão sofisticadas quanto surpreendentes — como a que recupera depoimento de Manuel Faustino, um dos líderes da Conjuração Baiana, em 1798. Faustino defendia que o Brasil tivesse um governo do qual as pessoas participassem por seus méritos e não pela cor da pele. Foi enforcado e esquartejado, mas quem ainda se lembra disso?

Sobre Edson Cardoso 

Edson Cardoso nasceu em Salvador, em 1949. Bacharel em Letras (UFBA), mestre em Comunicação (UnB) e doutor em Educação (USP), é coordenador do Ìrohìn — Centro de Documentação e Memória Afro-Brasileira. Foi editor dos jornais Raça & Classe e Jornal do MNU (Movimento Negro Unificado), e publicou Bruxas, espíritos e outros bichos (1992) e Negro, não (2015), entre outros livros.

Sobre Márcio Seligmann-Silva 

Doutor pela Universidade Livre de Berlim, pós-doutor por Yale e professor titular de Teoria Literária na UNICAMP. Foi professor visitante em Universidades na Argentina, Alemanha, Inglaterra e México. Autor, entre outros, de O Local da Diferença (segunda edição 2018, vencedor do Prêmio Jabuti em 2006). 

Museu Judaico de São Paulo (MUJ) cultiva e mantém viva as diversas expressões da cultura judaica, em diálogo com o contexto brasileiro e com os debates contemporâneos. O Museu foi inaugurado em dezembro de 2021, fruto de uma ampla mobilização da sociedade civil. O programa do MUJ inclui exposições permanentes e temporárias, ações educativas, apresentações musicais, debates e atividades literárias, além de uma biblioteca com mais de mil livros para consulta pública.

O Instituto Brasil-Israel produz e dissemina conhecimento sobre Israel em diálogo com a sociedade brasileira e combate o antissemitismo. O instituto incorpora uma rede ampla de colaboradores, segue uma linguagem plural e convida ao debate também vozes discordantes.

A Casa Sueli Carneiro tem como propósito constituir articulação do pensamento ativista-intelectual de Sueli Carneiro em expressões e linguagens negras de continuidade de memória e resistência. E propõe fazer isso incorporando e reforçando continuamente autonomia, independência, liberdade, inovação, memória, precisão, olhar crítico, auto-referência, interdependência, intergeracionalidade, ativismo, indignação e acolhida.

Patrocínio

Para os projetos de 2022, o MUJ conta com doação do Instituto Cultural Vale, Instituto CCR, Família Minev, Sotreq, Fundação Arymax, Dexco e Alfa Seguros.

Em 2022, os projetos da Casa Sueli Carneiro têm sido apoiados pela CLUA, Fundações Rosa Luxemburgo, Tide Setúbal e Open Society, institutos Ibirapitanga e Itaú Social.

Serviço

Museu Judaico de São Paulo (MUJ)
Local: Rua Martinho Prado, 128 – São Paulo, SP

Ingressos: Gratuito. Distribuídos 1 hora antes do evento.
Classificação indicativa: Livre 

Acesso para pessoas com mobilidade reduzida

+ sobre o tema

Como um rapper pobre e autodidata enriqueceu com o YouTube

Nascido em um bairro pobre na periferia de...

Após dar à luz, Taís Araújo chama atenção pela cinturinha fininha

Taís Araújo chama atenção pela cintura fina um pouco...

Museu Afro Brasil organiza debates para comemoração do Dia de África

O Museu Afro Brasil, instituição da Secretaria de...

Oposição ao regime em Cuba é negra, diz Carlos Moore

Salvador - Na condição de único dissidente exilado no...

para lembrar

Primeira edição da Ocupação Afro Futurista movimenta a Lapa

A performance cosplay de heróis negros nos corredores e...

Simone Biles, a ginasta impossível

Tetracampeã mundial introduz duas acrobacias incríveis para voltar a...

Carlos Marighella – O revolucionário “Preto”

Quem é Clara Charf? Clara Charf - ex-companheira de...

Tatuador e rapper montam biblioteca comunitária na Cachoeirinha

O frentista e rapper Roni Kléber, 35, e o...
spot_imgspot_img

Oito em cada dez quilombolas vivem com saneamento básico precário

De cada dez quilombolas no país, praticamente oito vivem em lares com saneamento básico precário ou ausente. São 1,048 milhão de pessoas que moram...

Ícone da percussão, Naná Vasconcelos ganha mostra no Itaú Cultural

O Itaú Cultural, localizado na avenida Paulista, em São Paulo, abre nesta quarta-feira (17) a Ocupação Naná Vasconcelos, em homenagem ao músico pernambucano falecido em 2016. A mostra é...

Livro sobre Luiz Gama o consagra como o maior advogado negro da abolição

Impossível não ficar mexido, ou sair a mesma pessoa, com a mesma consciência dos fatos narrados, depois da leitura de "Luiz Gama Contra o Império",...
-+=