Especialistas e ativistas discutem racismo e políticas afirmativas na Semana da Consciência Negra na PGR

Debate contou com a participação de representantes de órgãos federais e do movimento negro nesta quarta-feira, 21 de novembro, no auditório da PGR

O racismo ainda existe no Brasil e os desafios a serem enfrentados para a diminuição dessa desigualdade em direitos continuam a existir. Essa foi a conclusão do debate “Política de ações afirmativas: enfrentamento ao racismo e à desigualdade racial na perspectiva da Lei”, promovido pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão durante a Semana da Consciência Negra na Procuradoria Geral da República.

Para muitos dos participantes do debate – representantes de órgãos federais e militantes do movimento negro – a necessidade da implementação das cotas raciais nas universidades brasileiras é uma prova de que o racismo existe e de que é necessária a criação de políticas públicas para diminuir essa desigualdade racial no país. “Temos uma longa jornada a construir para que o Brasil seja um país igual em direitos. Quando colocamos essa discussão em pauta, estamos colocando na centralidade a necessidade de encarar o outro igual em direitos”, afirmou a deputada federal Erika Kokay, representante da Frente Parlamentar em Defesa dos Povos Tradicionais de Terreiro.

Para a vice-procuradora-geral da República, Deborah Duprat, a política de cotas raciais nas universidades brasileiras é uma forma de tirar da invisibilidade a problemática. “As cotas têm uma perspectiva não apenas de olhar para o passado, de se apresentar como uma indenização pelos erros cometidos. As cotas têm um olhar para o futuro, para a sociedade que queremos ter”, disse a vice-procuradora-geral, que defendeu no Supremo Tribunal Federal a implementação das cotas raciais nas instituições de ensino superior.

A educação pública é mais uma mostra de que há sim desigualdade racial nas escolas. No sistema público, segundo dados apresentados por Macaé Evaristo, representante do Ministério da Educação, as crianças negras tendem a entrar mais tarde na escola e a abandoná-la mais cedo. Além disso, 45,1% da população negra com idade entre 18 e 29 anos não completou o ensino fundamental e 54% não completou o ensino médio.

A publicação da Lei nº 10.639/2003, que torna obrigatória a temática “História e Cultura Afrobrasileira” na rede de ensino foi uma das formas de o Estado reduzir a desigualdade racial já nas escolas. Na avaliação de Cristina Trinidad, da Unesco, para que a lei seja efetivamente aplicada é preciso investir na formação dos gestores de políticas públicas, na formação de professores, no monitoramento da institucionalização das diretrizes da lei e na produção de materiais pedagógicos adequados a essa temática.

Para Mônica Gomes, representante da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), a lei (10.639/2003) requalifica o direito à educação, porque inclui o direito à diferença. “O grande desafio da lei é no enfrentamento às práticas e imaginários raciais presentes como o racismo institucional, a ideologia do branqueamento”, disse.

O professor da Universidade de Brasília e ativista do movimento negro Nelson Inocêncio defendeu que é importante discutir o tema. “Tudo é um processo e acho que esse processo requer paciência e participação”, afirmou.

Participaram do debate o procurador federal dos Direitos do Cidadão, Aurélio Rios, a vice-procuradora-geral da República, Deborah Duprat, a professora da rede de ensino do DF Camem Batista, a representante da Unesco, Cristina Trinidad, a deputada federal Érika Kokay, a representante do Ministério da Educação Macaé Evaristo, o professor da UnB Nelson Inocêncio, além da representante da Seppir Mônica Gomes.

Secretaria de Comunicação
Procuradoria Geral da República
(61) 3105-6404/6408

 

 

Fonte: MPF

+ sobre o tema

Ator Antonio Pompêo será sepultado no interior de São Paulo

O ator Antonio Pompêo, encontrado morto em sua casa nesta...

Morre Cicely Tyson, atriz vencedora pioneira do Emmy e Tony

A atriz Cicely Tyson, que se especializou em retratar...

‘Selma’ conta luta dos afro-americanos por direitos humanos

Filme, dirigido por Ava DuVernay retrata a história das...

para lembrar

Mulheres Negras nas ruas. Ouçam nossas vozes!

Somos as mulheres negras de São Paulo que ajudaram...

Livro reúne produção artística de 13 povos da África

No recém-lançado 'África em Artes', o estudioso Renato Araújo...
spot_imgspot_img

Álbum de Lauryn Hill é considerado melhor da história em lista da Apple Music; veja ranking

Uma lista publicada pela Apple Music elegeu os 100 melhores álbuns de todos os tempos. Em primeiro lugar, a escolha foi para 'The Miseducation...

iAMO lança seu programa de residência artística audiovisual durante Festival de Cannes

O Instituto Audiovisual Mulheres de Odun (iAMO), presidido pela cineasta Viviane Ferreira, anuncia na sexta-feira, 17 de maio, o lançamento do seu Programa de...

Inéditos de Joel Rufino dos Santos trazem de volta a sua grandeza criativa

Quando faleceu, em 2015, Joel Rufino dos Santos deixou pelo menos dois romances inéditos, prontos para publicação. Historiador arguto e professor de grandes méritos, com...
-+=