Nós por nós: Mulheres negras, mães e faveladas

Enviado por / FonteEcoa, por Anielle Franco

Nos aproximamos das 100 mil mortes em menos de 6 meses desde o início da pandemia. Foram milhares de vidas perdidas e famílias destruídas, não somente pelo vírus, mas pelo abandono do Estado que não foi capaz de atender, de forma ampla, a população que mais precisa, a população que não pode parar e se isolar em casa, que não teve tempo de correr para um hospital quando mais precisou, e que segue, mais uma vez, sendo massacrada pela desigualdade.

Nessa mesma semana, saiu a notícia de que o Brasil bateu um novo recorde, o de mortes maternas por Covid-19. No início de julho, nossas gestantes e puérperas já correspondiam a 77% das mortes maternas de todo o mundo.

Somos o país onde mais morrem gestantes e puérperas em decorrência do novo coronavírus. Ao todo, já são mais de 200 mulheres brasileiras que não tiveram a chance de ver suas filhas e filhos crescerem. Muitas delas, por negligência do Estado em não fortalecer o cuidado com quem mais precisa nesse momento, ou por tornar secundário o cuidado com as mulheres.

Nas favelas, a situação não é diferente, a pandemia continua a fazer vítimas, mas parece não estar acontecendo nada.

Segundo dados do painel da Covid-19 Nas Favelas da Voz das Comunidades, apenas no Rio de Janeiro, minha cidade, até o dia 29 de julho, já eram 630 mortes pelo vírus nas favelas, sem contar, nas mortes por armas de fogo e violência que mesmo durante essa grave crise sanitária seguem acontecendo, como foi o caso do menino João Pedro, de apenas 14 anos.

Todas essas dimensões de alguma forma também me atravessam.

Eu sou o retrato deste corpo: mulher, negra, mãe e favelada. Corpos como o meu se encontram expostos diariamente a todo tipo de violência e racismo, e tudo isso me faz querer agir e seguir na luta por justiça.

Ao mesmo tempo, penso no privilégio em, pelo menos na minha última gestação e também durante essa pandemia, não ter sido atingida diretamente por todas essas formas de violência.

Ainda assim, sei que muitas das minhas são, e por isso destaco a importância do fortalecimento dessas redes de solidariedade de mulheres negras e da população de favela, que seguem firmes por todo país.

São esses grupos que seguem se reinventando para construírem soluções e enfrentarem da melhor forma possível esse momento, que parece estar longe de passar.

É o caso, por exemplo, do episódio que aconteceu com Licyane Almeida, uma mulher negra, gestante, que semanas atrás foi vítima de racismo obstétrico em uma unidade de saúde. Ela não teve acesso a um atestado médico, o que a impediu de ficar em casa nos seus últimos dias de gestação, mesmo passando mal.

Ela precisou ir para as redes sociais, denunciar o que estava passando, e imediatamente contou com o apoio de influenciadores negros para conseguir montar seu enxoval e poder ficar em casa descansando naquele momento tão desesperador.

Isso é um exemplo do que a solidariedade e o senso de coletividade podem produzir, no momento em que as políticas públicas e o Estado falham conosco.

Esse é o caso também, das mais de 560 ações em mais de 650 favelas e periferias de todo o Brasil, cadastradas no Mapa Corona nas Periferias do Instituto Marielle Franco e do Favela em Pauta, e que seguem firmes acontecendo mesmo após 5 meses de pandemia.

Realizamos também o Agora é a Hora, com alguns de nossos parceiros, que atua na garantia do acesso das mulheres negras ao direito de seguir em frente em meio a essa crise, com doações de cestas básicas a famílias de todo o Rio de Janeiro.

Por ações como essas, e pelo nosso povo, é que desejo que possamos seguir fortalecendo nossas redes, construindo novos futuros possíveis e encontrando novas formas de viver plenamente neste país, que todos os dias tenta nos destruir.

 

+ sobre o tema

Movimentos sociais pedem reabertura de centro de atendimento à mulher na Baixada

O Centro Integrado de Atendimento à Mulher (Ciam), referência...

TSE empossa Edilene Lobo, a primeira ministra negra da história da Corte

A advogada Edilene Lobo tomou posse nesta terça-feira, 8,...

Segunda mulher negra na história do TSE toma posse como ministra da Corte

Primeiro foi a mineira Edilene Lôbo, advogada de Taoibeiras...

Negras são as principais vítimas do crime que mata as mulheres por serem mulheres

(A Pública, 15/03/2016) Negras são as principais vítimas do crime...

para lembrar

Filósofa Sueli Carneiro recebe título de doutora honoris causa na UnB

Uma das maiores expoentes do pensamento negro brasileiro, a...

Mãe Beata de Iemanjá

Beatriz Moreira Costa, nascida em 20 de janeiro de...
spot_imgspot_img

ONGs LGBTQIA+ enfrentam perseguição e violência política no Brasil, diz relatório

ONGs de apoio à causa LGBTQIA+ enfrentam perseguição e violência política para realizar seu trabalho no Brasil, mostra um relatório produzido pela Abong (Organizações Brasileira de ONGs) em...

Menstruação segura ainda é desafio no Brasil, indica Unicef

Uma enquete do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), concluiu “que o direito de menstruar de maneira digna, segura e com acesso...

Mulher tem aborto legal negado em três hospitais e é obrigada a ouvir batimento do feto, diz Defensoria

A Defensoria Pública de São Paulo atendeu ao menos duas mulheres vítimas de violência sexual que tiveram o acesso ao aborto legal negado após o Conselho...
-+=