O argumento anti-identitário

Debate pode se tornar mais qualificado se deixarmos de lado o uso do termo como xingamento

Identitarismo virou um palavrão. “O identitarismo é um erro. É uma pauta criada por ativistas dos EUA (Cantalice, diretor da Fundação Perseu Abramo, 2022).” “O presidente Lula presta mais um serviço ao país ao rejeitar pressões corporativas e identitárias em nome do mais elevado interesse nacional (Cappelli, secretário-executivo do Ministério da Justiça, 26/9).”

Se deixarmos de lado o uso do termo como xingamento —em geral, para deslegitimar o interlocutor—, o debate pode se tornar mais qualificado. Embora haja muitos conceitos, pode-se dizer que, no mínimo, identidade significaria o agrupamento (e, portanto, diferenciação) a partir de injustiças pessoalmente sentidas (por exemplo, o que uniria duas pessoas negras distintas seria a percepção de que sofreriam de injustiças comparáveis). O trumpismo, calcado no ressentimento de extrema direita, seria um tipo de identitarismo, por exemplo.

Ativistas e grupos antirracistas realizam a 19ª Marcha da Consciência Negra, na avenida Paulista – Rivaldo Gomes-20.nov.22/Folhapress – Folhapress

Identidade, assim conceituada, é limitante, e a ela não subscrevo. Confundir combate à desigualdade com identitarismo é um erro político e conceitual. É diversionismo enquanto o STF fala em justiça reprodutiva, mas o Congresso ameaça destruir o casamento homoafetivo. Podem queimar o identitarismo (serei o primeiro a acender o fósforo); só não nos queime junto com ele no macabro pacto narcísico que combinou, à revelia, que nosso lugar é de agradecer, não de reivindicar. Eis argumentos anti-identitários por uma ministra negra no STF.

Primeiro, estrutura não é identidade: é fato objetivo de que há disparidade de acesso a instâncias judiciais de poder. Segundo, raça e gênero não minam utopias universalizantes, mas as qualificam: se todos são universais, por que juízes sempre parecem monotonamente iguais? Terceiro, a pauta equalitária é constitutiva da esquerda, não importada; basta olhar para o umbigo da história do próprio PT. Quarto, classe importa tanto que caberia apoiar uma mulher negra, estatisticamente mais próxima dos mais pobres, do que advogados das Americanas.

+ sobre o tema

Debate sobre cotas marca visita de Aloisio Teixeira ao CCS

MICHELLY ROSA - AGENCIA UFRJ DE NOTÎCIAS - CCS...

Hoje, eu sou negro, pois me convém

“Imagine que seu bisavô teve todos os bens confiscados....

Quem tem medo de literatura negra brasileira?

Palavrões, palavras de baixo calão e descrição de cenas...

Fuzilamento com cinco jovens mortos: o terrorismo no Brasil contra os pobres

Cinco jovens, moradores da comunidade da Lagartixa, em Costa...

para lembrar

Até quando vai durar esse extermínio ao povo preto, favelado e pobre? – por Sheila Dias

"Não sou livre enquanto outra mulher for prisioneira, mesmo...

Crime sem trégua, que cansa

O racismo não dá trégua. Nunca deu. Por muito...

Manifestantes entram em confronto com a polícia nos EUA após morte de jovem negro

Manifestantes entraram em confronto com a polícia neste domingo...
spot_imgspot_img

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....

Mãe não é tudo igual

- Coloca um casaco, meu filho! - Na volta a gente compra, filha. É bem provável que muitos de nós já tenhamos ouvido alguns desses bordões...

Carta aos negacionistas: comprem um seguro de vida

Senhores negacionistas, Coube à nossa geração viver uma encruzilhada existencial: ou mudamos a forma de nos relacionar e habitar o planeta, ou simplesmente esse planeta...
-+=