O preconceito e a divisão da cidade na propaganda da nova linha de Metrô do Rio de Janeiro

A abertura da Linha 4 do metrô do Rio de Janeiro, que vai de Ipanema até a Barra da Tijuca, (mas que, através de conexões e baldeações, liga pontos distantes da cidade, como o bairro da Pavuna, até a Barra), foi anunciada prometendo conectar o Rio “de ponta a ponta”.

Do Hypeness

Um usuário do Facebook, porém, fotografou a propaganda da Linha 4 para mostrar a publicidade sublinhando preconceitos e divisões sociais – há, no cartaz, como que duas cidades: uma “ponta” branca, e outra negra.

É evidente que o slogan “conectando o Rio de ponta a ponta” se refere ao dois pontos mais extremos de tais conexões do metrô: a estação Pavuna e a estação Jardim Oceânico, na Barra da Tijuca.

fotos: divulgação/Facebook

A diferença entre esses dois pontos, porém, não é somente geográfica, pois enquanto a Barra é um bairro rico da cidade, a Pavuna é um bairro mais pobre. Ver cada “ponta” do tal cartaz representada por um casal negro e, no outro extremo, um branco, é ver sublinhado estereótipos raciais e de classe, e ainda a ideia de uma cidade dividida em duas.

A postagem já tem mais de 2 mil compartilhamentos e um debate intenso em seus comentários, e traz em sua legenda um comentário preciso: “Somos dois Rios“.

O mapa do Metrô do Rio, depois da expansão

Apesar da expansão recentemente realizada que de fato impactou positivamente na cidade, o Metrô do Rio ganha um novo problema: como se não bastasse a demora, as irregularidades e o péssimo projeto de expansão propriamente (que não cresce em rede, não integra aeroportos, rodoviária e barcas e que exclui outros grandes bairros necessitados, como Madureira) o metrô ainda decide por propagar preconceitos e velhas ideias que sublinham terríveis estereótipos.

+ sobre o tema

A pandemia, o racismo e o bode na sala¹

amigos e amigas do trabalho, da família e da...

A Guerra Racial de alta letalidade

Denúncias contra o Estado brasileiro na ONU, na Organização...

Advogado de atletas vê racismo no aumento de idade mínima para jogar na NBA

Em reunião na última quinta-feira, um advogado representando o...

Após críticas, “Amor à Vida” contrata atriz negra

Após receber críticas de grupos da internet e...

para lembrar

México vê aumento de violência após 11 anos de intervenção militar

Socióloga aponta que Rio corre o mesmo risco se...

A perceção do racismo

Desde há muito, que entendo que a realidade e...

Respeito é bom e nossa liberdade agradece!

Durante o programa do Big Brother Brasil deste ano,...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=