Pacto em torno do Império da Lei

É preciso abandonar as velhas receitas empregadas pelos gigolôs da violência

Uma policial militar assiste, absolutamente passiva, a um homem armado (depois identificado como investigador) perseguir e ameaçar um jovem negro na saída de uma estação de metrô em São Paulo. Só abandona o seu estado de letargia para chutar o jovem negro, trazido à sua guarda por uma mulher desarmada (depois identificada como esposa do homem armado), que buscava pacificar a situação.

A cena, que viralizou nas redes sociais, seria apenas um episódio grave e bizarro se não fosse um retrato da incapacidade endêmica do Estado brasileiro de garantir o império da lei em todo o seu território e a todos os seus cidadãos.

A expansão do poderio do crime organizado e das milícias e o caos na segurança e no sistema penitenciário, assim como a persistência inaceitável de padrões de violência e discriminação racial nas forças policiais, são a prova do quanto estamos distantes da consolidação do Estado de Direito no Brasil. Conforme recente pesquisa da Rede de Observatórios da Segurança Pública, nada menos que 90% das vítimas letais da violência policial são negras.

As altíssimas taxas de criminalidade e de arbítrio do Estado, que brutalizem o cotidiano de milhões de pessoas, especialmente pretos e pobres, não têm sido capazes de mobilizar nossas lideranças políticas para reformar as instituições de aplicação da lei no Brasil. Essa omissão tem gerado custos humanos incomensuráveis. Nas últimas duas décadas, cerca de 1 milhão de pessoas foram mortas de forma violenta no Brasil.

Não precisamos de mais uma Operação de Lei e Ordem. Menos ainda das velhas receitas empregadas pelos gigolôs da violência, que apenas tiveram o efeito de degradar as polícias e o sistema penitenciário, fortalecendo o crime organizado e as milícias.

O que o Brasil precisa é promover um amplo pacto em torno do império da lei. Ao Governo Federal cumpre assumir um protagonismo de natureza compartilhada, ao lado de governadores e do Senado, na condução desse processo.

Congresso Nacional precisa deixar de ser um mero balcão de defesa dos interesses corporativos das polícias para se tornar uma trincheira de defesa dos direitos da população. Poder Judiciário e Ministério Público, por sua vez, precisam cumprir as responsabilidades de monitoramento e controle das atividades policiais e prisionais, que lhe foram atribuídas pela Constituição.

Esse pacto dependerá, também, de uma parceria com os setores responsáveis das corporações policiais, da academia e da sociedade civil, na elaboração e implementação de um plano concreto de reforma e modernização das instituições de aplicação da lei.

Esse plano deverá contemplar necessariamente: 1) a capacitação e valorização das polícias, a reforma e modernização institucional, o emprego maciço de inteligência e tecnologia, a integração e coordenação entre agências, além do aperfeiçoamento de mecanismos de avaliação e controle; 2) a revisão das políticas criminais, favorecendo a redução do encarceramento em massa e a ampliação das penas alternativas; 3) a articulação com outras políticas sociais, com comprovado impacto sobre a criminalidade; e 4) o fortalecimento da Força Nacional de Segurança, para que os governadores dispostos a modernizar suas polícias, não permaneçam reféns do populismo criminal, que tem, há décadas, obstruído todas as propostas de modernização da segurança.

O custo da não consolidação do império da lei será ampliar o arbítrio, a discriminação e o poder do crime e das milícias. É isso que queremos legar às nossas futuras gerações?

+ sobre o tema

Era do rádio particular – por Cidinha da Silva

  Minha era do rádio durou da infância aos primeiros...

Dilma anuncia que conferência Rio+20 será adiada para 20 de junho

Evento sobre meio ambiente seria realizado no Rio de...

O melhor de todos, Michael Jordan, entra para o Hall da Fama

Fonte: Estado de São Paulo - Michael Jordan, considerado por...

Oito deputados de Minas Gerais assinam PEC para extinguir órgão de combate ao trabalho escravo

Em meio a grandes resgates de pessoas em situação de...

para lembrar

STF dá 15 dias para Governo do RJ apresentar relatório sobre câmeras em fardas e viaturas

O Supremo Tribunal Federal deu um prazo de 15 dias para...

A era do reconhecimento

“Entre a esquerda e a direita, continuo preta”. A...

13 de maio: da Lei Áurea à essência escravocrata da direita

No ano de 1983, uma foto estampada na primeira...

Mapa da Violência 2014 – Os Jovens do Brasil

Em 2012, 112.709 pessoas morreram em situações de violência...

Negros são maioria entre presos por tráfico de drogas em rondas policiais, diz Ipea

Nota do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que negros são mais alvos de prisões por tráfico de drogas em caso flagrantes feitos...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Enviado ao STJ, caso Marielle passa a ter dois eixos de apuração: executores e mandantes

O caso da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, assassinados em 2018, foi dividido em dois eixos. Uma parte segue no Rio...
-+=