domingo, junho 26, 2022
InícioQuestão RacialCasos de RacismoPara ministra, frase de Neymar contra racismo pode reforçar estereótipo

Para ministra, frase de Neymar contra racismo pode reforçar estereótipo

Luiza Bairros, no entanto, elogiou atitude de Daniel Alves ao comer banana.
Expressão ‘#somostodosmacacos’ se espalhou na rede em apoio ao atleta.

Renan Ramalho

Embora tenha surgido da boa intenção de combater o racismo, a campanha lançada pelo jogador Neymar espalhando a frase “#somostodosmacacos” pelas redes sociais pode ter o efeito contrário, de reforçar um estereótipo negativo historicamente associado ao negro. A opinião é da ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros, que expressou ao G1 reservas em relação ao novo viral surgido na internet.

“Essa imagem do macaco associada à pessoa negra é uma imagem muito poderosa. E se você assume essa imagem como válida, corre o risco também de reforçar o estereótipo. Eu entendo a campanha e a motivação da campanha, mas não é possivel assegurar que ela tenha o sucesso necessário para reverter a representação negativa que a palavra ‘macaco’ tem quando associada à pessoa negra”, afirmou Bairros.


Se você assume essa imagem como válida, corre o risco também de reforçar o estereótipo […] Não é possivel assegurar que ela tenha o sucesso necessário para reverter a representação negativa que a palavra ‘macaco’ tem quando associada à pessoa negra”
Luiza Bairros, ministra da Secretaria de Igualdade Racial

Embora reconheça que a frase remeta à ideia de que “todos são iguais” – como disse o próprio Neymar –, Bairros sustenta que “ela não consegue ser mais poderosa do que o significado original. “Eu reconheço a boa intenção, mas essa imagem é uma imagem poderosa demais. Vai ter que trabalhá-la mais para poder descontrui-la”, disse.

A campanha espontânea surgiu após o jogador Daniel Alves, do Barcelona, comer uma banana atirada por um torcedor durante uma partida contra o Villareal, pelo campeonato espanhol. A expressão “#somostodosmacacos” passou rapidamente a ser reproduzida nas redes por famosos, anônimos, crianças e estrangeiros ao lado de uma foto comendo banana.

O próprio Daniel Alves aderiu, postando: “Meu Brasil Brasileiro, Verde, amarelo, preto, branco e vermelho. Somos um povo alegre com samba no pé, e é com alegria e ousadia que a gente tem que se manifestar. Olha a banana, olha o bananeiro… sou baiano, sou brasileiro… estamos mais fortes do que nunca, o sorriso é a nossa proteção, a musica é a nossa espada”.

Apesar das reservas à frase, Luiza Bairros considera que Daniel Alves teve uma atitude positiva na reação ao torcedor que atirou a banana, já identificado e banido pelo Villareal.

“Com seu gesto, ele esvaziou a atitude discriminatória da torcida naquele momento. Como uma resposta, para o momento, foi perfeita. É uma forma que você tem de utilizar o ‘bom humor’, entre aspas, para ridicularizar a atitude racista”, disse.

 

Nova campanha
Ao G1, a ministra também adiantou que está em discussão no governo uma campanha antirracismo a ser lançada na Copa. Embora não tenha detalhado o formato e mote, disse que a mensagem deve reforçar o valor da diversidade.

“Para nós da Seppir o importante é o fato de que a diversidade racial tem sido um elemento determinante da excelência do futebol, em qualquer canto em que ele seja jogado e principalmente aqui no Brasil. Essa ideia de que a diversidade produz excelêcia no futebol tem que ser espalhada para o conjunto da sociedade e para qualquer outro setor de atividade”, disse.

A diversidade racial tem sido um elemento determinante da excelência do futebol […] Essa ideia tem que ser espalhada para o conjunto da sociedade e para qualquer outro setor de atividade”

Outra ação que pode ser lançada ainda antes da Copa, segundo Bairros, é um serviço de “disque-denúncia”, semelhante ao Disque 100, para relatar abusos a direitos humanos, especificamente para combate a atos de racismo.

Segundo a ministra, a Seppir já entrou em contato com órgãos nos estados, como defensorias, Ministério Público, delegacias e ONGs para formar uma rede de atendimento. A ideia é que a partir de um ato discriminatório, a pessoa vítima de racismo seja orientada a acionar uma dessas entidades para denunciar o crime.

 

Fonte: G1

Artigos Relacionados
-+=