Passeata pede permanência de Museu da Maré

Grupo locador do prédio não tem interesse em renovar contrato e prazo para desocupação termina ainda este ano. Manifestantes pretendem fechar Avenida Brasil no próximo sábado (dia 18). Mobilização integra um grupo de ações coletivas para envolver o público no movimento para salvar o museu

No próximo sábado (dia 18), uma passeata pretende fechar a Avenida Brasil, uma das mais importantes vias do Rio de Janeiro. A ação é apenas um dos atos contra o fechamento do Museu da Maré, o primeiro a ser construído dentro de uma favela, em 2006. O prédio onde funciona o museu foi emprestado pela ONG Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré (Ceasm), mas o Grupo Libra de Comércio Marítimo, locador do imóvel, comunicou a perda do interesse em renovar o contrato. De acordo com matéria publicada pelo Rio On Watch, em 10 de setembro, foi enviado um aviso oficial para desocupação da propriedade em 90 dias. Apesar de o prédio ter sido classificado como patrimônio da cidade do Rio, o despejo continua valendo.

A ameaça de despejo resultou em uma forte chamada por ações coletivas e várias estratégias foram implementadas para envolver o público no movimento para salvar o museu. Na semana da Primavera da Resistência, no mês passado, foram feitas reuniões e oficinas de artesanato, capoeira, rodas de leitura e debates ambientais que destacavam a importância da resistência. Um evento no Twitter gerou centenas de tweets em uma hora com a hashtag #SOSMuseuDaMare. No dia 27 de setembro, o último da Primavera da Resistência, cerca de 500 pessoas protestaram contra o despejo do museu, tanto moradores da favela quanto do asfalto, assim como estudantes universitários e professores.

 

Por Andrea Cangialos, para o Rio On Watch

SOS! O ‘Tempo da Resistência’ Continua: Aclamado Museu da Maré Protesta Contra Despejo

“Aqui, a resistência sempre tem sido necessária. Mas resistir sozinho é impossível” – placa no Museu da Maré

A frase citada acima, encontrada na exposição Tempo da Resistência (um dos vinte temas que estruturam a exposição permanente do museu), mostra a realidade do Museu da Maré, onde centenas de pessoas compareceram para apoiar a permanência do Museu durante o protesto cultural da semana retrasada, chamado de ‘’Primavera da Resistência: Museu, Memórias, Utopias’’. O protesto mostrou a importância do museu para a comunidade através de oficinas, excursões guiadas gratuitas e sessões de assinaturas de petições contra o despejo.

O museu, inaugurado em 2006, foi edificado e mantido em um prédio emprestado durante 10 anos pela ONG CEASM (Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré). O contrato venceu no ano passado. Em junho de 2014, um dos diretores do Grupo Libra de Comércio Marítimo, comunicou a perda do interesse dos investidores em renovar o prazo. Mais recentemente, no dia 10 de setembro, o museu recebeu o aviso oficial para desalojar a propriedade em 90 dias. É por esta razão que esse ano na oitava edição da Semana do Museu, no Complexo da Maré sentiu-se em um estado de emergência.
Estratégias para a resistência

A ameaça de despejo resultou em uma forte chamada por ações coletivas. Várias estratégias foram implementadas para conseguir envolver ao público no movimento para salvar o museu. Na semana da Primavera da Resistência, houveram reuniões e oficinas que incluíram artesanatos, capoeira, rodas de leitura e debates ambientais que destacavam a importância da resistência. Um evento no Twitter no dia 23 de setembro gerou centenas de tweets em uma hora com a hashtag #SOSMuseuDaMare, usando o movimento on-line para alcançar um público mais amplo. No dia 27 de setembro (sábado), o último dia da Primavera da Resistência, houve uma peça teatral e distribuição de balas. Cerca de 500 pessoas protestaram contra o despejo do museu: tanto moradores da favela quanto do asfalto, assim como estudantes universitários e também professores.

Essa não é a primeira nem a última ação organizada pelo museu, que já em agosto criou um movimento chamado “O Museu da Maré Resiste!”, apoiado pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), o Instituto Pereira Passos (IPP), e o Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH). A proteção do prédio foi aprovada no dia 18 de setembro. Embora essa medida não anule o despejo, ao menos oferece uma certa segurança legal ao classificar o prédio como patrimônio da cidade do Rio de Janeiro. Existem quatro petições contra o despejo: três online (nos sites Panela de Pressão do Meu Rio, Petição Pública e Avaaz.org); e uma em papel, assim como um grupo de pressão por correspondência. Além dessas ações, haverá uma passeata que começará no Museu da Maré no dia 18 de outubro e almeja bloquear a Avenida Brasil, a avenida mais próxima.
Resistir juntos é possível

Tendo recebido cerca de 40.000 visitantes e numerosos prêmios durante seus sete anos de atividade, o Museu da Maré tem uma posição considerável na comunidade global de museus. “Sauvons le Museu da Maré” (Salvemos o Museu da Maré) é um exemplo do apoio internacional recebido da França, que está tentando colocar pressão no Conselho Internacional de Museus (ICOM) para que reconheça e apoie a causa.

O RioOnWatch visitou o museu para documentar a importância e o impacto que ele tem na comunidade. Em seguida publicaremos a segunda parte deste artigo, uma foto-reportagem com depoimentos de moradores, visitantes, curadores e colaboradores do Museu da Maré.

 

 

Fonte: Brasil 247

+ sobre o tema

Descrições dos personagens de Pantera Negra são reveladas

Filme é esperado para 15 de fevereiro Por JULIA SABBAGA, do...

Agô – Samba e Ancestralidade ocupa a Caixa Cultural Brasília

O projeto recebe Nei Lopes, Mateus Aleluia, Fabiana Cozza,...

Emílio Santiago critica MPB atual: “É tudo muito cool”

Lançando o DVD "Só danço samba", cantor fala sobre...

para lembrar

Slams movimentam as periferias de Salvador (BA)

Nas rimas, os problemas sociais são trazidos ao público...

O racismo está no centro de todas as questões

A diretora Kathryn Bigelow especializou-se em criar filmes de...

Uma aula de inclusão racial com um menino de 10 anos

"É importante mostrar a realidade a partir do ponto...
spot_imgspot_img

Gilberto Gil é homenageado na Uerj por contribuições culturais ao país

Cantor, compositor, escritor, produtor musical, imortal da Academia Brasileira de Letras, ex-ministro da Cultura. Dono de vários talentos e posições, Gilberto Gil ganhou nesta...

Sambista ligada ao rap, Leci Brandão rebate críticas de Ed Motta: ‘Elitista’

Leci Brandão, 79, rebateu com estilo as recentes declarações de Ed Motta, que chamou de "burros" os fãs de hip hop, "sem exceção". Sem citar...

Grávida, Iza conta que pretende ter filha via parto normal: ‘Vai acontecer na hora dela’

Iza tem experienciado e aproveitado todas as emoções como mamãe de primeira viagem. No segundo trimestre da gestação de Nala, fruto da relação com Yuri Lima, a...
-+=