Museu chileno é referência em memória e Direitos Humanos

No mês de setembro o Museu da Memória e dos Direitos Humanos chileno tem programação que reflete sobre os 50 anos do golpe militar no país

Os 50 anos do golpe militar no Chile é um momento de reflexão sobre os riscos e ameaças que ainda pairam sobre a democracia hoje. Esta é uma das proposições do Museu da Memória e dos Direitos Humanos, no Chile, que durante todo o mês de setembro oferece programação para “preservar a memória e combater as ondas crescentes de negação e esquecimento”.

O museu, localizado na capital Santiago, homenageia as vítimas do governo militar de Augusto Pinochet, que iniciou em 11 de setembro de 1973 e perdurou até 1990.

A inauguração do museu ocorreu em 11 de janeiro de 2010, como recomendação da Comissão Verdade e Reconciliação e com o compromisso de oferecer respostas às famílias das vítimas, que conseguiram que os arquivos sobre o período fossem incluídos no Programa Memória do Mundo (MoW) da Unesco.

Dessa forma, o local passou a reunir e preservar testemunhos e documentos sobre este passado doloroso, mas que traz fundamentos importantes sobres os valores democráticos e de direitos humanos. Assim, questões contemporâneas sobre a violência e direitos dos povos originários também são abordadas na temática das exposições.

Museu

Em 2019, a professora livre-docente da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP), Giselle Beiguelman, esteve no Museu da Memória e dos Direitos Humanos. Ela relata pela Rádio USP, a importância e a emoção que o lugar traz para os visitantes.

“É muito emocionante ouvir, por exemplo, a última transmissão de rádio do presidente Salvador Allende antes do golpe militar que derrubou o seu governo e custou a sua vida no dia 11 de setembro de 1973. É muito emocionante também o setor dedicado ao dia do ‘No’ em que os chilenos votaram em um plebiscito pelo fim da ditadura. As imagens em audiovisual, os registros das reportagens dos telejornais da época são espetaculares, são muito interessantes”, revelou.

No museu existe uma seção sobre o dia “11 de setembro”, data do golpe militar, com imagens e vídeos sobre o bombardeio ao Palácio La Moneda, sede do governo chileno, e o discurso de Allende mencionado pela professora. Também há cartas de pessoas que foram perseguidas pelo regime, assim como de seus familiares.

“A entrada do museu é feita por uma Esplanada e na sua parede lateral estão gravados os 30 artigos da declaração universal dos direitos humanos e isso dá o tom para quem vai começar a visita, pois o primeiro pavimento é inteiramente dedicado a esse tema. Por lá tem um terminal que me chamou muito a atenção que é um mapa interativo com todos os memoriais que existem no Chile para marcar a presença e a história da ditadura no país”, explica.

Foto: Museu da Memória e dos Direitos Humanos do Chile

Beiguelman ainda destaca as atividades de pesquisa que são realizadas pelo museu. “Um dos projetos que me interessou bastante é um guia feito pelas equipes do museu que mapeia e sistematiza referências sobre todos os arquivos de organismos de direitos humanos existentes no Chile, os museus e lugares de memória da ditadura no país e contempla também os repositórios de documentação digital acessíveis online sobre as temáticas de direitos humanos e ditadura”, disse na entrevista dada no ano de sua visita.

Brasil e Chile

No domingo (10), ocorreu no museu chileno a abertura da exposição fotográfica “Evandro Teixeira Fotoperiodismo y Dictadura – Brasil 1964/Chile 1973”.

O fotojornalista brasileiro Evandro Teixeira esteve no Chile como correspondente do Jornal do Brasil dez dias após o começo do golpe. Os ministros da Justiça e Segurança Pública, Flavio Dino, e dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, estiveram na abertura da exposição junto a Teixeira.

Entre as 40 fotos à mostra encontram-se registros da morte do poeta vencedor do Prêmio Nobel, Pablo Neruda, opositor ao regime ditatorial.

Na ocasião, Dino falou sobre a necessidade de um local similar no Brasil.

“O exercício da memória é um exercício de coerência, com a luta democrática e popular. É um exercício de coerência com a luta contra o fascismo. Nós devemos ao Brasil e vamos pagar essa dívida: um Museu da Memória, da Verdade e dos Direitos Humanos no nosso país”, falou Dino.

*Com informações Rádio USP e Museu da Memória e dos Direitos Humanos do Chile

+ sobre o tema

Hoje na História: Declaração dos Direitos Humanos faz 70 anos

Confira a íntegra dos 30 artigos da declaração, documento...

Raoni: “Nós estamos com muito medo. Logo, vocês também estarão”

O The Guardian publicou um artigo do cacique Kayapó Raoni...

para lembrar

Menina de 14 anos pede autorização para morrer

Chilena de 14 anos com doença grave faz apelo...

História da Arte ‘Africarte’

A arte africana representa os usos e costumes das...

Chile, uma democracia feminista

O Chile é hoje a inovação política em ação. E não...
spot_imgspot_img

Chile anuncia busca por desaparecidos durante ditadura

O presidente do Chile, Gabriel Boric, anunciou neste domingo (11/09) o lançamento de um plano de busca por presos políticos desaparecidos durante a ditadura...

Chile: o que acontece agora após rejeição da nova Constituição

O resultado acachapante contra o texto da nova Carta Magna causou surpresa entre políticos e analistas. A vitória do voto contra era esperada, mas...

Museu de Londres vai devolver 72 objetos saqueados da Nigéria no século 19

Um museu em Londres anunciou que devolverá à Nigéria artefatos saqueados no século 19, ainda durante a época do Reino de Benin. O Museu Horniman...
-+=