Pedro Toledo: Meus alunos da periferia merecem mais que isso

O Governo de São Paulo, sob comando há 24 anos do mesmo partido, caminha na contramão de todas as políticas inclusivas implementadas com sucesso nos últimos 12 anos. Estabelecer um “college” (sic) como forma de acesso às Universidades paulistas não se configura como política de cotas. É discriminação pura, bem como uma declaração definitiva sobre o fracasso de suas políticas educacionais.

Choca compreender a enorme incompetência do atual governo na elaboração de tais políticas. Quais estudos foram utilizados para sustentar que a qualidade das universidades paulistas cairá com sistema de cotas? Onde estão as análises estatísticas que fundamentam tal receio? Não existem. Ao contrário, abundam os estudos que apontam ao fato contrário: O rendimento do aluno cotista é igual ou superior ao de seus pares cotistas (aquiaqui aqui).

Foram necessários 30 segundos de Google para achar três exemplos, sendo que o último – Pasmem – foi produzido por umas das três grandes universidades paulistas, a UNICAMP.

Já é ruim o suficiente assistir à manutenção interminável de preconceitos. Muito pior que isso é acompanhar essa estultice servir de axioma básico para a implementação de políticas públicas. Defender uma ideia já totalmente desacreditada por uma geração inteira de pesquisas sérias (os alunos cotistas derrubarão a qualidade das universidades) é como dizer que a realidade está errada e que ela é que deve se coadunar com os meus valores. A cegueira ideológica da direita hoje está a milhas de distância à frente das acusações que a mesma atira cotidiamente em direção às organizações de esquerda.

A mesma direita encontra-se tão cega na defesa de seus preconceitos que acaba atirando no próprio pé. Ao discriminar institucionalmente através do “College” (o que é isso, meu deus?) alunos cotistas de não-cotistas, o Governo do Estado de São Paulo torna explícito o retumbante fracasso de suas políticas educacionais. A aprovação de tal sistema é outra maneira de dizer que alunos advindos da rede particular são melhores que alunos de escola pública. É assinar o atestado da própria incompetência. Fico abismado ao me questionar quem anda assessorando o Governador? Pateta? Patolino? Ou o Willie Coyote?

Nesse mar de ignorância e inabilidade em que se tornou a Administração Alckmim, espero que todos se afoguem. Não se salva ninguém. O Brasil, São Paulo e principalmente meus alunos da Periferia merecem muito mais do que isso.

 

 

Fonte: Viomundo

+ sobre o tema

Movimentos querem ajuda do governo federal contra violência policial em SP

Impunidade no estado faz ativistas recorrem à Secretaria Nacional...

A pandemia, o racismo e o bode na sala¹

amigos e amigas do trabalho, da família e da...

para lembrar

Procuradoria quer apuração de suposta fraude em cota de concurso

De acordo com lei sancionada no ano passado, 20%...

A polêmica racista

A gritaria sobre os “comitês raciais” revela a disposição...

Casal Gurgel também engavetou caso de racismo

Em outubro de 2010 o estudante Marco Paulo dos...
spot_imgspot_img

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...

A falácia da proteção à vida

A existência de uma lei não é condição suficiente para garantir um direito à população. O respaldo legal é, muitas vezes, o primeiro passo...
-+=