Pela criação de um Museu do Machismo por Maíra Kubík

Há alguns anos, o governo equatoriano divulgou uma campanha brilhante chamada “Reacciona Ecuador – el machismo es violencia”. Em uma das propagandas, um grupo de crianças visita um museu em 2045. Vestidas com roupas futuristas e guiadas por um cientista, elas se colocam diante de um esqueleto e ouvem a explicação sobre ele:

— Esse é um equatoriano de tipo machista. Viveu em uma época em que era considerado homem o que mais álcool consumia, batia na sua mulher ou tinha uma atitude desrespeitosa frente às mulheres. Poderia pertencer a qualquer classe social ou econômica. Graças à reação e à evolução da sociedade equatoriana, como vêem ele passou a ser parte de uma história que jamais irá se repetir.

“Que bom que se extinguiram”, diz um garoto aos colegas boquiabertos. E termina o anúncio.

Eu sei que é só publicidade, mas de tempos em tempos, fico imaginando que seria realmente uma boa ideia criar um Museu do Machismo. Temos museus para relembrar o horror da escravidão, do holocausto, das torturas da Idade Média. Por que não um para o machismo?

Claro, é difícil fazer uma instituição dessas sobre algo existente, vivo. Mas está aí o Museu da Língua Portuguesa para provar que é possível capturar o dinâmico.

O Brasil certamente teria muito a contribuir! Não faltariam campanhas de TV, músicas, desenhos, enfim, uma infinidade de materiais que serviriam para registrar essa longa história da opressão das mulheres. Poderia haver, por exemplo, um mapa interativo onde piscariam luzes a cada instante que uma brasileira fosse agredida. Ia brilhar tanto que pareceria uma árvore de Natal! Ou um mural com fotos daquelas que foram assassinadas. Obras de artistas plásticas feministas também seriam muito bem-vindas, assim como performances e peças de teatro.

Na parte interativa, penso que um ótimo vídeo, bastante ilustrativo, seria o que circulou essa semana com declarações do vereador Pastor Aldemar, do PSDB de Montes Claros (MG). Em entrevista à TV Câmara do seu município, ele criticou uma professora, Iara Pimentel, que pedia sua cassação. E soltou algumas frases deste típico exemplar de machista brasileiro. Poderíamos exibi-lo (o vídeo, não o vereador) no Museu seguido de uma análise crítica das declarações. Por exemplo:

1. “Se pudesse eu mesmo dava um couro nela”.

Com essa frase, o machista reafirma que, dentro de uma determinada concepção de sociedade, os homens têm a prerrogativa de bater em mulheres como maneira de adequar sua conduta social (como falei nesse texto aqui). “Dar um couro” é considerado, nesse vídeo, uma opção para o machista típico que se sente desconfortável com alguma atitude de uma mulher. Afinal, se partir para a porrada não fosse uma possibilidade, ela sequer seria mencionada, certo?

2. “Tá aí, encalhada, e vem pra cá querendo arranjar um marido”.

Essa também é um lugar-comum do machista brasileiro: uma mulher que ocupa os espaços públicos e chama atenção o faz com o único e exclusivo objetivo de conquistar um homem. Ela não consegue viver sozinha e comete atitudes desesperadas — como solicitar a cassação do mandato de um vereador (!) — para arranjar um marido que a sustente e poder ingressar no tradicional pacto do casamento heterossexual, em que, com muito prazer, ela permanecerá a vida toda em posição inferior.

3. “Ou então tá interessada em algum vereador” 

Idem ao item anterior, acrescentando o fato de que essa mulher, coitada, que não consegue ser solteira, teria algum tipo de fetiche especial por homens poderosos como aqueles que atuam na Câmara Municipal de Montes Claros.

Já estou imaginando nossas crianças passeando pelos corredores do Museu do Machismo e refletindo sobre cada um desses comportamentos com distanciamento e senso crítico! Ônibus escolares nas portas, filas durante os feriados. E o vendedor de hot-dog do lado de fora sem gritar nenhum bordão do tipo “mulher bonita não paga, mas também não leva”.

E aí, quem apóia a iniciativa?

 

 

Fonte: Território de Maíra – Carta Capital

+ sobre o tema

Sororidade: o valor da aliança entre as mulheres

Sororidade é um pacto social, ético e emocional construído...

As cenas de sexo que ‘ninguém quer ver’

Um casal prestes a comemorar um importante aniversário de...

Pornografia de vingança

No fim da tarde de sexta-feira , o vice-presidente...

para lembrar

4 razões pelas quais a publicidade deveria abraçar (mesmo!) a diversidade

Estudos acadêmicos podem ser fascinantes... e muito confusos. Decidimos...

Mulheres têm de omitir o gênero para que seus trabalhos sejam aceitos

Pesquisa mostra que programadoras têm projetos rejeitados apenas por...

“Homens não vão protagonizar o feminismo”, afirma Pitty

Segundo cantora, cabe ao gênero masculino dar apoio ao...
spot_imgspot_img

O direito das mulheres à literatura

A literatura, para Antonio Candido, é direito inalienável do sujeito, indispensável à humanização. Espaço de desacato, para a escritora argentina María Teresa Andruetto, ela nos questiona,...

Competência Feminina Negra diante de Chefes e Colegas de Trabalho Negros: Desafios e Reflexões

Hoje, mês da consciência negra, não focalizaremos no racismo perpetrado pelos brancos, mas sim direcionaremos nossa atenção para nós mesmos. Vamos discutir as novas...

Pode a subalterna julgar?

O STF (Supremo Tribunal Federal) é a mais alta corte do Poder Judiciário brasileiro, cuja presidência é a quarta na linha de sucessão à Presidência da República. Na hipótese...
-+=