Plano de Alckmin diverge do governo Serra

O candidato tucano ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin, expõe divergências com a gestão do presidenciável José Serra (PSDB) na elaboração de seu plano de governo que resgatará marcas de seu mandato (2001-06) desidratadas pelo sucessor.

É um movimento inverso ao que Serra promoveu ao assumir o governo pós-Alckmin, quando mudou a estrutura da segurança, extinguiu projetos na educação e reavaliou prioridades nos investimentos em infraestrutura.

A equipe do programa de governo de Alckmin estuda mudanças, principalmente, nas áreas de educação, segurança e infraestrutura.

No até agora maior sinal de descompasso entre os dois tucanos, Alckmin escalou o deputado estadual Paulo Barbosa (PSDB), ex-secretário-adjunto da Educação, para consultar a “comunidade escolar” e subsidiar seu programa de metas.

A escolha de Paulo Barbosa para o estafe alckmista causou mal-estar no grupo de Serra, que o vincula ao ex-secretário Gabriel Chalita, hoje no PSB, considerado “traidor” por ter migrado para a campanha de Dilma Rousseff (PT) ao Planalto.

A <BF>Folha<XB> apurou que a equipe de Alckmin discorda do modelo de promoção por mérito introduzido por Serra para os 220 mil professores da rede estadual.

O principal ponto de dissonância é o fato de o atual sistema ser fundamentado em uma avaliação anual. Pelo método, só os docentes com melhor desempenho na prova ganham aumento salarial de até 25%. O reajuste é restrito a 20% da categoria.

Alckmistas defendem a revisão no formato, ampliando os critérios de bonificação. Embora nenhum auxiliar admita as diferenças, as diretrizes do plano do tucano são enfáticas. “O professor precisa ser tratado com respeito. Na qualificação, capacitação e questão salarial. Não dá para tratar as coisas isoladamente”, diz Paulo Barbosa.

Outro ponto que opõe Alckmin e Serra é a integração escola-comunidade. O candidato ao governo quer expandir o Escola da Família, encolhido por Serra, que reduziu de 5.200 para 2.300 as escolas contempladas.

A movimentação de Alckmin para rediscutir a meritocracia ficou evidenciada em reunião dele com os dirigentes da Secretaria da Educação no mês passado.

“É absurdo aumentar o salário com base em uma provinha. O Alckmin não tem essa cabeça de colocar a culpa no professor”, diz Chalita.

Outro nome que volta com força ao grupo de Alckmin é o promotor Saulo de Castro Abreu Filho, ex-secretário da Segurança defenestrado por Serra. Como Alckmin obteve índices melhores na segurança, ele volta prestigiado.

Alckmin também recolocou como prioridades dois projetos que Serra herdou dele e não levou à frente, a duplicação da rodovia dos Tamoios (SP-99) e a ampliação do porto de São Sebastião, para viabilizar o corredor de exportação entre Campinas e o Vale do Paraíba.

Também há no governo discordâncias sobre os novos modelos para concessão de rodovias –o Estado pretende conceder os trechos sul e leste do Rodoanel agora, mas um grupo ligado a Alckmin quer mudanças no edital.

Fonte: Folha de São Paulo

+ sobre o tema

SP enquadrou 31 mil negros como traficantes em situações similares às de brancos usuários

Para a polícia de São Paulo, a diferença entre um traficante e...

STF retoma julgamento sobre descriminalização do porte de drogas

O Supremo Tribunal Federal (STF) retoma nesta quinta-feira (20)...

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

para lembrar

A revolução de Bernie Sanders

Com seus desarrumados cabelos brancos, Bernie é o que...

A criminalização do pensamento crítico

É esse pensamento crítico que assusta os promotores da...

Entidades criticam Alckmin: É boicote à redução da conta de luz

A decisão do governo Alckmin de não aderir à...

No rádio, Obama critica bloqueio de republicanos a ‘projetos vitais’

Democrata acusou oposição de barrar medidas anticrise econômica. Republicano reagiu...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu a obra Mulheres Sonhadoras, Mulheres Cientistas, composta por dois livros, das escolas e bibliotecas do município. Escritos por...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e constranger o governo, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, facilitou a aprovação de...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...
-+=