PMs acusados de racismo ainda estão trabalhando

 

Alain Lisboa 

Corporação espera parecer da corregedoria para definir sobre afastamento.

Duas semanas após as denúncias de racismo e agressão moral feitas pelo casal Franqueline Terto dos Santos e Benedito Jorge Silva Filho à Polícia Militar e à Ordem dos Advogados do Brasil contra um grupo de policiais, a Corregedoria da corporação afirma já ter identificado os acusados, mas até agora nenhum foi penalizado ou afastado das funções.

Ontem, a professora universitária e o administrador, apoiados por movimentos de promoção à igualdade racial e religiosos, levaram suas queixas à audiência com o procurador geral do Ministério Público Estadual, Sérgio Jucá, no intuito de garantir a imparcialidade da apuração dos fatos por parte da polícia.

“Não que eles não tenham sido recepcionados na polícia. Acontece que, com o Ministério Público acompanhando de perto, eles se sentem um pouco mais seguros em relação à apuração dos objetivos denunciados”, disse o advogado do casal, Alberto Jorge Ferreira.

Indicado pelo advogado e pela vereadora Teresa Nelma, que também participou da audiência, o promotor de justiça Flávio Gomes da Costa, da promotoria de Direitos Humanos, foi escolhido por Sérgio Jucá para acompanhar de perto o caso.

“Depois de termos ouvido dela [Franqueline] que ela havia sido vítima de abuso e de racismo, fato narrado a representantes do movimento negro, advogados, representantes da câmara de vereadores e Secretaria Estadual de Direitos Humanos, levaram meu nome. Também por conta da minha história e a promotoria a qual estou vinculado”, disse o promotor, que deve ser nomeado através de portaria na próxima quarta-feira.

Ausência

O comandante geral da Polícia Militar de Alagoas, coronel Dimas Barros, e o corregedor-geral da Polícia Militar, coronel Louvercy Monteiro disseram que não sabiam da audiência e por isso ninguém da corporação esteve no local.

“Estou surpreso. Se soubesse e tivesse sido convidado, estaríamos lá com certeza porque a PM não concorda de maneira alguma com o tipo de comportamento apresentado pelos policiais”, disse o coronel Louvercy. Ele também garantiu que os policiais reconhecidos por fotos pelo casal já foram identificados, mas até o momento nenhum deles foi afastado de suas funções.

“Estou aguardando a corregedoria me passar um posicionamento em relação à identificação das pessoas. Quanto à questão de afastamento, a gente não tomou nenhuma decisão porque primeiro temos que ter essa confirmação de quantos policiais participaram e quem são eles. Tudo tem que ficar esclarecido, para que não haja injustiça. A corregedoria está apurando isso e esperamos estar em breve com o resultado pra dar uma resposta tanto para o casal, como para a sociedade”, concluiu o comandante geral, Dimas Barros.

 

Fonte: Tribuna Hoje

 

+ sobre o tema

Miss é eliminada por ser mãe. Em que ano estamos?

Elas precisam ser lindas, altas e magras. Além disso,...

MinC seleciona projetos de hip-hop inscritos no Prêmio Cultura Viva

A Secretaria de Cidadania e Diversidade Cultural do Ministério...

Perfeição do racismo brasileiro transforma algoz em vítima

O racismo é um crime perfeito. É com essa frase...

para lembrar

Série de fotos histórica escancara o racismo nos EUA da década de 1950

Se o ano de 1956 pode hoje parecer distante...

Presidente de clube é condenado por racismo

-Fonte: Jornal de Uberaba - Presidente de um clube...

Ator global vai à polícia após filha ser alvo de racismo

Do Pragmatismo PoliticoAtor Bruno Gagliasso prestou queixa na Delegacia...

Racismo e opressão no governo italiano

Por Marina Fuser*   Novos escândalos colocam o primeiro-ministro italiano de...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=