Professor acusado de racismo pode ser expulso, diz diretor da USP

Eduardo Lobo Gualazzi distribuiu um texto elogiando a ditadura e defendendo o casamento entre homem e mulher da mesma etnia

Imagem Geledés

O diretor em exercício da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), Celso Fernandes Campilongo, afirmou na noite de quarta-feira 27, que o caso interpretado como de racismo e preconceito envolvendo o professor Eduardo Lobo Gualazzi pode fazer com que ele seja expulso da instituição.

A polêmica ocorreu na segunda-feira 25, quando Gualazzi distribuiu aos alunos um texto elogiando a ditadura militar, dizendo que pobres são “minoria do submundo”, que LGBTs são aberrações, defendendo o casamento entre homem e mulher da mesma etnia, entre outras coisas. Além disso, o professor declarou apoio a Jair Bolsonaro. A aula com viés ideológico, como definiria o presidente, chocou alunos e gerou uma corrida crítica às redes sociais.

A notícia boa para os indignados: um processo deve ser aberto para investigação do caso. A ruim: o processo corre lentamente e é provável que Gualazzi se aposente antes de qualquer tipo de decisão.

Continência a 1964

Não é a primeira vez que Gualazzi gerou polêmica. Em março de 2014, ele ministrou a aula “Continência a 1964”, na qual fez um discurso pró-ditadura militar.

Campilongo escreveu uma nota repudiando a atitude do professor na qual ele diz que a USP “zela pela liberdade de cátedra e expressão e repudia manifestações de discriminação, preconceito, incitação ao ódio e afronta aos Direitos Humanos”.

Em entrevista a CartaCapital, o diretor contou que o apoio recebido à posição da faculdade foi de 100% e que ele está aguardando algum aluno ou professor abrir uma sindicância contra Gualazzi. “Isso envolveria até mesmo uma ilicitude penal”, afirmou.

O diretor titular da faculdade é Floriano de Azevedo Marques Neto, que está de férias. Campilongo, que é vice, está respondendo pelo caso. Ele afirmou que qualquer atitude vinda da diretoria será uma decisão em colegiado. “O professor é concursado e tem 72 anos. Com 75 ele se aposenta. Existem muitas instâncias burocráticas administrativas que podem ser observadas, mas não compete a mim instaurar esse processo. Os alunos estão cogitando abrir. Isso precisa ser aprovado e não depende da diretoria, mas do conselho que se formará ”, afirmou o diretor.

A parte do material em que Gualazzi afirma ser a favor do casamento entre homem e mulher da mesma etnia pode ser interpretada como racismo – o que geraria uma denúncia criminal. Campilongo se antecipa e diz que qualquer questão penal não cabe à universidade, mas à Justiça. “Todo processo que cabe a nós é uma sindicância interna para investigar o caso e, se comprovado, fazer ele perder o direito de dar aula.” E deixa claro: “Como tudo é muito demorado, duvido que seja resolvido antes de ele se aposentar.”

+ sobre o tema

Professora pede para criança de 4 anos prender ou alisar o cabelo

Educadora disse que "as crianças não estavam se adaptando"...

Educafro diz que bônus da USP é ‘mentira’

Para líder de ONG, universidade ‘chuta’ número de vagas...

Família denuncia PM por agredir menina negra de 15 anos

De Douglas Belchior No último sábado, 12, cerca de 20...

Exu não é gratiluz

A psicanalista do Sul contava cheia de autoridade branca...

para lembrar

Terceira edição da Semana da Consciência Negra debate cotas raciais para as Universidades

 Diversas palestras, sessões especiais e atividades estão programadas para...

Em nota Deputados Federais se recusam a ir a reunião de Governador do Rio

*NOTA DOS DEPUTADO FEDERAIS DO RIO* PORQUE NOS RECUSAMOS A...

Número de mortos pela PM paulista cresceu 111% no primeiro semestre

De janeiro a junho deste ano, 317 pessoas foram...
spot_imgspot_img

Ronilso Pacheco: Ninguém está seguro no Rio de Janeiro se é negro

A fala do governador Cláudio Castro (PL) em defesa de policiais que apontaram uma arma para três jovens filhos de diplomatas em Ipanema, região...

Justiça absolve policiais pela morte do adolescente João Pedro

A juíza Juliana Bessa Ferraz Krykhtine absolveu sumariamente os 3 policiais da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) pela morte do adolescente João Pedro, há 4 anos, em São Gonçalo....

Três meninos no portão

Em 2022, o Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC) refez a pesquisa “Elemento suspeito”, feita pela primeira vez em 2003, com dados...
-+=