Polícia Federal vai regularizar situação dos haitianos no Acre

 

Devido à situação, o governo do Acre decretou estado de emergência social nos municípios de Brasileia e Epitaciolândia

A Superintendência da Polícia Federal no Acre pretende iniciar o processo de regularização dos haitianos e outros estrangeiros que atravessaram a fronteira do país nas últimas semanas e se abrigaram no estado. Devido à situação, o governo do Acre decretou estado de emergência social nos municípios de Brasileia e Epitaciolândia.

O trabalho de regularização deve começar até meados da próxima semana. Ao mesmo tempo, o superintendente da PF no estado, Marcelo Sálvio Rezende, informou à Agência Brasil que o órgão está investigando a atuação dos responsáveis pelo tráfico de imigrantes ilegais, que teria a participação de brasileiros.

Marcelo Rezende evitou detalhar como os trabalhos têm sido conduzidos pelos policiais federais que atuam no Acre. “O combate ao crime é permanente. Estamos fazendo esse trabalho, mas não posso adiantar como é feito, para não prejudicar o andamento das investigações”, limitou-se a dizer o superintendente.

A prioridade, segundo Marcelo Rezende, é intensificar a liberação dos processos dos imigrantes ilegais que já estão no país. Marcelo Sálvio destacou que a operação está em curso com o apoio de policiais federais de Brasília que foram deslocados agora para o Acre.

A Superintendência da Polícia Federal tem um efetivo de 200 policiais para atuar em todo o estado. Segundo Marcelo Rezende, já foi instalado um posto de atendimento em Epitaciolândia, cidade vizinha a Brasileia, para atender aos imigrantes abrigados na cidade.

Ele acrescentou que a política de contenção nas fronteiras é um problema que depende de definição das autoridades federais, em Brasília. A ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, coordena uma reunião no Palácio do Planalto, esta tarde, com diversas autoridades federais para discutir as ações de apoio ao governo acriano em relação ao aumento do número de imigrantes e à assistência que será prestada.

O secretário de Justiça e Direitos Humanos do estado, Nilson Mourão, confirmou que em Brasileia, maior porta de entrada de imigrantes ilegais no Acre, a Polícia Federal já desenvolve ações para restabelecer o controle de fronteira. “Agora, cabe ao governo federal montar uma política permanente para esse controle”, disse Mourão.

Brasileia faz fronteira com a cidade boliviana de Cobija. Além das duas pontes que interligam as cidades, os imigrantes ilegais têm a possibilidade de atravessar a fronteira pelo Rio Acre, que divide a fronteira do Brasil com o país vizinho. Outra rota traçada pelos imigrantes é por Epitaciolândia, que também tem fronteira com Cobija.

A rota peruana, utilizada pelos haitianos e outros imigrantes ilegais vindos do Senegal, Bangladesh, Nigéria e República Dominicana, se dá pela fronteira de Iñapari com a cidade acriana de Assis Brasil. De lá, eles seguem, geralmente de táxi, para Brasileia.

Nilson Mourão acrescentou que os policiais federais sediados no Acre têm se reunido para “traçar uma política de contenção das fronteiras”, até que o governo federal defina de que forma vai atuar.

 

 Saiba mais sobre Haitanos

François-Dominique Toussaint Louverture

O épico e o trágico na história do Haiti

Fonte: Correio Braziliense

+ sobre o tema

Comissão Arns e OAB lançam Mesa Nacional de Diálogo contra a Violência

Representantes de diferentes setores da sociedade civil se reúnem...

Oxfam faz alerta sobre aumento da desigualdade global

Conforme dados da entidade britânica, concentração de renda no...

Quilombolas pedem ao STF que governo os proteja durante pandemia

Lideranças da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras...

Quilombo Kalunga é reconhecido pela ONU como primeiro território no Brasil conservado pela comunidade

O território Quilombo Kalunga foi reconhecido por um programa...

para lembrar

20 anos do ECA: iniquidades e violência são grandes desafios

O escritório do Fundo das Nações Unidas para a...

Professora sofre ameaças por ensinar Constituição a indígenas Munduruku

Por Luana Luizy, Emanuelle sofre hoje intimidações e ameaças por...

Aty Guasu denuncia assassinato da liderança Kaiowá Marinalva Manoel e pede providências ao MPF

Por: Tania Pacheco O Conselho da Aty Guasu enviou carta (abaixo)...

Os efeitos da ditadura nas Favelas do Rio

O historiador Marco Marques Pestana, que faz doutorado na UFF...
spot_imgspot_img

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Google celebra James Baldwin, escritor e ativista dos direitos civis

O Google está prestando uma homenagem a James Baldwin, renomado escritor e ativista dos direitos civis americanos, conhecido por suas obras literárias que abordam temas...

Caixa paga novo Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 4

A Caixa Econômica Federal paga nesta terça-feira (23) a parcela de janeiro do novo Bolsa Família aos beneficiários com Número de Inscrição Social (NIS)...
-+=