Polícia Militar do Distrito Federal vai fazer curso antirracismo

Academia da Polícia Militar decide ensinar técnicas e conteúdos desenvolvidos por especialistas após suspeitas ocorridas durante abordagens de policiais militares nas ruas e na disputa por cargos internos

Por Luiz Calcagno No Em 

Ao ver policiais militares abordarem um grupo de jovens e reterem somente os de pele negra, a advogada e ex-secretária de Igualdade Racial do Distrito Federal (DF), Josefina Serra, de 53 anos, decidiu questionar a ação. O ato enfureceu os PMs. Em resposta, ela passou por uma revista truculenta e ouviu xingamentos racistas. A agressão aconteceu em 7 de outubro do ano passado e é investigada pelo Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT). Em outro caso, mais antigo, uma policial disputava uma vaga de secretária de um coronel. Era mais qualificada do que as concorrentes, mas não conseguiu o cargo. O que a diferenciava das outras candidatas era a cor da pele. Ambos os casos se enquadram no racismo institucional, quando a agressão é praticada pelo agente do Estado, no exercício da função. Por esse motivo, a Academia da Polícia Militar decidiu ensinar aos agentes técnicas e conteúdos desenvolvidos por especialistas no assunto.

A modalidade de preconceito pode atingir o cidadão ou um servidor com dificuldades em ascender na carreira por causa da cor. Em relação às abordagens nas ruas, o racismo institucional se revela, muitas vezes, inconscientemente, quando o militar vê a cor da pele como uma das características de um suspeito. Mas não há balanço oficial. Um dos motivos é que a Justiça Militar não prevê um tipo penal semelhante ao crime de racismo ou de injúria racial. Além disso, a vítima tem medo de represálias.

Nesse contexto, um grupo de estudos trabalha dentro da corporação para evitar que situações semelhantes se repitam. Policiais militares, o promotor do Núcleo de Enfrentamento à Discriminação do MPDFT, Thiago Pierobom, e o pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Carlos Alberto Santos de Paulo, desenvolveram técnicas de abordagem nas ruas e conteúdos de direitos humanos destinados para a Academia da Polícia Militar. Assim, eles fazem parte dos currículos de formação, extensão e aperfeiçoamento de policiais.

Entre as orientações, um policial, ao se deparar com uma situação de injúria racial, deve prender o agressor em flagrante em vez de tentar reconciliar as partes. Além disso, os PMs precisam reunir o máximo de testemunhas, com nomes e telefones, e observar se há circuito de câmera no local. De acordo com o protocolo, caso o delegado encarregado da ocorrência classificar o caso como um desentendimento, o militar e a vítima devem procurar o Ministério Público. “A PM elaborou uma portaria que será assinada pelo comandante-geral, acolhendo a recomendação do MP”, adianta o promotor. Em 2014, o Núcleo de Enfrentamento à Discriminação do MPDFT registrou 47 casos de injúria no DF, uma média de mais de três por mês. Em 2013, chegou a 60.

Negra fedida

No último dia 15, a Polícia Militar de Minas Gerais foi questionada depois de intermediar uma agressão contra uma mulher negra na Praça Sete, no Centro de Belo Horizonte. Chamada de “negra imunda, negra insolente, negra fedida e puta”, por um senhor, em uma casa lotérica, a mulher aceitou o pedido de desculpas depois que o agressor lhe ofereceu R$ 200. Apesar de cometer um crime inafiançável, ele deixou o local livre, sem algemas e sem vergonha pelo feito. A Polícia Militar foi acionada mas, ao invés de registrar a ocorrência, presenciou o pagamento pelo silêncio da moça ofendida.

Procurada pela reportagem, a PM informou que a conduta do militar foi correta já que o fato consiste em ação penal pública condicionada, ou seja, o crime só pode ser registrado se a pessoa ofendida decidir prestar queixa. Segundo a corporação, todos os policiais são orientados a instruir vítimas de injúria sobre seus direitos em casos como este, entretanto, não souberam informar se neste episódio específico a mulher foi avisada de que, caso não aceitasse o dinheiro, poderia receber indenização ainda maior fixada por um juiz, além de colocar seu agressor atrás das grades.

+ sobre o tema

Casal indenizará mulher em Santa Catarina por injúria racista

O casal Alex Sandro e Meri Cristina Afonso terão...

“As facetas de um racismo silenciado” de Kabengele Munanga

Resenha de "As facetas de um racismo silenciado" de...

Apesar do impasse com bispo, lavagem da escadaria será feita

Ele relatou ao Diário Online o esforço da Casa...

para lembrar

Página racista no Facebook é criada em ‘apoio’ a torcedora gremista

A auxiliar de odontologia Patrícia Moreira, 23, afirmou na...

Mais de 1,3 mil pessoas foram mortas em ações policiais no RJ em 2022

Em 2022, 1.327 pessoas morreram em ações das forças de...

Rodrigo Vianna: Brasil vira a página do ‘racismo cordial’

O Ali Kamel, diretor da Globo, levou uma sova...

STF julgará constitucionalidade de cotas raciais nas universidades

AÇÃO FOI AJUIZADA PELOS DEMOCRATAS CONTRA A UNB. JULGAMENTO...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=