Porcos e cachorros ou da grandeza última do não

por:Edson Lopes Cardoso

 

Leio opinião de Clovis Rossi (FSP, 29.07.09, p. 2) sobre características brasileiras, que faltariam ao governo chinês, na briga por um futuro grandioso no século XXI: nossa “democracia, porca, mas democracia, e a ausência de conflitos étnicos”.

Já fomos, em plena ditadura, uma democracia racial. Sobram evidências retóricas de que aceitamos viver na pocilga, mas não aceitamos o racismo. Com a ajuda da negação tudo leva a crer que construímos um curral de porcos, é verdade, mas nossos grunhidos não cessam de refutar com veemência o racismo. O que vale são os grunhidos.

Fernando Henrique Cardoso (“Os limites da tolerância”, Correio Braziliense, 02.08.09, p 21) concorda com Clóvis Rossi, mas acrescenta algo: “Temos a sorte de viver sob uma cultura que também aprecia a tolerância ( a despeito de recentes tentativas de fazer nascer um ‘racismo antirracista’, como diria Sartre)”. FHC acrescenta que todo aquele que não aceita seu “proper place” pratica racismo. A tolerância brasileira tem, portanto, o pavio muito curto.

Não há nada que se possa comparar, em nosso mundo intelectual, a essa negativa (não confundir com incapacidade de percepção). Obra maior da civilização nos trópicos, essa negação (não deve, não pode) concentra e resume o verdadeiro sentido de nossa existência como nação. Viva o (nosso) não!

A democracia porquinha confia ao “não” a tarefa sublime do aperfeiçoamento de suas instituições. A negativa é o sujeito de uma construção futura grandiosa que nos projetará como nação adiante da China e dos EUA, nações divididas. O não existe na e para o aperfeiçoamento da nação.

O desaparecimento forçado de antigas oposições e a plena aceitação de que tolerância tem limites tornam absolutamente dispensável a pronúncia de certas palavras (negro, afro, etc.). Como disse Rossi, o país tem que explorar melhor suas características se quer realmente ser cachorro grande no século XXI.

Matéria original: Porcos e cachorros ou da grandeza última do não

+ sobre o tema

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

Degola, linchamento e cassação: gente negra pode mesmo eleger e ser eleita?

Imagina se uma vereadora negra de Catanduva (SP) e...

A “selfie” de Obama e o jornalismo apressado

O presidente dos EUA não foi insensível e sua...

Abolicionismo do século 21

Por: Edson França Completamos no dia 13 de...

para lembrar

No lançamento de Serra, PSDB decide “esconder” FHC

Por: NOELI MENEZES, FERNANDA ODILLA, PATRÍCIA GOMES   Ex-presidente fica fora...

O dia que o livro foi traje de gala

Cerimoniosas, escolhemos na estante nossa melhor roupa. Aquela túnica-palavra...

Juca Ferreira será o secretário de Cultura de Haddad

O ex-ministro Juca Ferreira aceitou o convite do prefeito...

Suplicy retira candidatura e abre espaço para Mercadante; Marta disputará o Senado

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) anunciou hoje ao comando...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=