Preconceito, homofobia e machismo não existem. E todo pobre pode ser rico

Foto: Flávio Florido

Por Leonardo Sakamoto

O brasileiro não é racista.

Nem machista.

Muito menos homofóbico.

Ricos e pobres têm acesso iguais a direitos.

Só havia uma negra na minha sala de aula na graduação em jornalismo na USP.

O que faz sentido. Até porque, como todos sabemos, os negros representam 4% da população brasileira.

A proporção de negros na maioria dos cursos da PUC, onde leciono, também é menor que sua incidência na sociedade. Quando descontados quem conta com bolsa ou financiamento estatais então, nem se fala.

Mas isso não importa, porque não existe preconceito por cor de pele.

Ou como diria Laerte:

Laerte-racismo_thumb4

Ignorar um machucado não faz ele desaparecer.

Confiar no mito da democracia racial brasileira, construído para servir a propósitos, é tão risível quanto ser adulto e esperar um mamífero entregador de chocolate (a.k.a. Coelho) ou um idoso que possui um negócio de produção e entrega de brinquedos (a.k.a. Noel).

Tratar pessoas que desfrutam de níveis de direitos diferentes como iguais é manter em circulação coisas que a gente ouve por aí:

– Tinha que ser preto mesmo!…
– Amor, fecha rápido o vidro que tá vindo um escurinho mal encarado.
– Olha, meu filho não é preconceituoso, não. Ele tem amigos negros.
– Eu adoro o Brasil porque é um país onde não existe racismo como nos Estados Unidos. Aqui, brancos e negros vivem em harmonia. Todos com as mesmas oportunidades e desfrutando dos mesmos direitos. O que? Se eu deixaria minha filha casar-se com um negro? Claro! Se ela conhecesse um, poderia sem sombra de dúvida.
– Vê se me entende que eu vou explicar uma vez só. A política de cotas é perigosa e ruim para os próprios negros, pois passarão a se sentir discriminados na sociedade – fato que não ocorre hoje. Além disso, com as cotas, estará ameaçado o princípio de que todos são iguais perante a lei, o que temos conseguido cumprir, apesar das adversidades.

Mas o brasileiro não é homofóbico.

Nem machista.

Muito menos racista.

E não é o berço que nasceram que influencia se você vai vencer na vida e, sim, o nível da sua dedicação pessoal. Afinal, todos são filhos de Deus.

Preconceito, de verdade, existe contra quem tem dinheiro e, através de sua boa vontade, faz este país crescer. Preconceito é o que sofre a elite deste torrão de terra ao Sul do Equador que passou a ter medo de mostrar a todos como é bom ser rico em um país pobre. Preconceito contra quem sempre tratou bem suas empregadas e recebe, agora, a ingratidão como resposta.

O blogueiro, “um japonês safado que não honra sua raça”, é que é um idiota.

 

 

Fonte: Blog do Sakamoto

+ sobre o tema

Barbosa derruba supersalário no Tribunal de Contas do Município de São Paulo

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro...

Salve Zumbi e João Cândido, o mestre sala dos mares

Por Olívia Santana   Há 15 anos, após uma grande marcha...

Matias, o menino negro fotografado com um boneco de “Star Wars”, foi a Hollywood. Por Cidinha da Silva

Em tempos de comunicação-relâmpago pela Web, a imagem viralizada...

Moradores das favelas sonham com casa e negócio próprios em 2020, mas sem otimismo por segurança

Estudo do Data Favela mostra que moradores desses conglomerados...

para lembrar

Michelle visita museu que homenageia vítimas do apartheid na Cidade do Cabo

Primeira-dama americana foi obrigada a cancelar planos de visitar...

O preço da admiração, por Cidinha da Silva

Por Cidinha da Silva A moça posta vídeo de um...

Ministra Nilcéa Freire, reitora da UERJ quando as cotas foram votadas lá

- Fonte: Em Dia com a Cidadania -    Nilcéa...

O assassinato do menino Juan, pobreza e negritude: certificados de mortes prematuras

Sérgio Martins O descaso do Estado e dos governantes...

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...

Número de resgatados da escravidão dispara em 2023 e é o maior em 14 anos

O Brasil encontrou 3.190 trabalhadores em condições análogas às de escravo em 2023. O número é o maior desde os 3.765 resgatados em 2009. Foram...

ONG contabiliza 257 mortes violentas de LGBTQIA+ em 2023

Em todo o ano passado, 257 pessoas LGBTQIA+ tiveram morte violenta no Brasil. Isso significa que, a cada 34 horas, uma pessoa LGBTQIA+ perdeu...
-+=