presidente do MAC (Marília Atlético Clube) é acusado de racismo

O atual presidente do MAC (Marília Atlético Clube), Hely Bíscaro, vai ter que se apresentar à polícia por supostamente ter injuriado o treinador do time sub-11 da equipe mariliense, Leonardo Pereira de Freitas, 25, no último dia 5. O caso só foi registrado na manhã de quarta-feira (15), quando a vítima tomou conhecimento das ofensas de Bíscaro.

Segundo o boletim de ocorrência 4780/2011, Freitas treinava as crianças no estádio do “Abreuzão” quando, por volta das 9h, o presidente teria dito ao então diretor e responsável pelo departamento amador, Fernando Paredes, “nós precisamos arrumar um treinador descente porque este aí parece um macaco pulando na beira do campo”.

Procurado pela reportagem, Bíscaro desmentiu o fato e classificou o ocorrido como ‘vingança’, já que Paredes foi desligado do clube esta semana.

“Não sou racista. Naquele dia, cobrei uma postura do treinador, que estava de shorts, brincos e cabelo moicano. Sobre o boletim, registraram após 10 dias e só depois de todos serem demitidos”, se defendeu Bíscaro. O caso está sendo investigado pelo 5º DP, que deve intimar as partes nos próximos dias.

MAIS PROBLEMAS

Os problemas no MAC não param por aí. O preparador físico das equipes sub-15 e sub-17, que preferiu se identificar apenas como Moraes, registrou queixa após ser demitido por João More, ex-presidente do clube e anunciado ontem para a vaga de Paredes.

“Ele chegou se dizendo diretor e disse que eu não trabalhava mais no MAC. Até agora não fui formalizado de nada. Não quero gerar polêmica, mas falta transparência. Minha preocupação é evitar que os atletas sejam constrangidos, como aconteceu”, diz Moraes.

Segundo apurou a reportagem do Jornal Diário, pais de alunos estão preparando uma manifestação pacífica contra a diretoria do MAC, que nesta semana já impediu acesso de parte da imprensa aos treinos da equipe.

Edison Só comanda o primeiro coletivo visando à Série C

Depois de 15 dias de trabalhos físicos, os jogadores do MAC realizaram ontem à tarde o primeiro coletivo no Abreuzão, sob o comando do técnico Edison Só, visando à estreia na Série C do Campeonato Brasileiro, dia 16 de julho, contra o Macaé, no interior carioca.

Neste treino, Edison Só ainda não pôde contar com alguns jogadores, como o zagueiro Daniel Melo, 30, ex-Macaé, que se apresentou ontem; e com o atacante Fábio Santos, 31, ex-XV de Piracicaba, que foi poupado do trabalho por se queixar de dores musculares.

Já o goleiro Alex Alves, 24, cotado para ser titular na Série C, treinou pouco tempo e na equipe reserva. Ele vai se casar no dia 16 de julho e, portanto, irá desfalcar o Marília no jogo de estreia em Macaé.

A equipe titular treinou com Segala; Fernandinho, Éverton Dias, Odair e Júnior Barbosa; Júlio César, André Bilinha, Buti e Saulo; Rodriguinho e Cristian. Os reservas atuaram com Bruno Prandi (Alex Alves); Carlinhos, Artur, Cleyton e César; Rodolfo, Juninho, Edílson e Danilinho; Araújo e Ricardo Oliveira. O treino foi vencido pelos reservas por 2 a 1, com gols de Danilinho e César, enquanto Carlinhos (contra) para os titulares.

“Fiquei satisfeito. Foi apenas um primeiro coletivo e serviu também para conhecer as características de alguns jogadores. Vamos observar os atletas nesses treinos para depois definirmos inclusive como armar taticamente a equipe. A Série C é um campeonato de pegada forte e o Marília irá jogar de acordo com o que requer o certame”, disse Edison Só.

O treinador já solicitou ao supervisor Miranda que acerte quatro jogos-treino antes da estreia. O primeiro deverá acontecer entre os dias 24 e 28

Fonte: Diário de Marilia

+ sobre o tema

Maurício Pestana: escola de negros e o Terceiro Vagão

Em vários artigos já escritos por mim aqui, tenho...

Racismo no futebol cresce; clubes engatinham na orientação a jogadores

Casos de injúria nos estádios do país bateram recorde...

para lembrar

MP diz que prisão dos acusados ataques racistas contra atriz não se justifica

Taís Araújo foi vítima de comentários racistas em sua...

Quem se apropria culturalmente é a indústria. As pessoas só contribuem

E acredito que entender isso é um ponto super...

O livro é um assombro

‘A cor púrpura’, o musical’ põe o país diante...
spot_imgspot_img

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...

Formação territorial do Brasil continua sendo configurada por desigualdades, diz geógrafo

Ao olhar uma cidade brasileira é possível ver a divisão provocada pela segregação espacial no território, seja urbano, seja rural. A avaliação é fruto...
-+=