Programa Beatriz Nascimento de Mulheres na Ciência tem inscrições abertas até dia 31

Enviado por / FonteDo Jornal da USP

Chamada pública oferece bolsas de doutorado-sanduíche e pós-doutorado no exterior para pesquisadoras negras, ciganas, quilombolas e indígenas

Estão abertas até o dia 31 de janeiro as inscrições para a chamada Atlânticas – Programa Beatriz Nascimento de Mulheres na Ciência, lançada pelo governo federal em novembro do ano passado. O programa oferece bolsas de doutorado-sanduíche e pós-doutorado no exterior para pesquisadoras negras, ciganas, quilombolas e indígenas, em qualquer área de conhecimentos.

As bolsas têm duração máxima de nove meses. Para se inscrever, as interessadas devem estar regularmente matriculadas em cursos de doutorado ou ter concluído seus estudos em programa de pós-graduação reconhecido pela Capes. Nos dois casos, as candidatas devem apresentar um projeto de pesquisa e o aceite formal da instituição de destino.

As candidatas às bolsas de doutorado-sanduíche também precisam demonstrar conhecimento da língua utilizada na instituição estrangeira e a anuência de seus orientadores e da coordenação de seu programa de pós-graduação. A chamada pública completa está disponível para consulta no site do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

A chamada é uma parceria dos ministérios da Igualdade Racial, das Mulheres, dos Povos Indígenas, e da Ciência, Tecnologia e Inovação, com apoio do CNPq, e conta com R$ 6 milhões em investimentos que serão destinados ao pagamento das bolsas.

Quem foi Beatriz Nascimento?

O nome do programa presta homenagem à professora e historiadora sergipana Beatriz Nascimento, que sempre aliou a luta antirracista à vida acadêmica. Foi cofundadora do Grupo de Trabalho André Rebouças na Universidade Federal Fluminense (UFF) e membro do Movimento Negro contra a Discriminação Racial (MNUCDR), nome mais tarde reduzido para Movimento Negro Unificado (MNU).

Como pesquisadora, Beatriz Nascimento estudou as formações dos quilombos no Brasil por duas décadas. Foi expoente do feminismo negro, pesquisando as práticas discriminatórias que pesam sobre os corpos das mulheres negras.

Beatriz faleceu, vítima de feminicídio, em janeiro de 1995. Na época, ela cursava mestrado em Comunicação na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em 2021, Beatriz Nascimento se tornou doutora honoris causa in memoriam pela UFRJ.

+ sobre o tema

para lembrar

Educadores: militarização de colégios reflete falência do sistema educacional

Para estudantes de dez colégios públicos de Goiás, a...

A cor da intelectualidade

“A cor está para o Brasil como o gelo...

Michelle Obama visita África

Primeira Dama vai visitar Libéria e Marrocos do Voa Portugues A...
spot_imgspot_img

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...

O que a proibição de livros nos diz sobre o futuro que nos aguarda

Reportagem da Agência Pública mostrou que existe um movimento coordenado para barrar a entrada de determinados livros no sistema prisional de Minas Gerais. Apenas títulos...

Encontro anual do SETA definiu ações e estratégias para uma educação antirracistae emancipatória.

Geledés - Instituto da Mulher Negra participou do planejamento anual Projeto SETA  (Sistema de Educação Por Uma Transformação Antirracista) em Paraty, Rio de Janeiro....
-+=