Programa CQC é investigado por racismo e intolerância

O programa Custe o Que Custar (CQC), veiculado pela TV Bandeirantes, é alvo de um inquérito policial motivado por uma série de denúncias do Conselho da Comunidade Luso-Brasileira do Estado de São Paulo, que acusa o programa de ofender a honra da comunidade portuguesa com piadas e comentários racistas e intolerantes.

As denúncias estão sendo investigadas pela Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi). Conforme a comunidade luso-brasileira do Estado, as reclamações contra o programa partiram de portugueses que ficaram indignados com as piadas feitas durante a Eurocopa, em 2012.

O repórter responsável pela cobertura, Ronald Rios, teria feito comentários que brincam com os costumes e inteligência com os portugueses. “A mulher portuguesa é bigoduda”, dizia uma das piadas.

O apresentador do CQC, Marcelo Tas, mostrou-se surpreso com as denúncias. “Não acreditei que seríamos processados por uma piada de 1.500”, diz ele.

 

Fonte: A Tarde

+ sobre o tema

Miss é eliminada por ser mãe. Em que ano estamos?

Elas precisam ser lindas, altas e magras. Além disso,...

MinC seleciona projetos de hip-hop inscritos no Prêmio Cultura Viva

A Secretaria de Cidadania e Diversidade Cultural do Ministério...

Perfeição do racismo brasileiro transforma algoz em vítima

O racismo é um crime perfeito. É com essa frase...

para lembrar

Rodada contra Racismo

Neste final de semana, a Confederação Brasileira de Futebol...

Olivier Rousteing: ‘A moda é racista’

Único negro à frente de uma grife de luxo,...

Tribunal de Londres processa zagueiro John Terry por racismo

LONDRES, Reino Unido — O capitão da seleção inglesa...

Procon-SP notifica shopping após mãe denunciar racismo

O Procon-SP notificou ontem o Bourbon Shopping São Paulo...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=