Quando eu descobri a negritude

A negritude, um termo cunhado pelo francês Aimé Césaire que pretendia reivindicar a identidade negra e a sua cultura perante a cultura francesa dominante e opressora, é uma verdade que aprendemos sobre o mundo à nossa volta.

Para começar, recordo-me perfeitamente de ter percebido que havia algo de diferente na minha experiência social. Tal é inevitável quando somos nascidos da imigração recente e quando chegamos a um país que nos é estranho e, principalmente, no qual somos estranhos.

Foi no jardim de infância que percebi que era diferente e que isso era mau. Rapidamente entendi que ser negro era algo horrendo e vil e não queria ser associada a tais características, porque me veriam através de uma lente cruel. Então, achei que a solução passava por pintar-me e chegava a casa a exigir aos meus pais que me tornassem “tom de pele”. Eles não sabiam o que dizer.

Fui percebendo, enquanto ia crescendo, que a minha diferença era contraditória com o que era esperado de mim. Quando era das melhores alunas nas turmas em que estava (o meu pai sempre disse que tinha que me esforçar “mais que os outros”) e a minha mãe ia ver as pautas ouvia comentários como “ainda por cima é brasileira” (sendo que não temos nada de brasileiro, não parecíamos só ser “de cá”). Um colega de turma atirou-me, uma vez, a expressão “tu és preta” e isso bastou para que me cobrisse de vergonha, uma simples constatação da realidade exterior, pela maldade com a qual as palavras tinham sido proferidas.

Também nunca senti que podia escolher ser meramente mulher, era sempre bem mais complexo que isso. Quando me apercebia que a experiência tradicional feminina (ou mesmo feminista) me dizia ridiculamente pouco, que as minhas experiências de assédio eram muito diferentes das mulheres à minha volta, pela forma como todas estas características sociais se embrenhavam no que se tornava, por vezes, o medo de andar na rua.

O que foi mais curioso à medida que ia aprendendo sobre o mundo ou, por outras palavras, à medida que fui crescendo, era o quão plástica era a minha posição social: por vezes demasiado clara, outras demasiado escura, demasiado “de cá” ou demasiado estrangeira. Isto força-nos a concluir que todas estas categorias não são mais que socialmente construídas, que são como fumaça que se desfaz no ar quando confrontada com a força da realidade.

Durante muitos anos recordo-me de falar sobre isto e ouvir respostas que diziam que “racismo não existe em Portugal” e que isso “eram coisas dos Estados Unidos”. Chegava à conclusão, portanto, que estava a ser sensível demais e que só podia estar a ficar louca. Não havia outra possibilidade: se eu experienciava algo invisível, não era mais do que um D. Quixote dos tempos modernos a lutar contra o demónio da minha mente.

Decidi ler, só para tirar as teimas. Ainda bem que o fiz, pois foi na educação que encontrei a capacidade de libertação, não só psicológica, mas das cadeias geracionais que estamos a tentar quebrar. Rapidamente se tornou claro que o racismo existia e estruturava a nossa sociedade, mas que quem o sofria não era capaz de falar sobre isso na maioria das vezes. Não só porque se revelam como as pessoas mais flageladas pelo sistema sócio-económico, mas porque também se vêem forçadas a lutar contra a colonização das suas mentes, que sucedeu à colonização dos corpos.

Considero particularmente importante ressalvar que a luta antirracista nunca tratou de criar supremacia de um grupo em detrimento de outro. Não podemos esquecer que a injustiça em qualquer sítio é uma ameaça à justiça em todo o lado.

Da luta contra a desigualdade nasceu uma celebração anual – o Black History Month nos Estados Unidos, conquistado à custa de trabalhos de vidas inteiras. Em Portugal falta fazer esta tradução política e entender como criar reivindicações antirracistas adequadas ao contexto sócio-cultural nacional que consiga conquistar a almejada maioria social.

Porque esta resposta é urgente. É absolutamente angustiante que se tenha de ir à rua para exigir nada mais do que o direito a estar vivo, o direito a existir e a falar.

E desengane-se quem acha que nessas manifestações se ouvem brados de lamento – são gritos de libertação. Esta é uma luta que levaremos até ao fim.

Andreia Galvão
Estudante e ativista da Greve Climática Estudantil.

+ sobre o tema

para lembrar

spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=