Reinaldo Azevedo é a menina fantasma do elevador

Renato Rovai

O colunista porta-voz da revista Veja, Reinaldo Azevedo, não é nem o que parece e nem o que deseja ser. No dia da morte de Oscar Niemeyer, ele reproduziu um daqueles seus textos sofríveis repleto de citações e deu o seguinte título: “Oscar Niemeyer, metade gênio e metade idiota”. De forma justa, muita gente se indignou. Afinal, o que se espera de um ser humano no dia da morte de outro é no mínimo o silêncio respeitoso. Mas Azevedo não é humano. É uma caricatura. Não é um passageiro comum. É a menina fantasma do elevador.

Azevedo está na revista Veja para isso. Foi escalado para tentar assustar os outros com seus gritos de “buuuuu”. E mesmo que você passe longe do site da publicação que lhe paga os préstimos, ele entra escondido pela sua timeline a partir da indignação alheia e, de repente, faz aquela cara de espantalho.

O texto que produziu sobre Niemeyer deve ser lido neste contexto. Ele sustenta sua prole a partir deste papel ridículo que desempenha. Nada mais do que isso. Não é questão de opinião. É simplesmente um jeito de ganhar a vida.

Mas se por um lado ele é o escolhido para fazer este papel bizarro para Veja, por outro não significa nenhuma ameaça. Como a menina fantasma do elevador, Azevedo pode até assustar um ou outro incauto ou alguém que esteja sugestionado. E pode divertir o público que acha seu estilo, borbulhante de preconceitos, engraçado. Nada mais.

Tanto que Azevedo tentou se colocar como grande articulador da oposição e sempre foi ignorado. Tanto que tentou liderar manifestações que não levaram nem uma centena às ruas. Tanto que liderou pelo seu blogue chapas de movimento estudantil que foram solenemente ignoradas e derrotadas.

Há algum tempo Azevedo ainda era chamado para dar uma palestra aqui e outra ali. Como virou a menina fantasma do elevador da blogosfera, nem isso. Ultimamente o colunista da Veja não é levado a sério nem pela juventude tucana.

O texto que fez sobre Niemeyer não pode ser entendido para além dessa caixinha. A caixinha do bizarro. Azevedo é bizarro, porque é este o seu papel. Foi assim que conseguiu sair da produção e ir para a frente do palco. Vai continuar ainda por algum tempo fazendo suas estrepolias. Cada vez para menos gente, porque mais óbvio. Mas não se pode pedir que faça diferente. Isso o levaria ao ostracismo.

E nesse caso, sua vaidade prefere a fama.

A menina fantasma do elevador pode parecer algo mais ingênuo, mas ele também não é esse bicho-papão que parece e nem que deseja ser. Azevedo é só uma caricatura.

+ sobre o tema

Obama afirma que reanimar a economia é sua tarefa mais urgente

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, considera que...

Tribunais são enviesados contra mulheres e negros e não fazem justiça, diz advogada da OAB

Os Tribunais de Justiça são enviesados e, por isso,...

O tal “panelaço” tem cara, grife, cor e endereço, nobre, diga-se de passagem

O tal "panelaço", importado da Argentina, de que  grande...

O silêncio da mídia diante da denúncia de golpe do fotógrafo brasileiro ganhador do Pulitzer

Dez dias atrás, o fotógrafo Mauricio Lima foi festejado pelos grandes meios...

para lembrar

Escravidão e discriminação

Por Margareth Menezes     Neste momento, em...

Presidente Lula anuncia investimento em catadores de materiais recicláveis

Fonte: G1- Trabalhadores terão carros elétricos para coleta de...

Geração Z: antes mentíamos aos pais para sair, agora mentem aos amigos para ficar em casa

Saídas para bares, festas e encontros mudam de acordo...

Lula para Gaviões: ‘esta é uma das maiores homenagens que recebo em toda minha vida’

Presidente Lula, internado no Hospital Sírio Libanês, grava uma...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=