Relatora da ONU pede que Bolsonaro desista de pastor evangélico na Funai

A relatora da ONU para o direito dos povos indígenas, Victoria Tauli-Corpuz, criticou a decisão do governo brasileiro de nomear o líder evangélico Ricardo Lopes Dias para chefiar a coordenação de índios isolados da Funai. Em entrevista à coluna, ela pediu que a administração de Jair Bolsonaro reavalie a escolha e que desista do nome de Dias para o cargo.

Por Jamil Chade, do UOL

Relatora especial, Victoria Tauli-Corpuz. Foto: ONU/JC McIlwaine

 

“Essa é uma decisão perigosa e que pode ter o potencial de gerar um genocídio para a população de indígenas isolados”, disse.

O setor é considerado como um dos mais complexos da Funai, justamente por lidar com situações de extrema vulnerabilidade das tribos. O pastor escolhido, porém, é acusado por parte de lideranças indígenas de ter atuado em entidades cujo objetivo é evangelizar tribos. Ele era um dos missionários da organização americana Missão Novas Tribos do Brasil (MNTB), presente na Amazônia.

O anúncio de sua nomeação levou grupos indígenas e até religiosos a atacar a decisão do governo. Entidades como a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), a União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja), e o Conselho Indigenista Missionário, ligado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, emitiram notas pedindo que a escolha fosse reavaliada.

“Estou preocupada com a nomeação”, disse Victoria. “Existe um histórico muito ruim de grupos evangélicos mantendo contatos ilegais com povos isolados”, alertou, lembrando que tal comportamento já foi registrado no Brasil, Equador e Peru. “Esses povos têm o direito de permanecer isolados”, insistiu a relatora, falando por telefone durante uma missão que realizava nesta quarta-feira para a região do ártico.

“A ação do governo (em nomear Dias) é perigosa. O risco de levar doenças desconhecidas para os indígenas é elevado e o governo precisa aprender com o que ocorreu no passado”, insistiu.

Grupos indígenas chegaram a denunciar o fato de que a entidade para qual trabalhava Dias tentou erguer igrejas evangélicas dentro das tribos. A escolha também gerou uma reação da Defensoria Pública da União, que pediu esclarecimentos por parte da Funai sobre os critérios usados para as nomeações.

Na ONU, a situação do governo de Jair Bolsonaro não é nada confortável. No final de 2019, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos pediram que as autoridades brasileiras realizassem uma “investigação imediata, completa e imparcial” sobre os assassinatos de lideranças indígenas.

As entidades condenavam os assassinatos dos caciques Firmino Praxede Guajajara, da Terra Indígena Cana Brava, e Raimundo Belnício Guajajara, da Terra Indígena Lagoa Comprida.

As mortes ocorreram no dia 7 de dezembro, no município de Jenipapo dos Vieiras, estado do Maranhão.

No dia 1 de novembro, outro defensor de direitos humanos já havia sido assassinado na mesma região. O líder indígena Paulino Guajajara foi supostamente atacado por invasores durante emboscada dentro de uma terra indígena.

A CIDH e a ONU alertaram que “o estado brasileiro tem a responsabilidade de garantir a proteção integral dos povos indígenas no país e que deve responder às causas estruturais relacionadas com a luta pela terra e fortalecer os mecanismos de proteção a lideranças”.

As entidades lembram também a responsabilidade do estado “em garantir que quem defende os direitos humanos possa exercer seu trabalho, que beneficia toda a coletividade, em condições de liberdade e segurança”.

+ sobre o tema

Pobre Palmares!

  por Arísia Barros União,a terra de Zumbi, faz parcas e...

Olimpíadas de Tóquio devem ser novo marca na luta por igualdade

Os Jogos Olímpicos da Cidade do México, em 1968,...

Lei 13.019: um novo capítulo na história da democracia brasileira

Nota pública da Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais...

Gostoso como um abraço? – Por Maria Rita Casagrande

Por Maria Rita Casagrande para as Blogueiras Negras Feche...

para lembrar

Com 41%, Dilma passa Serra e fica a 3 pontos de vencer no 1º turno, diz Datafolha

ALEC DUARTEEDITOR-ADJUNTO DE PODER A candidata do PT...

Minha terra tem horrores’: versão de poema feita por alunos do Rio causa comoção nas redes sociais

'Canção do exílio', escrita há 170 anos por Gonçalves...

Dado racial em documento trabalhista é passo no combate a desigualdades

Em 20 de abril de 2023, o governo federal sancionou...

Documento final da CSW leva parecer de organizações negras do Brasil

Em parceria estabelecida entre Geledés - Instituto da Mulher Negra e as organizações-não-governamentais Casa Sueli Carneiro e Criola, foi-se possível alcançar um importante resultado...

Ministério lança edital para fortalecer casas de acolhimento LGBTQIA+

Edital lançado dia 18 de março pretende fortalecer as casas de acolhimento para pessoas LGBTQIA+ da sociedade civil. O processo seletivo, que segue até...

Geledés e OEA juntas em Washington

Em parceria com a Missão Brasileira na Organização dos Estados Americanos (OEA) e a Missão Colombiana na OEA, Geledés – Instituto da Mulher Negra...
-+=