Rihanna fala que sua campanha para Dior é importante para que “mulheres de todas as raças se sintam bonitas”

Ser notada e reconhecida pela grife significou muito para a cantora como mulher. “Significa se sentir linda, elegante e atemporal.”

Por: Sofia Jorge, do Divando 

Nos últimos dias, Rihanna entrou para a história da moda ao anunciar que seria a primeira mulher negra a assumir o rosto da grife francesa Dior. Ao anunciarem a parceria entre uma marca tão tradicional com uma personalidade que, além de ser negra também possui bastante atitude, os críticos, fashionistas e blogueiros vibraram. Estaria mesmo a moda deixando tradicionalismos e evoluindo para uma fase mais moderna?

Durante a coletiva do filme “Home”, que marca a estreia da cantora como dubladora, o canal MTV pediu rapidamente para Riri falar sobre o que significa entrar para o time Dior. Ao responder, ela não poderia ter sido mais genuína: “É fantástico. É uma grande coisa, uma grande notícia para mim, para a minha cultura e para várias mulheres jovens de qualquer raça. Eu acho que ser notada e reconhecida pela Dior é algo que significa muito como mulher, significa se sentir linda, elegante e atemporal.”


A repercussão positiva de Rihanna com a Dior, pode servir como exemplo para outras marcas dehaute couture como por exemplo Dolce & Gabbana, que recentemente se envolveu em uma polêmicaapós seus criadores divulgarem suas posições contrárias à adoção ou criação de filhos gerados por fertilização in vitro por pais gays. Nada melhor do que a moda como uma arte sem preconceitos, não concordam?

Agora é só esperar a campanha, que será fotografada pelo talentoso Steven Klein no Palácio de Versailles. Segundo comentários nas redes sociais, a estrela também irá estrelar a quarta edição da série de vídeos “Dior’s Secret Garden”. A gente mal pode esperar para ver!

+ sobre o tema

Projeto de lei prevê prisão de docente que falar sobre “ideologia de gênero”

Atualmente, tramitam no Congresso Nacional ao menos cinco projetos...

Paulina Chiziane e a liberdade de quem conta suas próprias histórias

“Se queres conhecer a liberdade Segue o rastro das andorinhas” (Ditado...

Casadentro: outro olhar sobre a maternidade

Filme de estreia de cineasta peruana explora as pressões,...

Mulher, negra e feminista: conheça a nova vice-presidenta da UNE

Moara Correa Saboia teve uma trajetória meteórica no movimento...

para lembrar

Tempo de revolução: de Lua Xavier ao levante de candidaturas negras em Salvador

“Animai-vos Povo Bahiense que está por chegar o tempo...

Sobre rap e guerra de gêneros!

A segregação de gênero no rap é algo que...

Polícia desqualifica estupro ao afirmar que adolescente de 14 anos se prostituía

A ocorrência envolvendo uma adolescente de 14 anos e...

Conceição Evaristo: “A questão racial não é para o negro resolver”

Ao R7, consagrada escritora se mostrou feliz com prêmios...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=