Ritos de passagem: resgate ao imaginário africano

 

 

Cansado da ausência das lendas africanas na literatura, jovem autor negro cria uma mitologia fictícia para falar sobre os grandes desafios da vida .

Ritos de passagem: resgate ao imaginário africano
Divulgação/Edtora GIOSTRI

 

“Este livro não é mais um épico fantasioso com Orixás”, esclarece Fábio Kabral ator e dublador que cursou Letras na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP. Ele decidiu aprofundar o seu conhecimento sobre lendas africanas e criar sua própria mitologia, no entanto, o aspecto lendário é apenas  um pano de fundo que dá cores e texturas aos dilemas causados e sofridos pelo ser  humano quando ele passa para fase adulta.  Resultado de muito estudo e pesquisa, o livro tem uma leve influência da vasta e rica coleção de lendas do continente africano, mas não só de lá .  O primeiro personagem do livro foi escrito em 2003, mas só agora em 2014 o livro foi lançado oficialmente, num grande evento realizando na cidade de São Paulo

Mundo Negro –  Você estudou profundamente a cultura africana antes de escrever. O seu livro é uma obra ficcional?

Fábio Kabral – Meu livro é ficcional. É um universo sem nome cujos povos e sociedades foram inspirados principalmente nas antigas lendas e histórias dos grupos lunda e tchokwe, de Angola com umas pitadas aqui e ali de outros povos do continente. Além de outras influências.

Apesar da questão das mitologia e lendas africanas, a obra não tem a ver com religião, sobre tudo o Candomblé.

A grande verdade, é que o ambiente, a mitologia não passam de pano de fundo, de passam de mero detalhe. O núcleo da história são os dramas individuais dos personagens, suas fúrias e ojerizas internas, suas dificuldades de lidar consigo próprios e com o ambiente hostil ao seu redor.

O que te levou a escrever a obra?
Sempre gostei de gibis, games, RPGs e literatura fantástica. E até hoje nunca vi representação pertinente dos povos do continente, nunca vi histórias fantásticas cujas sociedades e costumes sejam inspirados nos imaginários de África. Isso sempre me incomodou e me incomoda até hoje. Além disso, sempre gostei de criar mundos e escrever histórias, sempre fui fascinado na criação de novas realidades; assim, uni essas duas questões que me são mais pertinentes e dei início aos livros.

 

Eu via uma foto sua, acredito que tirada durante as passeatas de novembro, mês da consciência negra, onde você carregava um pôster que falava sobre os brancos se apropriarem da estética e religião afro. Branco não tem legitimidade para falar sobre religiões de matriz africana?

O problema não é a pessoa branca na nossa religião, usando dreads e etc. O problema é a apropriação das culturas africanas e indígenas ou quaisquer outras culturas tradicionais, com as quais lucram como se fosse criação deles, sem o devido crédito e respeito. Nas religiões de matriz africana temos sacerdotes de todas as etnias, que são muito respeitados e que tratam a ancestralidade africana com todo o respeito que ela merece.

 Afinal, sobre o que é o “Ritos de Passagem”? Quanto tempo você levou para escrevê-lo?

Ritos de Passagem é só o início dos trabalhos. Ritos de Passagem é sobre a jornada de superação em meio a um turbilhão de cobranças, expectativas e normas de conduta. Ritos de Passagem é sobre o desafio de encarar a si próprio e se tornar uma pessoa adulta – de uma forma ou de outra. Ritos de Passagem é uma história de ficção fantástica inspirada nas antigas lendas de África. A primeira personagem da história eu criei por volta de 2003; desde então, venho desenvolvendo os personagem e elaborando as primeiras partes dos conjuntos de histórias desse universo sem nome.

Você contou com a ajuda de outras pessoas?
Recebo ajuda de várias pessoas, no que diz respeito aos aspectos mais práticos de publicação e divulgação; a elaboração dos personagens, das histórias e do universo sem nome é por minha conta mesmo.

Quem quiser adquirir o livro, o que tem que fazer?
 Por enquanto, quem quiser adquirir o livro Ritos de Passagem, deve contatar diretamente a GIOSTRI EDITORA, por meio de seu site (http://www.giostrieditora.com.br/ ), página no facebook (https://www.facebook.com/giostrieditora ), e-mail e telefone.

Serviço:
RITOS DE PASSAGEM
AUTOR: FÁBIO KABRALISB
EDITORA: GIOSTRI
PREÇO:  R$ 42,00

 

Fonte:  Mundo Negro

 

 

+ sobre o tema

Mapas de etnias/nações e países no continente africano

Mapas de etnias/nações e países no continente africano. Estes mapas...

A Cultura Negra na sala de aula: Erros e Acertos

Erros Abordar a história dos negros a partir da...

para lembrar

Negros defendem mudanças na educação para garantir respeito à diversidade racial

O Brasil precisa garantir mudanças na educação pública para oferecer aos...

Professora confecciona bonecas negras e indígenas para combater racismo desde a infância

  Por Thiago Borges no Periferia em Movimento     Carine, uma menina negra...

Declaração de Jomtien

  Declaração de Jomtien DECLARAÇÃO MUNDIAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS PLANO DE...
spot_imgspot_img

Geledés e Alana lançam pesquisa sobre municípios que colocam a Lei 10.639/03 em prática

Em Diadema (SP), após um ano de implementação da Lei 10.639/03, que há 20 anos alterou a LDB e instituiu a obrigatoriedade do ensino da história e...

Ensino de história negra não é cumprido, dizem debatedores

As redes de educação não cumprem satisfatoriamente a obrigação, estabelecida pela Lei 10.639, de 2003, de ensinar sobre a história e a cultura afro-brasileiras....

Ação Educativa lança edital para selo comemorativo de 20 anos da lei 10.639

A Ação Educativa Assessoria Pesquisa e Informação, associação civil sem fins lucrativos, está com inscrições abertas para o Edital do concurso do Selo Comemorativo de 20 anos...
-+=