Rodson Magalhães Lourenço: As mulheres negras

 Fundador da Associação de Integrantes de Alas de Baianas Flor Beijada

Rio – Na semana em que comemoramos o Dia Internacional da Mulher, é preciso destacar a importância da mulher negra em nossa cidade. Foram as baianas, que, na Saúde, no final do século 19, se tornaram as grandes festeiras da cidade. Criaram os ranchos que se tornaram, no século 20, em escolas de samba. Daí, o porquê da importância da ala de baianas para o Carnaval carioca.

Estas mulheres sustentaram a duras penas as famílias negras trabalhando como domésticas, pois, historicamente, o homem negro nunca teve trabalho formal, vivendo de pequenos biscates aqui e ali, enquanto suas mulheres tinham de certo modo um “emprego fixo”: as cozinhas das casas de classe média.

Além disso, o dinamismo da mulher negra sempre foi especial: ela também ia para ruas vender comidas afro (bolinhos, acarajé, quindins) e levava dinheiro para a casa, reduzindo, assim, o impacto da miséria das famílias pobres. Acabou, por conseguinte, imortalizando para sociedade brasileira a figura da vendedora de acarajé das ruas de Salvador e do Rio de Janeiro.

Neste sentido, achamos que a sociedade brasileira deve recuperar socialmente a mulher negra, pois, passados tantos séculos, ela continua ser a vítima mais fatal de nossas desigualdades sociais. Vejamos: cerca de 60% delas, segundo o censo 1990, continuam chefes de família, e 71,3% recebem até dois salários mínimos.

Elas ingressam sempre mais tarde no mercado de trabalho formal; se aposentam em menor proporção em relação às não-negras; as idosas desconhecem os caminhos jurídicos para obter pensões e sua saúde é precária em virtude da não-presença do Estado.

Assim, neste 2011, decretado o Ano Internacional dos Afrodescendentes pela ONU, é necessário que reflitamos sobre estas desigualdades históricas, e possamos interpretar que chegou a hora da virada da mulher negra no Brasil.

Fonte: O Dia Online

+ sobre o tema

“Aconteceu de novo! Mais uma mulher foi agredida e dessa vez fui eu”

Professora não responde cantada e apanha A professora de português...

José Serra protagoniza vexame internacional: Piada machista, misoginia e diplomacia zero

Nessa segunda-feira, 25 de julho, o ministro interino das Relações...

Primeira reimpressão de Um Exu em Nova York a caminho. Agradecemos e celebramos.

E meu primeiro livro de contos, mocinho fofo e...

Cynthia Semíramis: Aborto e o novo projeto de Código Penal

Nos últimos dias tem havido muita informação – e...

para lembrar

A primeira brasileira negra a escalar o Everest ganha biografia

“Dia 1º de abril. Parecia até mentira. Aretha, 37...

Maestrina Alba: “Você tem uma história belíssima a ser contada”

- Não precisa se preocupar tanto porque não vai...

O que as mulheres têm a ver com o Plano Diretor?

O mês de março se aproxima, mês internacional das...
spot_imgspot_img

Em ano olímpico, Rebeca Andrade ganha homenagem da Barbie e quer inspirar outros sonhos

Rebeca Andrade, 25, possui uma longa lista de conquistas. A ginasta é medalhista olímpica, vencedora de ouro e prata, bicampeã mundial, medalhas nos jogos Pan-Americanos...

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...
-+=