Senado aprova PEC que torna estupro crime imprescritível

O projeto de emenda constitucional que torna imprescritível o crime de estupro foi aprovado por unanimidade, nesta quarta-feira, 9 de agosto, pelo plenário do Senado. Apresentada por Jorge Viana (PT-AC), a proposta foi apreciada em dois turnos e segue agora para a Câmara dos Deputados. Na prática, o crime de estupro será punido mesmo tendo ocorrido muito tempo antes. Jorge Viana disse que a proposta é uma vitória das mulheres. “O projeto vai impedir a prescrição e punir os responsáveis por este crime horroroso”, comentou.

no Cidade Verde

Pela proposta de emenda à Constituição, o crime de estupro passa a figurar, juntamente com o racismo, como crime “inafiançável e imprescritível”. A alteração significa que o crime poderá ser denunciado e punido a qualquer tempo, mesmo depois de vários anos da ocorrência do estupro.

Viana lembrou que esse tipo de crime nem sempre é notificado. Em muitos casos, falta coragem à vítima para denunciar o agressor. A imprescritibilidade permitirá que a vítima reflita, se fortaleça e denuncie, sem que o estuprador acabe impune. “Com essa proposta, estaremos mandando uma mensagem para todos os criminosos: não façam pois, o crime não vai prescrever”, disse.

Presidenta da Comissão de Direitos Humanos do Senado, Regina Sousa elogiou o autor, que é seu companheiro de partido, pela iniciativa legislativa: “quero ressaltar que esta ideia nasceu da iniciativa de um homem, o senador Jorge Viana. Acho que, quando todos os homens sentirem que esse assunto da violência contra a mulher é assunto de homens e mulheres, a gente vai melhorar muito a performance”. Regina lembrou que nesta semana, no estado do Piauí, a polícia desvendou o primeiro caso de “estupro no ambiente virtual”, ocorrido no Brasil, modalidade de crime em que um homem, mesmo não estando presente, chantageia uma mulher para que ela grave e lhe envie vídeos com cenas de cunho sexual.

+ sobre o tema

Quais são meus direitos na comunhão parcial de bens?

Internauta irá se casar com um homem que tem...

Revolução Afro no Brasil : entrevista com Gabi Oliveira

Gabi é uma bloguista afro-brasileira. O seu discurso brilhante...

Raiva e esperança na terra dos feminicídios

De Veracruz, o estado mexicano que registra mais casos...

para lembrar

Deixem as feministas serem amadas

Que feministas são perseguidas por machistas, ameaçadas, xingadas, todo...

Cansada de esperar amor, americana se casa consigo mesma

Foi o casamento do sonho de Yasmin Eleby. Só...

Graça Machel e o protagonismo feminino em Moçambique

A luta pelo empoderamento feminino em Moçambique é um...

Governo feminista assume o Chile e descriminalização do aborto é pauta central

Quando o presidente mais jovem da história do Chile,...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=