Socióloga Vilma Reis tem militância reconhecida

Referência em ações de garantia e ampliação de direitos das mulheres, jovens e da população negra em geral, a socióloga e ouvidora a Defensoria Pública da Bahia, Vilma Reis, 46 anos, recebe a medalha Zumbi dos Palmares. A solenidade ocorre nesta quarta-feira, 31, às 19h, no Plenário Cosme de Farias da Câmara de Vereadores de Salvador.

Por Meire Oliveira, do A Tarde 

Homenagem proposta pelo vereador Sílvio Humberto (PSB), a honraria criada pela educadora Olívia Santana é a mais importante condecoração municipal concedida aos destaques na luta pelo combate ao racismo e intolerância e em prol da cultura afrodescendente. “Tenho honra e orgulho em poder reconhecer a atuação de outra militante. Vilma tem discurso e prática no comprometimento ao longo da vida com a promoção da igualdade de direitos, racial, de gênero e sexualidade”, afirma o vereador.

A capacidade de conscientização e a sensibilidade de lidar com diferentes públicos são características da atuação da socióloga para a professora da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) e coordenadora executiva do Instituto de Educação para a Igualdade Racial e de Gênero (Iceafro), Maria Nazaré Mota de Lima: “Ela sempre foi um canal de amplificação e as pessoas reconhecem essa força e o fato de ela sempre aparecer nos momentos necessários”.

A trajetória da pesquisadora é inspiração para uma geração e negros e negras engajados no enfrentamento à discriminação. “Vilma é exemplo na produção intelectual e conduta ética. Denuncia o racismo institucional no âmbito da segurança pública, o sexismo, dentre outras formas de violência e inspira jovens a seguir a chama que ela acendeu”, diz a assistente social e doutoranda em estudos interdisciplinares sobre mulheres, gênero e feminismo da Universidade Federal da Bahia (Ufba), Carla Akotirene.

Na academia, os trabalhos são reflexos da atuação fora desse universo: a monografia Operação Beiru, Falam as Mães dos que Tombaram (2001); a dissertação Atucaiados pelo Estado: As políticas de segurança pública implementadas nos bairros populares de Salvador e as representações dos gestores sobre jovens homens negros (2005); e a tese de doutorado, em andamento, Mulheres Negras – criminalizadas pelas mídias, violadas pelo Estado.

Os 32 anos de luta a faz colecionar admiradores em diversos segmentos. “Desde o final de 2010,  ela nos defende. Na luta pela minha comunidade, peço, todos os dias, para ter a mesma força que ela. Não tem hora que eu ligue e não receba ajuda dela”, diz a representante do Quilombo Rio dos Macacos, Rosimeire dos Santos.

Aos que acompanham e dividem os embates contra as diversas formas de opressão, fica a certeza da dedicação. “Ela é entrega 24 horas por dia. Fez da luta a existência na vida e tem a sabedoria de fazer disso um espaço de ensinamento e de aprendizado. E, pelo que conheço nesses mais de 20 anos de convívio, ela estende essa homenagem a atuação coletiva”, afirma a representante da Rede de Mulheres Negras da Bahia, Tânia Palma.

O reconhecimento também encontra reforço na referência espiritual de Vilma Reis, que é filha do Terreiro do Cobre. “Ela é incansável na luta contra a desigualdade no país. Se na nossa cidade existisse uma medalha mais importante para essa militância, ela merecia”, afirma a ialorixá do Cobre, Valnizia Pereira Bianch.

Com a vida marcada pela resistência desde a infância, Vilma Reis tem a consciência da necessidade da coletividade.

“Somos fruto da militância de várias pessoas e damos continuidade inspirando outras. Não se faz luta sozinho. Fico feliz em fazer parte desse trabalho para chegarmos onde estamos e com a disponibilidade de aprender e ensinar para seguirmos construindo”, conclui a socióloga.

+ sobre o tema

Tetracromatismo: as mulheres que enxergam cores ‘invisíveis’

A professora americana Concetta Antico passou anos levando seus...

Campeã absoluta, Mangueira exalta Brasil que não te ensinaram na escola

Marielle, vive! Aceita. Dói menos. Pouco mais de uma semana...

para lembrar

A professora transexual que trocou indenização de R$ 20 mil pela chance de dar aula a seus agressores

A professora de matemática transexual Natalha Claudinei Silva Nascimento...

Você é feminista e não sabe com Lívia de Souza

Série de entrevistas do projeto Você é feminista e...

Por que nós, mulheres, estamos sempre pedindo desculpas? 

Nos últimos dias andei pensando muito no significado da...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=