Stephanie Ribeiro ministra curso sobre a solidão da mulher negra

A afetividade é um dos temas mais delicados à comunidade negra, em especial às mulheres negras. Para discutir o assunto, Stephanie Ribeiro e o Coletivo coordenam um encontro de formação sobre a solidão da mulher negra.

Texto / Pedro Borges
Imagem / Divulgação

Do Alma Preta 

No dia 18 de março, sábado, das 14h às 18h, Stephanie Ribeiro coordena curso sobre a solidão da mulher negra. A formação, organizada em conjunto do Coletivo Dijejê, acontece no Aparelha Luzia, Rua Apa, 78, centro. As inscrições podem ser feitas aqui.

O curso tem 20 vagas e oferece às e aos participantes a possibilidade de discutir um dos principais problemas da comunidade negra, e em especial das mulheres negras, a afetividade. No último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), publicado em 2010, os números apontavam que 52,52% das mulheres negras não viviam em união, independente do estado civil.

A pesquisa também aponta como as preferências afetivas de homens negros e mulheres negras são distintas. De acordo com o documento, “homens pretos tenderam a escolher mulheres pretas em menor percentual (39,9%) do que mulheres pretas em relação a homens do mesmo grupo (50,3%)”.

A partir dos dados, Jaqueline Conceição, fundadora do Coletivo Dijejê, aponta para a relevância da participação de mulheres e homens negros no debate. “Esperamos receber toda mulher negra, assim como aguardamos os homens negros. A afetividade é um problema do nosso grupo étnico, e precisa ser compreendida na sua totalidade”.

Para o encontro, o local escolhido foi o Aparelha Luzia, espaço que abriga diversas atividades políticas e culturais da comunidade negra na cidade. “O Aparelha é um ponto de ressignificaçao do que é ser preto, e isso também passa pelo afeto e pela afetividade. Em última instância, o curso também vai ser um ambiente para nós negros e negras repensarmos formas de compartilhar e construir afetos”, explica Jaqueline.

A curadoria da formação fica por conta de Stephanie Ribeiro, arquiteta, ativista e pesquisadora de temas ligados a negros e negras no Brasil e no mundo. O Coletivo Dijejê junta-se à Stephanie Ribeiro na coordenação das atividades.

+ sobre o tema

Da dificuldade nasce a força da mulher negra

Em 1989, com 14 anos, entrei no mercado de...

A “empregada” no centro de uma sociedade cindida

“Que horas ela volta?”, de Anna Muylaert, segue linhagem...

Paulina Chiziane e a liberdade de quem conta suas próprias histórias

“Se queres conhecer a liberdade Segue o rastro das andorinhas” (Ditado...

para lembrar

Lei institui o Dia de Luta contra Genocídio da Muher Negra no Rio

A lei estabelece que instituições públicas e privadas promovam...

Em resposta a racismo e bullying, jovem desenha vestido de formatura em estilo africano

A norte-americana Kyemah McEntyre, de 18 anos, conta que,...

Sede do Neab homenageia Ya Mukumbi

Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros funcionará em casa de madeira...

Conexões diaspóricas: mobilização da Marcha das Mulheres Negras no mundo

Mulheres negras de 21 países da América Latina, Caribe...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=