Sueli Carneiro ocupa o Itaú Cultural e nos convoca a agir

Enviado por / FontePor Camilo Vannuchi, do UOL

Percorro a Ocupação Sueli Carneiro, ainda em fase de finalização, como quem explora pirâmides. Em vez de hieróglifos, decifro as pegadas de uma luta ancestral, que reverbera em mim como a denúncia de um crime ocultado, uma rebelião abafada, um testemunho de coragem e resistência que a narrativa oficial buscou apagar.

Tem sido assim com o feminismo negro, suas memórias, seus símbolos, sua epistemologia, seu legado.

Para um brasileiro branco e privilegiado, que cresceu numa escola de elite, em tudo carente de diversidade, e se graduou numa universidade pública de São Paulo, numa época anterior às cotas, é imperativo palmilhar a história que não me foi contada, banhar-me na literatura que não me foi apresentada, vasculhar uma memorabilia destinada ao subsolo. Numa época em que não basta não ser racista, é preciso ser antirracista, conforme expressou a norte-americana Angela Davis, cada livro é um alumbramento, cada exposição, uma epifania. A Ocupação Sueli Carneiro, a partir deste sábado (28) no Itaú Cultural, é um grão de mostarda nesse mosaico imprescindível.

Não estou sozinho no meu desconforto e no meu desconhecimento. Antes estivesse. Melhor seria se fosse eu o branco ignaro, boçal e inculto, singular em minha bolha de privilégio, último subproduto de uma educação racista numa sociedade rica em diversidade e em empatia. Só que não. Aqui, a invisibilidade é a regra. Ainda é. E é a percepção dessa invisibilidade que nos faz absorver relatos e histórias como quem vasculha sítios arqueológicos e tateia o desconhecido. Para que o não dito seja revelado.

Dia desses, um amigo, advogado brilhante, revelou que só foi conhecer a história do abolicionista Luís Gama depois se se formar em Direito na USP. Nada foi lido, debatido ou estudado sobre Gama nos cinco anos de bacharelado. A história dos documentos da escravidão, queimados em 1890 por ordem do então ministro da Fazenda, Rui Barbosa, é outro episódio apagado, bem menos conhecido do que deveria.

A Revolta dos Malês, as experiências de outros quilombos, por que sabemos tão pouco sobre isso? Nilo Peçanha, presidente da República, era negro? E Carlos Marighella? Luíza Mahin e Dandara existiram de fato?

Quantos autores negros estão citados nas referências bibliográficas da minha dissertação de mestrado e da minha tese de doutorado? E quantas autoras? Vamos fazer essa contagem em todas as teses defendidas nos últimos dez anos na USP, na Unesp ou na Unicamp?

O racismo é estrutural, como repete Silvio Almeida, é recreativo, como nos mostra Adilson Moreira, é violento e abusivo, como aprendi com Juliana Borges e Tamires Sampaio, é social, cultural e estético. Permeia as relações de afeto, de comércio e a produção acadêmica. Costuma ser muito mais segregador e violento com as mulheres, sobre as quais incide uma dupla discriminação. “A mulher negra é a síntese de duas opressões, de duas contradições essenciais: a opressão de gênero e a de raça”, escreveu Sueli Carneiro. “Se a questão da mulher avança, o racismo vem e barra as negras. Se o racismo é burlado, geralmente quem se beneficia é o homem negro. Ser mulher negra é experimentar essa condição de asfixia social”.

Filósofa, ativista, fundadora e atual diretora da organização social Geledés – Instituto da Mulher Negra, pesquisadora rigorosa e articulista prolífica, Sueli Carneiro, 71 anos, foi uma das autoras que me pegou pelas mãos e me ensinou os primeiros rudimentos dessa alfabetização tardia. Rosane Borges, Bianca Santana, Conceição Evaristo, Lélia Gonzalez, Carolina Maria de Jesus, Djamila Ribeiro. Alegria encontrar muitas dessas mulheres nas fotografias, nos painéis e nos depoimentos em vídeo exibidos na Ocupação. É só o começo.

A ocupação anterior no Itaú Cultural, desmontada em julho, fora dedicada à compositora e maestrina Chiquinha Gonzaga e destacou sua negritude – ainda hoje invisível para muitos – bem como seu envolvimento na campanha pela abolição. Antes dela, o espaço havia homenageado apenas duas mulheres negras num universo de 50 edições: a escritora Conceição Evaristo (2017) e a sambista Dona Ivone Lara (2015). O antirracismo é necessariamente construção coletiva e, também, simbólica, mais lenta do que deveria, e cada iniciativa como esta deve ser celebrada. Trata-se, nestes casos, de uma ocupação na acepção política e emancipatória do termo: ocupar todos os espaços. Ocupar, resistir e produzir.

A Ocupação Sueli Carneiro tem curadoria do Núcleo de Comunicação e Relacionamento e da Enciclopédia Itaú Cultural, e da jornalista e escritora Bianca Santana, autora da biografia Continuo preta: a vida de Sueli Carneiro. O ambiente expositivo foi concebido numa disposição circular, com uma árvore branca, concebida com escamas de peixe no lugar das folhas, fincada bem no centro, conferindo à sala certo aspecto de oca. O babalorixá Baba Diba de Iyemonja assina a consultoria religiosa, fundamental para orientar a presença de elementos constitutivos da exposição, como um instrumento de Ogum e plantas que preenchem a entrada do espaço cênico – Sueli é ekedi no candomblé, uma espécie de zeladora, cuidadora ou camareira dos orixás. Isabel Xavier assina o projeto expográfico, com assistência de Danilo Arantes. A mostra fica em cartaz até 31 de outubro.

+ sobre o tema

A carta da Princesa por Sueli Carneiro

A televisão, em 30 de abril, divulgou o conteúdo...

Fora do Lugar, por Sueli Carneiro

A revista Tudo realizou um teste comparativo sobre o...

Nós e o papa

O papa João Paulo II surpreendeu as mulheres que...

Rompendo com a conspiração do silêncio

Importante mesmo é a clareza do invólucro. É um...

para lembrar

spot_imgspot_img

Festival Visões Periféricas anuncia filmes selecionados 

O FESTIVAL VISÕES PERIFÉRICAS confirma a realização da 17ª edição, de 20 a 26 de março, com formato presencial e online e gratuito para todo o Brasil,...

Documentário ‘Quantos Dias. Quantas Noites’ entra para o catálogo do Itaú Cultural Play

Na quinta-feira, 12 de outubro, a Itaú Cultural Play leva para seu catálogo o novo filme de Cacau Rhoden, Quantos Dias. Quantas Noites. Diretor de produções como Nunca me...

Nova temporada da série Trajetórias na Itaú Cultural Play abre com minidocumentários de Leda Maria Martins e Léa Garcia

A programação de setembro na plataforma de streaming Itaú Cultural Play começa com a segunda temporada de Trajetórias, série dedicada à carreira e à...
-+=