quinta-feira, setembro 17, 2020

    Tag: literatura angolana

    blank

    O livro de Djaimila Pereira e a história de um cabelo que é mais do que só aparência

    Djaimilia Pereira é mulher negra, com família de portugueses e angolanos, mas de Angola se lembra pouco. Mora em Portugal desde os três anos de idade. Os passeios breves ao outro continente durante a infância não incrementaram muito sua memória sobre a terra de seus antepassados. Djaimilia é autora do livro Esse Cabelo, que além do título traz uma descrição na capa: "A tragicomédia de um cabelo crespo que cruza a história de Portugal e Angola". O romance é um livro de memórias de Mila, personagem inspirada em sua própria biografia. Djaimila compara a obra com um álbum de fotografia - há imagens captadas, mas ao mesmo tempo, também há memórias de cenas fictícias que revelariam estranhos familiares. por Luciana Brito no HuffPost Mila tenta recuperar as lembranças de sua vida, onde o cabelo é o aspecto central para a composição de suas memórias. É por meio das lembranças que a personagem descreve a vontade de ...

    Leia mais
    blank

    Livro “Áfricas Ocultas” gera debate em Luanda

    O Centro Cultura Brasil-Angola promoveu um debate em torno dos desafios da nova produção da literatura contemporânea africana, durante o projecto “Café Literário”, com o escritor Gabriel Ambrósio. por Kátia Ramos no Jornal de Angola Durante o debate, no qual o escritor apresentou o livro “Áfricas Ocultas”, Gabriel Ambrósio afirmou ter feito uma investigação profundo sobre as várias realidades africanas no período em que frequentava os estudos, transcrito as conclusões da pesquisa nas 266 páginas do livro.   Para o escritor, a maior ambição do livro é de incentivar os leitores a importarem-se com as tradições africanas, no sentido da mesma servir de estudo e desta forma manter o legado deixado pelos nossos antepassados. Gabriel Ambrósio, manifestou o seu descontentamento pelo facto do Continente africano ser um gigante desconhecido na Europa, Ásia e outras parte do mundo em que já viajou. Para o autor, “Áfricas Ocultas” aborda vários aspectos sócio-religiosos do ...

    Leia mais
    Érica Antunes Pereira

    Poesia de escritores africanos conquista público brasileiro

    A tese de doutoramento da brasileira Érica Antunes Pereira, que analisa a construção e a temática da poesia das angolanas Ana Paula Tavares e Alda Lara, da cabo-verdiana Vera Duarte, da moçambicana Noémia de Sousa, e das são-tomenses Alda Espírito Santo e Conceição Lima, vai ser lançada ainda este ano. Érica Antunes Pereira, professora da Universidade de São Paulo, justifica a escolha destas poetas com o facto de as considerar as que "melhor representam a poesia de autoria feminina nos seus respectivos países e, embora pertençam a contextos socioeconómicos e culturais bastante diferentes, as suas obras aproximam-se, tanto pela abordagem temática, quanto pela existência de um projecto de construção social do sujeito feminino". Para Vera Duarte, 2012 avizinha-se um ano prometedor. A par da tese da professora brasileira, as suas obras premiadas "A Candidata" e "O Arquipélago da Paixão" vão ser editadas no Brasil, também este ano. Uma entrada relevante ...

    Leia mais
    carlapeairo

    Notas para uma história da literatura angolana

    A passagem com a qual iniciamos nosso trabalho resume com enorme rigor, uma impressão comum a todos os estudiosos da literatura angolana, sua característica eminentemente histórico-social; ao mesmo tempo que explica prolongadas ausências de qualquer registro literário digno desse nome. Os autores angolanos estiveram sempre em primeira linha de combate pela libertação e pela dignificação do homem angolano e, o que não é raro, subordinando na produção literária a luta socio-política. Os primeiros registros de produção escrita de um autor natural de Angola remontam ao século XVII. Sem querer dizer que não houvera literatura angolana antes desta época, a literatura de cunho marcadamente tradicional que conhecemos tinha, não obstante, uma característica determinante: a de ser oral. Por que só a partir dos primeiros escritos conhecidos pudemos ter algum conhecimento concreto sobre o assunto. Um dos primeiros escritos da literatura oral, segundo Carlos Ervedos, em seu "Roteiro da Literatura Angolana", por ...

    Leia mais
    Literatura Angolana- Literatura e Poder Politico

    Literatura Angolana: Literatura e Poder Político

    por Roderick Nehone Teríamos encontrado dificuldades metodológicas acrescidas para a definição do conceito de literatura, que aqui se pretende abordar, se o contexto em que se realiza este evento não facilitasse claramente o enquadramento da perspectiva de compreensão do significado deste termo polissémico. Teríamos encontrado dificuldades metodológicas acrescidas para a definição do conceito de literatura, que aqui se pretende abordar, se o contexto em que se realiza este evento não facilitasse claramente o enquadramento da perspectiva de compreensão do significado deste termo polissémico. À partir da proposição " LITERATURA e PODER POLÍTICO" me é permitido inferir que, para o nosso diálogo de hoje, poderemos convencionalmente prescindir de todas aquelas interpretações que traduzem a literatura como "tudo o que é impresso", englobando no mesmo conceito tanto romances volumosos do género de "Guerra e Paz" de Tolstoi, como os mais minuciosos vade-mécuns de medicina. Serão igualmente aqui preteridas, dentre outras, as definições ...

    Leia mais
    Diálogos entre literatura e jornalismo em Angola

    Diálogos entre literatura e jornalismo em Angola na passagem do século XIX ao XX

    Sheila Ribeiro Jacob (Universidade Federal Fluminense) RESUMO Neste artigo abordamos o início do jornalismo em Angola, no século XIX, e a sua importância para a divulgação e o incentivo à literatura que começava a ser produzida então. Veremos o diálogo entre ambos os movimentos, tanto no século XIX, com a atuação de Alfredo Troni e Cordeiro da Matta, quanto no século XX, quando romancistas tomaram como inspiração a geração da imprensa do século anterior. PALAVRAS-CHAVE: Imprensa livre angolana, literatura, século XIX. PDF Diálogos entre literatura e jornalismo em Angola na passagem do século XIX ao XX

    Leia mais
    mascara africana angola

    Joaquim Dias Cordeiro da Matta

    Investigador, jornalista e poeta angolano, Joaquim Dias Cordeiro da Matta nasceu a 25 de dezembro de 1857 em Icilo e Bengo (Angola). Uma das figuras angolanas mais multifacetadas do século XIX, Cordeiro da Matta foi poeta, cronista, romancista, jornalista, pedagogo, historiador, filólogo, folclorista e a sua investigação e zelo levaram a estabelecer em Angola um grande respeito pela cultura e tradição quimbunda. Como jornalista sobressaiu em O Arauto Africano e O Farol do Povo e colaborou em várias publicações como Almanaque de Lembranças Luso-Brasileiras (1879-1892) e Jornal de Luanda (1870). Publicou vários livros, que na sua maioria desapareceram, como Delírios 1875-1887 (1889), O Loandense da Alta e Baixa Esfera, Filosofia Popular em Provérbios Angolenses (1891), Dicionário Quimbundo-Português, Cartilha para se Aprender Quimbundo, Contos Angolanos e Cronologia de Angola, entre outros. Cordeiro da Matta, um dos exemplos de autodidatismo na história do jornalismo e da investigação angolana, morreu a 2 de ...

    Leia mais
    terra_sonambula

    10 obras fundamentais da Literatura africana de língua portuguesa

    por Sandro Brincher Literatura africana de língua portuguesa Já li em alguma antologia que toda seleção é ingrata. Ora, não é preciso lembrar que o objetivo das listas e das antologias não é nem justiça, nem equilíbrio. Elas refletem, afinal de contas, uma opinião em um determinado tempo sob certas influências teóricas ou metodológicas. O objetivo de toda lista – e aqui me refiro a uma lista bibliográfica – é oferecer um panorama de leitura, um primeiro empurrão, um norte aos interessados num determinado assunto. Proponho-me então, mui injusta e desequilibradamente, a apresentar uma lista pessoal de dez obras fundamentais das chamadas Literaturas Africanas de Língua Portuguesa. Outra questão que se faz importante é essa pluralização do objeto: literaturas. Cada país da chamada lusofonia (o conjunto de países onde se fala Português) – termo que, vale frisar, não agrada a muita gente – tem sua própria história de colonização, suas ...

    Leia mais
    Ondjaki Ndalu

    Angolano Ondjaki Ndalu vence prémio brasileiro Jabuti na categoria juvenil

    Ondjaki Ndalu é o primeiro autor angolano a ser distinguido com esta premiação. Luanda - O escritor angolano Ondjaki Ndalu de Almeida venceu, no Brasil, o prémio literário Jabuti na categoria juvenil, com o livro "Avó Dezanove e o Segredo do Soviético", publicado pela editora angolana Nzila em 2008. O prémio Jabuti é um dos mais prestigiados galardões literários brasileiro e é atribuído em 21 categorias. De acordo com uma nota de imprensa divuldada pela Angop, Ondjaki é o primeiro autor angolano a ser distinguido com este galardão. Já em Lisboa (Portugal), o escritor angolano apresenta quarta-feira a sua nova obra literária intitulada "Dentro de mim faz sul". A ser publicada pela Texto, do grupo editorial Leya-Angola, a obra será lançada também em Angola, ainda este mês. Fonte: África 21

    Leia mais
    viriato_cruz01

    Viriato da Cruz

    Porto Amboim, Angola, 1928 - Pequim, China, 1973. Foi um dos mentores do Movimento dos Novos Intelectuais de Angola (1948) e da revista Mensagem (1951-1952). Foi membro-fundador e secretário-geral do MPLA. Dissidente deste movimento, esteve exilado em Portugal e noutros países europeus, fixando-se posteriormente na China. Viriato da Cruz teve grande importância no desenvolvimento da literatura angolana, caracterizando-se a sua obra pelo apego a certos valores africanos, quer quanto à temática, quer quanto à forma. A sua produção está dispersa por publicações periódicas e representada em várias antologias, das quais uma - No Reino de Caliban - reúne a sua obra poética. Obra Poética: Poemas, 1961, Lisboa, Casa dos Estudantes do Império. ________________________________________ Mamã negra (canto da esperança) (À memória do poeta haitiano Jacques Roumain) Tua presença, minha Mãe - drama vivo duma Raça, Drama de carne e sangue Que a Vida escreveu com a pena dos séculos! Pela tua ...

    Leia mais
    ruy-duarte-de-carvalho

    Ruy Duarte de Carvalho

    Ruy Duarte de Carvalho Biografia Nasceu em Santarém, Portugal, em 1941. Passou a infância e adolescência no sul de Angola, acompanhando o pai, aventureiro português caçador de elefantes, nas suas intinerâncias pelo deserto do namíbe. Regente agrícola, foi criador de ovelhas caracul, mais tarde estudou cinema em Londres e antropologia em Paris, doutorando-se com uma tese sobre os pescadores da Ilha de Luanda. É atualmente professor na Universidade de Luanda. Obra Poética: Chão de Oferta, 1972, Luanda, Culturang; A Decisão da Idade, 1976, Lisboa, Sá da Costa; Exercícios de Crueldade, 1978, Lisboa, Publicações Culturais Engrenagem; Sinais Misteriosos... Já Se Vê..., 1979, Lisboa, Ed. 70; Ondula, Savana Branca, 1982, Lisboa, Sá da Costa; Lavra Paralela, 1987, Luanda, União dos Escritores Angolanos; Hábito da Terra, 1988, Luanda, União dos Escritores Angolanos; Memória de Tanta Guerra (Antologia Poética), 1992, Lisboa, Vega; Ordem de Esquecimento, 1997, Lisboa, Livros Quetzal; Observação Direta, 2000, Lisboa, Edições ...

    Leia mais
    arlindo

    Arlindo do Carmo Pires Barbeitos

    Biografia Arlindo do Carmo Pires Barbeitos, nasceu em Catete, Província de Icolo e Bengo, Angola, em 24 de Dezembro de 1940. Em 1961, foi obrigado a fugir de seu país por motivos políticos. Foi para a França, Bélgica, Suíça, Alemanha, onde cursou Antropologia e Sociologia na Universidade de Frankfurt. Doutorou-se em Etnologia e foi professor na Universidade Livre de Berlim Ocidental e na Universidade de Angola, país ao qual regressou em 1975. A sua poesia tem reminiscências da poética tradicional africana, de tradição oral, e das poesias chinesa e japonesa. Obra Poética: Angola Angolê Angolema, 1975, Lisboa, Sá da Costa; Nzoji (Sonho), 1979, Lisboa, Sá da Costa; Fiapos de Sonho, 1990, Lisboa, Vega; Na Leveza do Luar Crescente, 1998, Lisboa, Editorial Caminho. ________________________________________ Amanheceu/quem diria amanheceu quem diria que inda agora hoje era ontem e que cacos ao longe não iam ser olhos de bicho quem diria que patos-bravos mergulhando ...

    Leia mais
    blank

    Angola e Moçambique Experiência Colonial e Territórios Literários

    Resenha: Adriana Graciano Rita Chaves é uma potente voz no cenário acadêmico brasileiro. Raríssima combinação de excelência tanto em sua prática docente quanto de pesquisadora reitera a relevância de seu trabalho e a agudeza de seus olhares no impecável Angola e Moçambique Experiência Colonial e Territórios Literários publicado pelo Ateliê Editorial em 2005. A autora integra o corpo docente da Universidade de São Paulo onde leciona Literaturas Africanas de Língua Portuguesa e dirige o Centro de Estudos Portugueses. Além de ser pesquisadora associada do Centro de Estudos Afro-Asiáticos da Universidade Candido Mendes, também atuou como professora na Universidade Eduardo Mondlane durante dois anos. Sua obra inclui A Formação do Romance Angolano e a co-organização de Portanto... Pepetela, Literaturas em Movimento - Hibridismo Cultural e Exercício Crítico e Brasil/África: Como se o Mar Fosse Mentira. A breve, mas nem por isso menos precisa, apresentação de Benjamin Abdala Junior antecipa os pontos cardeais da trajetória percorrida pela professora ...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist