‘Tem Gente com Fome’: há 78 anos, Solano Trindade ia preso por poema

Em 1944, o poeta recifense Solano Trindade publicava “Poemas d’uma vida simples”, seu segundo livro, impregnado pela crítica social característica de sua obra. A publicação teve boa repercussão, mas não agradou todo mundo: Trindade foi perseguido e preso pela ditadura do Estado Novo e o livro, apreendido.

A prisão teria sido motivada por “Tem Gente com Fome”, que se tornou um de seus poemas mais conhecidos. O texto poderia ser de 2022, ano em que 33 milhões passam fome e 125 milhões convivem com algum grau de insegurança alimentar no Brasil.

A Coalizão Negra por Direitos, por exemplo, se inspirou neste texto do poeta para nomear a campanha “Tem Gente com Fome”, que vem arrecadando alimentos desde início da pandemia.

“Trem sujo da Leopoldina/correndo correndo/parece dizer/tem gente com fome/tem gente com fome/tem gente com fome”, diz o poema, que anuncia as estações de trem e o entra e sai dos trabalhadores pobres com suas “caras tristes”. Na época, esse trajeto era percorrido diariamente pelo poeta, que morava em Duque de Caxias (RJ) e trabalhava na capital.

Mas o legado de Solano Trindade vai muito além de um só poema: multiartista, estudioso da cultura popular, militante pela igualdade social e racial, ele foi, ao lado de Abdias Nascimento, um dos principais intelectuais negros a movimentarem o cenário cultural e político brasileiro do século 20.

Do centro do Recife ao Embu das Artes

Filho de um sapateiro e uma quituteira, Solano nasceu em 1908 no bairro São José, na região central do Recife. Teve contato desde cedo com as manifestações da cultura popular nordestina: nos dias de folga, seu pai dançava pastoril e bumba meu boi nas ruas do Recife e o levava junto. Sua mãe pedia que lesse para ela literatura de cordel – mas também novelas e poesia romântica. E havia o carnaval, com o maracatu e o frevo, que o fascinavam.

Ele concluiu o segundo grau (equivalente ao ensino médio) e se casou em 1935 com a terapeuta ocupacional e coreógrafa Maria Margarida Trindade, com quem teve quatro filhos. Foi nessa época, aos vinte e tantos anos, que começou a atuar politicamente.

O nazifascismo estava em ascensão na Europa e o Partido Integralista – versão brasileira desses movimentos de extrema-direita – desfilava nas capitais.

Já a população negra se articulava para fazer frente à discriminação na Frente Negra Brasileira, em jornais negros e outros espaços. O poeta fundou em 1936 a Frente Negra Pernambucana e, junto com outros artistas, organizou o Centro de Cultura Afro-Brasileiro, que promoveu seminários, produções artísticas, projetos educativos e assistência médica. No mesmo ano, estreou na literatura com “Poemas Negros”.

“Sou Negro
meus avós foram queimados
pelo sol da África
minh’alma recebeu o batismo dos tambores
atabaques, gonguês e agogôs.”

Trecho de poema de Solano Trindade

Na década seguinte, passou por Belo Horizonte (MG) e Pelotas (RS), onde fundou grupos de arte popular. Em 1942, se estabeleceu no Rio de Janeiro, passou a frequentar os círculos culturais da cidade e conheceu outros artistas e intelectuais negros, com quem fundou o Comitê Democrático Afro-Brasileiro.

Junto com a esposa Margarida Trindade e do sociólogo Edison Carneiro, criou em 1950 o Teatro Popular Brasileiro, que encenava peças com um elenco formado por domésticas, operários e estudantes, e teve vários espetáculos levados a países da Europa. O grupo deu origem ao Teatro Popular Solano Trindade, ainda em atividade.

“Organizando bailados, editando revistas, promovendo espetáculos e conferências, incansável em sua atividade, poucos fizeram tanto quanto ele pelo ideal da valorização do negro.”

Sérgio Milliet, poeta e crítico literário, sobre Solano Trindade

No fim da década, lançou um terceiro livro de poemas “Seis tempos de poesia”, pintou quadros e se envolveu com cinema, atuando em alguns filmes (como “A Hora e a Vez de Augusto Matraga”) e chegando a produzir (“Magia Verde”) e dirigir (“Brasil Dança”) outros.

Solano Trindade (Imagem: Folhapress)

Em 1961, publicou “Cantares do Meu Povo” e saiu de Caxias para fixar residência no Embu, município próximo à capital paulista. Ali, junto com outros artistas, ajudou a desenvolver um polo cultural que fez com que a cidade ganhasse o “das artes” no nome, já nos anos 2000. O artista morreu em 1974, aos 66 anos.

+ sobre o tema

‘O pequeno príncipe preto’ traz menino negro ao protagonismo da narrativa

Obra literária infantil, de Rodrigo França, coloca a criança...

Duda voa no último salto e conquista o inédito bicampeonato mundial

Paulista sofre na decisão, mas faz salto perfeito no...

para lembrar

Repense o Elogio

Dirigido por Estela Renner, Repense o Elogio é um...

Lupita Nyong’o pode estar em ‘Pantera Negra’, novo filme da Marvel

Prepare-seu coração: Lupita Nyong'o pode estar no aguardado filme...

Um 13 de maio jongueiro

Há tempos e tempos, quando os negros ganharam aquelas...

Jornalistas visitam uma ‘Barbearia Negra’ norte-americana; confira o que eles encontraram

O jornalista americano Wilbert L. Cooper e o fotógrafo...
spot_imgspot_img

Itamar Vieira Junior estreia nos livros infantis com trama de crianças trabalhadoras

"O público infantil não deve ser poupado de conhecer essa realidade", afirma Itamar Vieira Junior que em seu primeiro título infantojuvenil, "Chupim", quer direcionar o olhar atento...

Djonga fará turnê pelos Estados Unidos em julho de 2024

Um dos maiores nome do hip hop nacional, Djonga fará sua segunda turnê nos Estados Unidos. O mineiro leva a turnê "INOCENTE 'Demotape'” para Connecticut, Filadélfia...

Aos 105, Ogã mais velho do Brasil, que ajudou a fundar 50 terreiros só no Rio, ganha filme e exposição sobre sua vida

Luiz Angelo da Silva é vascaíno e salgueirense. No mês passado, ele esteve pela primeira vez no estádio de São Januário, em São Cristóvão,...
-+=